Cultura

Aoaní D’Alva, publicou “Miopia Crónica”

Miopia Crónica é o título de um livro, apresentado ao público santomense. Obra da autoria da jovem Jornalista, Aoaní D’Alva, que trabalha para o Novo Jornal em Angola.

A apresentação da obra coube a veterana, jornalista Conceição Deus Lima, que na ocasião, não escondeu a emoção ao apresentar o livro da sua velha amiga. «Eu senti uma emoção muito grande, e essa emoção, vem antes de tudo, do relacionamento com a Aoaní, que é um relacionamento de amizade de profunda carinho de grande de respeito profissional, mas não só, ela é jornalista, são crónicas escritas no exercício dessa profissão e eu senti também orgulho em saber sentir, perceber que está aí alguém que escreve com uma grande sensibilidade, grande argúcia, tem uma capacidade de olhar para as coisas, com um olhar binocular, daí o título da minha apresentação ao livro».

São lima, disse por outro, que teve a honra de fazer a assinar o prefácio desta obra, devido as valências nela encontradas. «Eu tive a honra de fazer apresentação e descrever o prefácio para livro, ela fala em miopia crónicas e o título que eu dei a crónicas binoculares, esse olhar sensível por vezes com uma ironia fina, humor, essa capacidade de olhar para as coisas, e de fazer da vida das pessoas, dos amigos, dos familiares, dos acontecimentos, da realidade, o ferimento escritas». Enfatizou.

A escritora, explicou a razão do livro designar-se “Miopia Crónicas”. «Miopia Crónica, é uma compilação de plano que eu publiquei numas colunas homónimas, em Angola no novo jornal, e são crónicas que falam de coisas do dia-a-dia, e boa parte delas, são inspiradas em fatos reais e outras pairam na minha mente. Essa é a primeira obra a ser lançada por mim, é uma felicidade muito grande para mim apresenta-la aqui em S. Tomé e Príncipe. Gostei enormemente, porque a sala estava cheia de pessoas, devo agradecer a presença dessas pessoas». Exprimiu.

Perfil:

Aoaní D’Alva, nasceu em são Tomé, ao 07 de Junho de 1984, e fez a formação de Comunicação Social, em fortaleza, Brasil Fanon, Faculdade de Nordeste. No novo jornal, em Angola, foi editora de cultura deste semanário angolano.

São lima, assegurou, que as crónicas contidas neste livre, são muito densas e filosóficas, daí que a tocou particularmente. «Eu acho que é das crónica mais densas, mais profundas do livro, que mais me tocou, ela explicou isso, a razão de ser dessa crónica lida com uma grande perda, com um profundo sentido de dor, mas ao mesmo tempo lembrando-nos que morte e vida fazem parte dessa dialéctica, da qual fazemos parte, na qual estamos imersos, e reflectindo uma grande dor por uma grande perda faz também um apelo a celebração da vida, enquanto temos a possibilidade de a viver, eu acho que de fato umas das crónicas mais densa e filosóficas do livro».

O referido livro, que foi editado na gráfica de Luanda, já teve muita aceitação em terras angolana. Agora, coube a vez de o mesmo ser lançado, no país natal, da autora. O público presente, mostrou a simpatia, pelo livro de Crónicas a favor de algumas figuras santomenses e também figuras angolanas, na sua maioria.

A jovem escritora, disse que, esta, poderá ser a primeira de muitas outras obras a ser escritas por si no futuro.

O Livro em Miopia Crónica, lançado, na última sexta-feira, 21, no espaço CACAU, na capital santomense, pela jornalista Aoaní D’Alva, foi a margem da conferência TEDEX São Tomé.

Jasí Ramos

    17 comentários

17 comentários

  1. Santomé Plodôsu

    27 de Junho de 2013 as 13:59

    “Miopia Crónica”! Pus-me logo a pensar naquilo que se passa em STP desde a independencia até então. Bom, nesse caso seria “Miopia Crónica Profunda”.
    Ainda não adquiri o livro, contudo, meus parabéns e felicidades.

  2. Viogo

    27 de Junho de 2013 as 16:10

    Bem haja a todos os que extreiorizam o seu saber e pensamento. Tão jovcem que ela é e como tão pouco ou nada se faz em termos de literatura, que Deus te abençoe. E és bonitinha. Felicidades. Procurarei ler o livro.

  3. Mamadou Trindade

    27 de Junho de 2013 as 17:53

    Prova evidente de que a arte e o contrario dos caos;publicar uma obra e pensar durante muito tempo de uma forma desdobrada e requer uma forca de vontade unica e inabalavel;
    dai vai os meus parabens a jovem escritora.

  4. Elias Diekum

    28 de Junho de 2013 as 7:27

    Escritora fraquinha.

    • Augerio Amado vaz

      28 de Junho de 2013 as 8:39

      Grande escritor, porque que não publica as tuas obras.
      Parabéns, nossa jovem jornalista. Passe boas férias e vem depressa.

      • Elias Diekum

        3 de Julho de 2013 as 7:30

        Ainda não li o livro, mas li as crónicas no blog dela. Volto a afirmar, fraco, muito fraco.

    • sonhador

      28 de Junho de 2013 as 12:32

      Frinquinho és tu que ainda não publicou nada, e com mente fraca.

      • Elias Diekum

        3 de Julho de 2013 as 7:45

        Nenhum de vocês leu o livro ou as crónicas, e já está tudo a dizer grande escritora, grande escritora. Grande escritora aonde? Não domina a língua, narrativas chatas e sem originalidade nenhuma, assim também eu!

  5. Barão de Água Izé

    28 de Junho de 2013 as 8:07

    É possível Literatura em que a língua em que se escreve não é bem dominada? “….o ferimento escritas”; O acordo ortográfico deve ser seguindo intransigentemente? “….eu acho de fato uma das crónicas mais densa…”; ou foi engano? Contudo, parabéns à Aoni. O importante é começar.

    • Tavinho

      2 de Julho de 2013 as 9:42

      Parabéns Aoani!

      Aceita todas as criticas e tenta melhorar-te. Só não aprende aquele que é parvo. Por isso existe critica literária. Muitas das vezes quem critica é mais o teu amigo do que aqueles que só elogiam.
      Força

    • Bunzu d'ôbô

      2 de Julho de 2013 as 22:25

      Senhor Barão,

      acho que ele, o autor do texto, queria dizer ”ferramentas da escrita”. Foi o que a São Lima disse porque eu estive lá.

      Passar bem, obrigado.

    • São de Deus Lima

      2 de Julho de 2013 as 22:27

      Parabéns Aoaní.
      Continua sempre igual, íntegra e frontal.
      Que a criatividade permaneça e cresça sempre. Cá aguardamos outros livros.

      Beijo

  6. sulila miranda

    28 de Junho de 2013 as 8:21

    Parabéns Aoani!
    Gostei das tuas crónicas. Não para por aí, continua escrevendo porque o próximo será melhor sempre! Habitue-nos a ler mesmo que seja uma vez por ano!

  7. Demetrio Salvaterra Dias

    28 de Junho de 2013 as 11:51

    Minha linda, inteligente e culta sobrinha, bravo que livro, que expressão da literatura no seu sublime valor retórico – a escrita – força Aonin presenteaste os letrados de una obra que só os mais e melhores escribas conseguem, bjs do tio Méco

  8. O.Face

    29 de Junho de 2013 as 9:24

    vocês mal leram o livro já estão a tecer criticas,talvez nem dinheiro têm para comprar, todas as criticas são bem vindas mas 1º compra ,2º lê ,3º capacidade de compreender do que se trata 4º criticas com sentido , não criticar como é nosso habito fazer criticas simplesmente por fazer só para ter opinião.

  9. barbaro

    30 de Junho de 2013 as 14:34

    força jovem o seu livro não tem nada a haver com os livrinhos que o Lúcio Neto Amado escreve este pelo menos o teu tem cabimento muitas felicidades

  10. Não se esqueça.

    1 de Julho de 2013 as 20:00

    Olá menina, fazes bem. Em Angola, mostra-nos o que tu és, para STP. Preserve a tua beleza. És muito linda. Venha para STP, visitar-nos Ok? Força.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo