Viúva do fundador da Nação angolana visitou a roça Agostinho Neto

Maria Eugénia Neto, viúva do primeiro Presidente de Angola, visitou na quinta – feira, a roça que ostenta o nome do seu falecido marido, Agostinho Neto, localizada no distrito de Lobata, em São Tomé e Príncipe.

Embora esteja na capital deste arquipélago em viagem privada, a viúva de António Agostinho Neto aproveitou a oportunidade para conhecer a antiga empresa agrícola, que o Estado são-tomense decidiu  baptizar com  nome do herói angolano, . O nome da roça é uma homenagem do povo são-tomense ao fundador da Nação angolana.

Acompanhada do presidente do distrito de Lobata, Hermenegildo dos Santos, Maria Eugénia Neto visitou o memorial, um tributo ao seu finado esposo, o antigo hospital, a área administrativas e outras que constituem a infra-estrutura.

À chegada, a visitante foi recebida por um grupo de três crianças de um infantário, que lhe ofereceram flores, e pelo presidente do distrito, para quem a roça foi, no passado, um dos cartões de visita de São Tomé e Príncipe.

Eugénia Neto foi ainda brindada com números da música local, tocados e interpretados por um grupo de senhoras, acompanhado pela coreografia de duas dançarinas.

A roça

A roça Agostinho Neto remonta há mais de 100 anos. Denominada, inicialmente, “Rio d’Ouro”, o empreendimento, erguido no âmbito da estratégia de dominação colonial portuguesa, tem uma extensão de mais de mil e 600 hectares, incluído a zona ligada à administração.

A infra-estrutura foi nacionalizada a 30 de setembro de1975, passando para a tutela do Estado são-tomense, por meio do Ministério da Agricultura. Agostinho Neto, fundador da Nação angolana, fez a sua primeira visita à roça em Abril de 1976, um ano a seguir à independência do arquipélago.

Em 1980, a roça passou a chamar-se “Empresa Estatal Agro-Pecuária Dr. António Agostinho Neto”.

Téla Nón

  1. img
    Barão de Água Ize Responder

    A História é importante para a memória de um povo. A homenagem a Agostinho Neto é importante, mas para que as gerações vindouras saibam que a Roça Rio de Ouro resultou de muitos anos de trabalho duro em regime de servidão, ainda Agostinho Neto não tinha nascido ou deduzirem erradamente que o presidente Angolano é que fundou a roça, ela não deveria ter o nome: Roça Rio de Ouro – Dr. Agostinho Neto?

    • img
      Tito Responder

      Mesmo esta históia está incompleta. Deveriam ajuntar que a roça Agostinho Neto, ex “Rio de ouro”, foi entregue a um grupo de santomenses encabeçado pelo senhor Fradique de Minezes, que exploraram, tiraram o que tinha para tirar, não fizeram nemhum investimento,não houve nenhuma contapartida para o cofre do Estado. Pura e simplesmente entregaram esta roça a um grupo de santomense que a exploraram durante quase 2 décadas, e quando a roça já não lhe davam dinheiro abandonaram pura e simplesmente a roça. E daí para frente sãp os jovens distruidores que tomaram conta, retirando tudo que ainda eram possivel vender e deixaram a roça na ruina. è esse o nosso santomense. è para isso que lutam para o poder,onde não têm paciencia de esperaraem a sua vez – quando o povo decidir.

    • img
      José Sousa Responder

      Tenho muita pena que o povo de S. Tomé e Principe ainda não tenha aberto os olhos para pderem ver que, já quando foi dado o Nome aquela Roça de António Agostinho Neto, já era com o intuito de se infiltrarem nessas ilhas paraisiacas. Como podem vereficar, O actual presidente de Angola, José Eduardo dos Santos e outros seus capangas, estão a fazer daquela ilha, uma ilha turistica mas que os fundos reverterão os seu cofres. Pois são estes corruptos que estão gastando o dinheiro do povo Angolano em S. Tomé para encherem os seus cofres! Os santoméenses deveriam abrir os olhos, pois já quando essa Roça quando foi batizada com o nome de Agostinho Neto, já eram os mafiosos a interessarem-se pela exturquirem riqueza! Lamento!…

  2. img
    Santosku Responder

    Barão de Agua Izé, em que parte do texto leste que o 1.º Presidente de Angola foi fundaddor da Roça Dr. Agostinho Neto. Descordo do nome em que propões, porque quando se´e baptizado deve-se utilizar do baptizado e neste caso não posto por interesse a que próprio referiste de sacrificio.

    • img
      Barão de Água Ize Responder

      De facto não está escrito no texto do artigo do Tela Non que Agostinho Neto foi fundador da Roça Rio De Ouro e nem afirmei tal. Mas para as gerações vindouras é importante que conheçam a História integral do País e nesta inclui-se a Roça Rio de ouro, até para que saibam porque lhe foi dado este nome há mais de 100 anos, e que se ela existe, infelizmente no estado miserável actual, foi devido ao trabalho brutal de milhares de trabalhadores de várias nações durante muitos e muitos anos.

    • img
      nada Responder

      Ele nao afirmou nada. E foi por isso que usou a frase “…deduzirem erradamente que o presidente Angolano é que fundou a roça…” Repare bem! Ele usou o verbo deduzir.

  3. img
    Binibone Responder

    Roça Dr. Agostinho Neto, ponto final, sem comentário. Há muita falta de respeito na Democracia.

    • img
      Barão de Água Ize Responder

      Quando a História (a verdadeira) não é respeitada, a Democracia é verdadeira?

  4. img
    Santomé Plodôsu Responder

    Haverá em Angola alguma coisa, sítio ou rua com o nome dum santomense?

  5. img
    concozuco Responder

    Sim… Roça Dr. Agostinho Neto. Agora façam alguma coisa por ela. No estado em que está dá pena. Vamos todos apelar a viuva e ao estado angola para investir neste gigante adormecido. Um Bem Haja.

  6. img
    Dondô Responder

    Desde a Independência até a presente data, aprovou-se tantos Orçamentos de Estado, que tinha com objetivo criar o que era necessário e fazer a manutenção do que existia para que não se tornasse inútil.
    Tantos anos se passaram, simplesmente ocupou-se espaços que não devia, deixando famílias pobres, ainda mais pobre, porque tinha-se que ocupar esse ou aquele espaço, e o resultado é o que se vê. Em todo o País existe relíquias colonias que deviam ser recooperadas; infelizmente estas foram entregues ao abandono: É pena

  7. img
    ANCA Responder

    O País, tem necessidade de reconhecimento dos seus problemas reais internos, pelos Partidos Políticos Nacionais.

    Como é o caso do atraso Social, Cultural, Desportivo, Político, Ambiental, Económico e Financeiro, a Miséria, Fome e Pobreza extrema, que se encontra mais de metade da nosso Território/População.

    Tem sido uma escalada de aumentar de Fome, Miséria e Pobreza extrema desde 1975, até então, com o regredir Social, Cultural, Moral, Desportivo, Político, Ambiental, Económico e Financeiro.

    Andamos preocupadíssimos, a fazer polítiqueces, com o reconhecimentos das liberdades, garantias e bem estar social, cultural, desportivos, moral, político, ambiental, económico e financeiro dos outros, com intrigas políticas, ódio, persiguições políticas, negóciatas pessoais e política, com interesses pessoais e políticos, com intuito de somente ganhar eleições, e estabelecer as posses.

    Caros cidadãos, Sociedade civil, Intituições e Responsaveis Civis e Políticos.

    Basta prestarem atenção as estastíticas do País, (Território/População), para perceberem que;

    á falta de cobertura no, acesso á Água Potável, á grande parte do nosso Território/População – logo um Problema de saúde e salubridade Pública.

    a falta de cobertura no, acesso á Saneamento Básico – logo um problema de acesso á Habitação condigna, um problema de Infra-Estrutura e um Problema de Saúde Pública.Por exemplo; a falta de habitação condigna faz aumentar a promiscuição, á poligamia, a proliferação de famílias mono parentais, a proliferação de meninos de rua, á deresponsabilização Familiar á nível social, cultural da assunção da responsabilidade perante os filhos menores. Logo um problema social, cultural de desenvolvimento sustentável futuro, com á saúde e com á educação.

    a falta de cobertura, á eletricidade, no acesso luz electrica, a grande parte do Território/População, um problema de infra-estrutura. Logo um problema no acesso á equipamentos, como os Electrodomesticos(Fogão electrico ou á Gás, Frigoríficos, etc,etc) Televisão, Computadores, por exemplo, grande parte da população, ainda hoje para cozinhar, utiliza a lenha e o carvão, quando oterritório dispõe de Mar, Rios Petrólio, Gás, e nalgumas regiões de Vento. Logo um problema de acesso á informação e novas tecnologias, logo o subdesnvolvimento.

    Dentre outros tantos que aqui poderia enumerar.

    Em suma;

    Um problema sério de falta de Organização/Planeamento e Investimento Coordenado e Homogeneo no País- Território/População.

    Ainda está por resolver questões á problemas colocados atrás e outros tantos;

    As questões de;

    Porquê?

    Onde?

    Como?

    Quando?

    Quanto?

    Quem?

    O quê?

    Os cidadãos SãoTomenses e a Sociadade Civil, deve e pode ser capaz de resolver eresponder tais questões, de uma forma Organizada e Construtiva.

    É preciso mudanças nas intituições e nas Organizações da Sociedade civil, na forma como aqueles que têm responsabilidades, de coordenação, execução, legislativo, e Presidencial, exercem o seus Poderes, para com aqueles que são ou melhor que deveriam ser Orientados, Organizados e Coordenados para o crescimento e desenvolvimento social, cultural, moral desportivo, político, ambiental, económico e financeiro.

    Jamais deve ser uma varinha mágica de dois anos ou de quadro anos mas sim de compromisso de cada cidadão/ã SãoTomense por cada cidadão/ã SãoTomense, independentemente das suas paixões, credos, gostos, pelo desenvolvimento, deste belo País- Território/População.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  8. img
    João Carlos Responder

    Amigo Santomé, Só para lhe informar que em Angola além de ruas, existe tbém Escolas com nomes de figuras ou nomes Santomeses.

    • img
      Maria Responder

      Dê exemplo por favor, só a titulo de curiosidade

  9. img
    Paulo de Ceitas Responder

    Alguém perguntou se havia em Angola alguma rua ou sítio em homenagem a São Tomé. É claro que há. São bairros inteiros, onde vivem ilegalmente milhares de cidadãos são-tomenses. Sambizanga (alguém prefere chamar São Paulo), Boavista, Mártires de Kifangondo, para mostrar apenas estes exemplos. As autoridades angolanas conhecem a situação, mas ignoram. Sabem que se estes irmãos são-tomenses forem repatriados, seria um descalabro para o dia-a-dia deles. Portanto, é preciso reflectir, antes de debitar comentários que em nada abonam para a harmonia que deve existir entre povos e Nações com um forte passado histórico e um presente marcado pela cooperação, para benefício mútuo.

    • img
      Fitxím di Flôgô. Responder

      Paulo. Tens razão. Algum de nós, têem hábitos de comentar e sem medir consequências que alguns comentários podem até prejudicar o País. É verdade, que a Empresa não é do Sr. Dr. Agostinho Neto, Presidente da República Popular de Angola. É uma questão de caracterização Santomense. Homenagear alguém como Sr. Dr. Agostinho Neto, que tanta vida deu para a libertação de São Tomé e Príncipe associado ao seu próprio País. Às vezes, ignoro alguns comentários que até não dignificam a éctica dos Santomenses. É necessário que os historiadores fazem questão de contar algumas histórias a alguns Jovens da nossa Terra, para não cometerem asneiras. Enfim…

      • img
        José Sousa Responder

        Pois, poderiam terem razão mas infelizmente não a tem!
        Tenho muita pena que o povo de S. Tomé e Principe ainda não tenha aberto os olhos para poderem ver que, já quando foi dado o Nome aquela Roça de António Agostinho Neto, já era com o intuito de se infiltrarem nessas ilhas parsidiacas. Como podem vereficar, O actual presidente de Angola, José Eduardo dos Santos e outros seus capangas, estão a fazer daquela ilha, uma ilha turistica mas que os fundos reverterão para os seu cofres. Pois são estes corruptos que estão gastando o dinheiro do povo Angolano em S. Tomé para encherem os seus cofres! Os santoméenses deveriam abrir os olhos, pois já quando essa Roça quando foi batizada com o nome de Agostinho Neto, já eram os mafiosos a interessarem-se pela exturquição de riqueza sem que o povo de S. Tomé lucre com isso! Vejam que até mão de obra estrangeira eles empregam nas infra-estroturas que fazem para o turismo! Lamento!…

    • img
      Maria Responder

      Concordo plenamente consigo, temos que ganhar o habito de fazermos criticas construtivas e deixarmos que as nossas implicancias são mais importantes. As essas coisas não têm que ser reciprocas, alías devemos mais a Angola do que Angola a nós. Quer queiram quer não Angola sempre foi um país irmão e amigo que acolhe a comunidade santomense a longos e longos anos. Não por um simples nome que as coisas mudam.

  10. img
    Tikas Responder

    Já eu acho que essa história de chamar Roça Dr. Agostinho Neto foi uma coisa muito errada, porque no tempo antigo os colonos tinham a roça a trabalhar (em sistema meio feudal é certo, mas estamos a falar de século 19 e inicio do século 20, em que quase todo o mundo funcionava assim – Brasil, América, etc), mas a roça era uma grande empresa, produzia e exportava.

    Hoje, á custa das grandes personalidades e administradores que vieram a seguir aos colonos e que em pouquíssimos tempo destruíram talvez o maior empreendimento económico do nosso país, temos a vergonha que se vê, que até dá vontade de chorar.

    Claro está que é fácil homenagear alguém com aquilo que não foi construído por nós. Ainda por cima, com o nome de Dr. Doutores foram os nossos antepassados que trabalharam na roça e eles é que deveriam ter sido homenageados e não o dito Dr. Agostinho Neto, pois foram eles que com o seu trabalho árduo acabaram por permitir que esse grande empreendimento tivesse nascido e desenvolvido.

    Tudo o resto é conversa de político frustado e sem vergonha na cara

    E já agora reparem que a viúva também é branca…

  11. img
    Filipe Samba Responder

    Este busto, significa o símbolo dos que foram desterrados durante os 500 anos melhor cinco seculos. Os historiadores não investigam com base na retórica ideológica mas assentam as suas conclusões nos vestígios: arqueológicos ou textos que os especialistas portugueses descobriram na ilha do Príncipe que até hoje não se sabe o paradeiro dos documentos que encontraram nas roças. Um historiador precisa de perceber as intenções e os condicionalismos dos documentos para descobrir as coisas para além do que esta patente.
    À Senhora Maria Eugenia Neto, os nossos sinceros agradecimentos por fazer-nos recordar os nossos antepassados neste solo onde muitos filhos de Catete-Icolo morreram devido o trabalho esforçado.
    Aos comentários heréticos dos filhos do quinto evangelho são consideradas ofensivas sem a sensatez.

  12. img
    Filipe Samba Responder

    são considerados ofensivos

  13. img
    Altino Antonio Saramago Responder

    Concordo com tudo, mas, por favor, nao deem Agostinho Neto aos santomenses que assaltam o poder, nem tao pouco aos seus criadores e promotores. Se ainda bem me lembro, o Dr. Patrice Trovoada mobilizou muitos inimigos politicos ca do sitio porque queriam tomar Agostinho Neto.
    Gabriel, abre olho…ehn…ehn!

  14. img
    E. Santos Responder

    Vocês fazem ideia do sentimento com que a Esposa do Dr. Agostinho Neto saiu da Roça Agostinho Neto. Fizeram os possíveis para a receber bem, e ela agradeceu, mas ficou profundamente desolada com a situação da roça que encontrou. Uma roça que como disse o responsável, em tempos foi o nosso cartão de visita. Conseguem ter a noção da repercussão disso? Comseguem perceber que imagem damos de nós com o país no estado em que está? Uma imagem de gente politiqueira,preguiçosa, mesqueinha e desprovida de visão de futuro.Gente que nem consegue garantir o seu autosustento. Uns tristes coitados armados em bons.
    O país dela está a galopar. Angola está a crescer, não só por ter recursos (podia ter e ser mal aplicado e nem fazerem nada de útil), mas por ter também pessoas com âmbição, que querem crescer e se igualar aos melhore do mundo, patrióticas no bom sentido. Valorizam o Angolano sem contudo pensar que o estrangeiro é malvindo. Porque de facto, a tecnologia é das grandes potências, o conhecimento são eles que desenvolvem e detêm porque perdem noites a pensar enquanto nós estamos mergulhados apenas no “viver que está aqui”. E ainda assim achamos que sabemos alguma coisa. Se somos tão bons assim a ponto de despresar o trabalho de estrangeiros, a partilha de conhecimento de estrangeiros…como é que ainda não conseguimos melhorar a situação quer desta roça, quer do país.Estão a discutir o nome que deram a roça quando deviam estar preocupados com o estado de degradação em que ela se encontra e numa forma de a tirar desta situação. Não é mesquinho? Já passou pela vossa cabeça que pelo facto de esta roça ter sido uma homenagem ao seu marido ela pode regressar a Luanda e tentar mobilizar fundo para a reconstruir? Que ideia, se ela fizesse isso o Governo não avalizava e nem vocês quereriam porque aí estariamos a dar tudo ao Angolano. Podemos ficar com ela a cair, com Macoco a virar capataz e rato trabalhador como cantou o outro, mas deixar que alguém faça, trabalhe a apresente a coisa em condições, isso doi-nos imenso.
    Só no dia em que os Santomenses na sua autoavaliação conseguirem perceber que não passam de burros activos, aí sim poderão optar por mudar de abordagem e comçar a fazer realmente alguma coisa que presta.
    Enquanto acharmos que somos os maiores, vamos continuar perdidos e infelizmente, felizes na nossa mizéria de país.

  15. img
    jorge Responder

    Angola e nossa ilha tem uma grande relacao ……uma vez que se alguns nao sabem por favor poupe de comentario subjacentes uma vez que segundo o jornal da nossa praca os salario da quadra festiva foram donativo do governo angolano a ilha de stp …….por isso tenha muita calma, respeito e consideracao para os que la vivem …

  16. img
    Faca foogn sè cabo Responder

    Angola é nosso irmão mais velho, não queremos estar sempre com as mãos estendidas mas queremos que investem no nosso país e que possam fazer de S.Tomé e Príncipe um canto de descanso por excelência.
    Ficamos imensamente gratos pela visita da esposa do Primeiro Presidente de Angola e fundador da Nação Angolana, CAMARADA DOUTOR ANTÓNIO AGOSTINHO NETO.
    Com muita estima

Deixe um comentario

*