Portugal ofertou 32 mil livros para as escolas de São Tomé e Príncipe

Um projecto levado a cabo por ONG portuguesas, em parceria com a Embaixada de Portugal em São Tomé e Príncipe e o Governo são-tomense. 32 mil livros que vão ajudar a melhorar o ensino aprendizagem no país.

Através da “Campanha de entrega de Livros à S. Tomé e Príncipe”, as ONGs Karingana Wa Karingana,  e Sítio do Equador “Associação santomenses e estrangeiros que vivem nas diásporas”, uniram-se à Embaixada de Portugal no arquipélago e o Ministério de Educação, Cultura e Formação de S.T.P.

Um esforço solidário que deu frutos. 32 mil livros foram recolhidos a favor das escolas de São Tomé e Príncipe. A cerimónia oficial de apresentação dos livros, aconteceu segunda – feira, no Centro Cultural Português e contou com presenças do ministro da Educação e Formação, Jorge Bom Jesus, a embaixadora de Portugal em São Tomé e Príncipe, Paula Silva, representantes das duas ONG, e convidados.

Os 32 mil livros foram entregues ao projecto Escola + que fará a distribuição a diferentes escolas do país.

Este projecto teve a participação directa da ONG, karingana Wa Karingana, ONG criada com intuito de cooperar e desenvolver os polos lusófonos e desenvolver a Língua Portuguesa, iniciativa que se começou em Moçambique, Timor Leste e desta vez São Tomé e Príncipe. « Os portugueses deram cerca de trinta e dois mil livros a S.T.P numa parceria com ONG local, embaixada de Portugal e o governo de S.T.P». Informou Miguel Nunes representante da ONG, karingana Wa Karingana.

Para o ministro da educação Jorge Bom Jesus, «é um acto cultural moído de muito valor, livro é um centro de um saber por excelência, nós também estamos a pensar nos livros digitais o que dá maior amplitude ao produto cultural», pontuou, para depois acrescentar que «os livros vão ser entregues à Escola +, mas o seu destinatário são as Escolas, as nossas salas de leituras e as bibliotecas».

Livros só da Língua Portuguesa com diversos títulos; romances, livros infantis, manuais escolares e dicionários. Portanto entrega oficial também será feita na terça-feira no distrito de Mé – Zochi, na quarta-feira no distrito de Caué e uma das escolas do distrito de Cantagalo.

Bendzaison Lima

  1. img
    Anjo do Céu Responder

    Por favor de não se esquecer do distrito de Lobata,porque os filhos de lobata muito colaborou e contribuiu para obter esses 32 mil Livros.Tambem tem lá esforços dos Lobatos junto a ONG Karingana pelo seu responsavel TIAGO BASTOS

  2. img
    Bingo Responder

    Muito obrigado e bem haja a quem nos oferece livros.

  3. img
    Kanimambo Responder

    Os livros vieram de Portugal, mas não foi o Estado português a oferecer esses livros. Ai esses jornalistas!

    • img
      Ha ha Responder

      Às vezes queremos mostrar que os outros estão mal. Em vez disso devíamos mostrar apenas o que é bem. Assim parecíamos mais polidos; ninguém se envergonhava e o bem estaria colocado aos olhos de todos para que todos pudessem imitar o modo como se faz. Neste caso, podia-se:
      1 – Considerar o esforço dos jornalistas;
      2 – Mostrar a compreensão pela insuficiência de meios que os levou a aprersentar a notícia incompleta;
      3 – Apresentar o fundamental: a notícia tal como acha que ela é. Todos ganhavam em saber a verdade com que quer que a quisessse apresentar de forma correcta.
      Este último ponto podia dispensar os primeiros, mas é indispensável num jornal aberto onde queremos todos partilhar os conhecimentos. Assim evitamos parecer quem quer encontrara algo para criticar e passamos a parecer quem quer colaborar.

Deixe um comentario

*