BIS arranca esta tarde para pôr cultura e arte na agenda diária do país e no circuito Austral

A VII bienal internacional de São Tomé e Príncipe, pretende lançar as bases para colocar o arquipélago, no circuito de projectos culturais na África Austral. Antigo entreposto de escravos, o arquipélago recebeu gentes oriundas da África Austral.

Angolanos e Moçambicanos, são alguns exemplos de povos integrantes da África Austral, que os navios negreiros e mais tarde as caravelas trouxeram para São Tomé e Príncipe. A puíta ou a Tafua são manifestações culturais, que a ida e vinda de gentes semearam no arquipélago para o povo dançar, e explorar a magia negra, vinda do continente negro, tão presente no dia-a-dia das ilhas.

Na vinda e ida de gentes escravas e não só, as ilhas tomaram para si, as façanhas do imperador Calos Magno. O império carolíngio que dominou a Europa, também veio morar no coração da cultura são-tomense, com o nome de Tchiloli ou Tragédia de Marquês de Mântua em São Tomé e o Auto de Floripes na Ilha do Príncipe.

Valores de uma cultura rica, diversificada e que convergiu vozes de várias proveniências, que esta tarde ecoam na VII Bienal Internacional de cultura e arte.

Com apoio da Fundação Sindika Dokolo de Angola, a BIS nasce como uma marca são-tomense, que vai mostrar ao mundo, a cultura rica que faz identidade singular de um pequeno país de pouco mais de 180 mil pessoas.

A entrada no circuito de projectos culturais na África Austral, vai levar artistas e cultura são-tomense, para Luanda, Maputo e Joanesburgo. O circuito fica completo com a vinda ao arquipélago que desde o Século XV, se abriu para receber gentes do mundo. Artistas dos três países da África Austral, também virão fazer cultura em São Tomé e Príncipe.

Cabo Verde, que descobriu o “Caminho Longe” para São Tomé, também está indicado como um dos destinos do circuito que a Fundação Sindika Dokolo, está a traçar em parceria com Roça Mundo de João Carlos Silva.

Abel Veiga

  1. img
    filipe muhongo Responder

    Caro,
    Abel
    Os meus agradecimentos pela sua narração.

    Esses desesterrados enriqueceram as ilhas com a sua cozinha; Musonge, folhas de lessua,fuba ou matola com peixe seco,muamba,cogumelos, arroz gangika,feijão de oleo de palma seco, cachupa e lingua nativa. Do ponto de vista psicologico e a maneira de pensar no momento da tomada de decisões somos diferentes,não obstantes sermos das mesmas ilhotas.Porque os bons habitos e costumes partem da educação caseira.
    Por favor, interprete a cultura, habitos ,costumes e tradições na floresta adentro; nas roças no silencio dos inocentes.
    Em memoria dos mortos e a dor dos feridos

  2. img
    Mariana Camacho Responder

    Aos interessados pelo tema sugiro leitura da entrevista a Sindika Dokolo no Jornal de Negócios (jornal de referência português). Excelente artigo
    http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/reduzir_a_imagem_de_angola_a_corrupcao_e_uma_manipulacao_desonesta.html

Deixe um comentario

*