Cultura

Memórias de Alda Graça do Espírito Santo

É uma contribuição da Direcção da Cultura, na pessoa da Directora Iolanda Aguiar. Para nunca esquecer da poetisa que simboliza a identidade são-tomense. Clique – memorias de Dona Alda

    4 comentários

4 comentários

  1. ilidio jordao

    13 de Maio de 2011 as 16:27

    Que ela bem merece …obrigada Alda.

    • pavlov

      20 de Junho de 2011 as 3:08

      ola ilidio es da familia jordao? vives om angola ou STP ?

  2. B. Oliveira

    13 de Maio de 2011 as 22:27

    Tudo quanto for para memória dos nossos entes, aqueles que tudo deram e nada levaram, é, sempre benvinda. Melhor é de louvar. Mas aconselho a sua autora a proceder algumas ao arranjo do texto porque contém muitas incorreções. Quer de escrita, gramatical, etc. para o bem do bom português.

  3. J. Maria Cardoso

    14 de Maio de 2011 as 9:37

    «Eu não descansarei, enquanto não vir de cada uma das “palaiês” da minha terra, pelo menos um filho licenciado». Citação de Dona Alda do Espírito Santo.
    Com 36 anos, preste a comemorarmos, verdade ou utopia?
    Verdade, a mais pura das verdades.
    Não é necessário encomendarmos estudos estatísticos aos especialistas do BM e do FMI. É somente despirmos de preconceitos a volta dos nossos gabinetes e até dos nossos responsáveis políticos.
    Infelizmente, os filhos das paliês licenciaram-se em tudo mais alguma coisa menos em conhecimentos necessários para compensarem as mães do Solo Sagrado k sabe Deus como enfrentaram as adversidades dos tempos para dar-lhes a escola.
    Eterno descanso!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo