Cultura

“O Estado não tem sido um bom exemplo”

 isaura.jpgDeclaração da professora e investigadora, Isaura Carvalho, que contou ao Téla Nón a origem do encontro de São Tomé e Príncipe em Amesterdão, que se realizou no mês passado na Holanda.

Segundo Isaura Carvalho, alguns holandeses têm mantido contacto com o nosso país. Pessoas que são conhecedoras da nossa realidade e das nossas dificuldades e que querem trabalhar mais com a sociedade civil do que com o Estado. Isto porque o Estado ao longo destes anos não tem sido propriamente um bom exemplo de concretização de projectos, especialmente com os projectos comunitários.

Tendo contacto com um ou dois destes grupos de holandeses que se sentiram muito envolvidos em projectos que a Associação ROÇAMUNDO está a realizar no sul do país, que acharam que seria interessante poder divulgar estes projectos junto da comunidade holandesa e interessá-los na causa do desenvolvimento das comunidades locais.

“São comunidades carenciadas de tudo. Portanto, organizou-se um grupo em que participaram elementos da Associação ROÇAMUNDO, dentre os quais eu, o João Carlos Silva, o Olavo Amado e artistas plásticos para aproveitarem e fazerem uma mostra de produtos artísticos.” – explicou a investigadora.quadros.jpg

O encontro aconteceu no dia 21 de Outubro nos escritórios de um destes holandeses que tem uma fundação. Convidaram variadíssimos sectores da vida económica, social e cultural holandesa cujos representantes lá estavam e assistiram a todos os painéis que foram apresentados.

Isaura Carvalho frisou que houve gente muito interessada na área de investimento, no sector turístico, no sector agrícola, no apoio aos projectos comunitários. Desse encontro e nestes painéis foram aprovados dois pequenos projectos: um projecto para a conclusão da recuperação de ruínas e transformação em Centro Turístico de Pesca Artesanal, que já está em curso, e  outro que é para a recuperação da Praça de São João dos Angolares.

A professora acrescentou que “abriram-se de facto muitos canais para futuras parcerias. Gostávamos de fazer no próximo ano o encontro Holanda em São Tomé.”

Os objectivos gerais do Meeting São Tomé e Príncipe in Amsterdam passam pela divulgação que a arte e a cultura aliadas à gastronomia podem fazer do nosso país junto de várias comunidades internacionais, neste caso, a Holanda. Mostrar a esse país as condições para investimento que São Tomé e Príncipe dispõe a vários níveis. Promover a arte e a cultura são-tomense além fronteiras porque já existe um naipe de artistas com qualidade para poder estar em qualquer galeria do mundo. Encontrar mercado para os artistas são-tomenses é uma grande preocupação do Espaço Teia d’Arte e do CIAC. Não basta apenas formar, educar e promover. É importante também encontrar mercado para que os artistas possam fazer escoamento das suas obras.quadro-exposto.jpg

No encontro que se realizou em Amesterdão, destacou-se a apresentação do advogado Pieter Van Welzen, que é um conhecedor da realidade socioeconómica e cultural de São Tomé e Príncipe bem como a colaboração dos vários advogados da Fundação Clifford Chance.

Para o nosso país o encontro foi extremamente positivo. Foi possível fazer uma série de contactos quer a nível artístico, quer a nível de potenciais investidores holandeses em São Tomé e Príncipe. Contactos com operadores turísticos e também com instituições ligadas às artes, como por exemplo a Grande Academia das Artes de Amesterdão.quadros-na-parede.jpg

Isaura Carvalho disse ao Téla Nón que está prevista para 2010 a vinda de um grupo de holandeses que virão trabalhar como voluntários em projectos sociais, nomeadamente no sul do nosso país (Caué), onde  a Associação ROÇAMUNDO tem vindo a desenvolver vários projectos com a comunidade local.

Katya Aragão

Recentemente

Topo