Cultura

Metamorfose & Estátuas

Mais um cheirinho poético do livro ” O País de Akendenguê”

METAMORFOSE

Para o Francisco da Silva, Gito

In memoriam

Hoje as palavras nada dizem de naufrágios.
Pétalas apenas
Pétalas não visíveis
infinitas pétalas
E na ponta dos nossos dedos
O fantasma de uma doce, habitável Cidade
Suas vestes de púrpura e de lenda
Seu corpo, fruto tenaz e justa partilha.
De uma exacta metamorfose somos testemunhas.

Estátuas

Neste país  as estátuas desdenham alturas
Traficam na praça, devassam estradas
Têm mãos pensativas e barro na planta dos pés.

    7 comentários

7 comentários

  1. Albertino Silva Braganca de Sousa

    9 de Março de 2011 as 9:02

    fenómenal sintese poética!

    • Fabiano Seitas

      9 de Março de 2011 as 16:14

      Oh Albertino deixa la de bajular a Sao Lima, tenta escrever tb alguma coisa, pra nao termos a Sao Lima.

      • Fabiano Seitas

        9 de Março de 2011 as 16:26

        Queria dizer “Pra nao termos a São Lima“ a fazer tudo por nós.

        • Albertino Silva Braganca de Sousa

          9 de Março de 2011 as 18:47

          tambem escrevo, mas nao tenho apoio pra publicar. se tiveres com ajudar-me te agradecia. podes escrever-me dando-me o teu email e assim falaremos.

          e nao bajulo a Sao, apenas elogio o que é bom e apreciavel.

  2. Xavier

    9 de Março de 2011 as 22:00

    Cada vez melhor, cara São. Bravo!

  3. john quebroide

    10 de Março de 2011 as 13:18

    john diz,

    Força Sao Deus Lima, que Deus nosso senhor te abençoe.

  4. Leonel Ppinto

    13 de Março de 2011 as 14:32

    Especial Sao Lima, gosto disto

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo