Cultura

BIS abre Fórum para debater Arte, Cidadania, Território, Identidade Reforma do Estado e Desenvolvimento

A partir desta quinta – feira a BIS abre Fórum de debate sobre vários temas de interesse nacional. É o início de cerca de 36 conferências integradas no programa do maior evento cultural de São Tomé e Príncipe.

Esta quinta – feira a partir das 14 horas no espaço Cacau, o pintor angolano Kiluanji Kia Henda e o seu colega são-tomense Kwame Sousa, falam da sua trajectória artística. A partir das 16 horas, CIDADANIA, será o tema de debate. O professor Lúcio Amado, é o orador principal da conferência que pretende incentivar um dos ingredientes fundamentais do sistema democrático.

As 17 horas será a vez do ex-Primeiro Ministro Rafael Branco, animar o público com a palestra sobre Território, Identidade, Reforma do Estado e Desenvolvimento.

Entrada é livre, o público está convidado a marcar presença, a opinar, enfim a contribuir para o redesenho da nossa forma de estar e de se posicionar em relação a nós, e em relação ao mundo.

Abel Veiga

    6 comentários

6 comentários

  1. B-13

    4 de Dezembro de 2013 as 17:35

    Ate entao fui a favor desta iniciativa, entretanto meia palavra de descordia vao ao encontro desta organizacao:
    1- Segundo o celebre pintor e escultor Stravinsk,a arte e o contrario dos caos, nao se pode misturar a arte com o panoramo politico, nao obstante ao facto de ela fazer parte de sete(7) saberes decorentes na filosofia: Estetica, Direito-Politica, Arte,Filosofia-etc
    2- A arte despensa a moral por se considerar superior a ela- ela abstem de qualquer saber Humanistico;
    Longe esta a minha intencao de criticar uma iniciativa que marca a historia da consciencia do Homem Sao-Tomeense como fazedor da Cultura, entretanto como e que se pode misturar um evento deste com a cena politica?
    Nao pretendendo ser pedante apenas deixaria uma breve notificacao aqui para os organizadores inteirarem-se melhor do que e , e o que nao e arte para evitae-mos erros posteriores.

  2. CEITA

    5 de Dezembro de 2013 as 8:54

    espero bem que a critica não é sinonimo de inimigo, porque o B-13 tem razão não podemos misturar as coisas falar de reforma de estado e desenvolvimento com certeza que a tendência é inclinar para questões politica, sobre tudo um politico controverso como Rafael Branco…

  3. nadaver

    5 de Dezembro de 2013 as 11:26

    …”vez do ex-Primeiro Ministro Rafael Branco, animar o público com a palestra sobre Território, Identidade, Reforma do Estado e Desenvolvimento”. (i)Identidade não passa de uma invenção histórica, (ii)Reforma do Estado e Desenvolvimento, não é possível sem a purificação das Instituções do Estado, (iii)como dizem os iluminados-o político é um canalha, (iv)muita coisa para ser animada! Contribuição de um sãotomense radicado em Cabo Verde.
    Um abraço à todos!

    • bem ní wê mali ni tlachi

      5 de Dezembro de 2013 as 15:25

      Como Sr. Nadaver não vivi no país é melhor calar a boca fica melhor…

  4. Male

    5 de Dezembro de 2013 as 12:59

    Iniciativa formidavel esta de Bienal, mas as “animacoes” um autentico desvio para um olhar critico- Rafael Branco a falar de Identidade Nacional- e ele Historiador, Sociolgo, Culturologo?
    Reforma do Estado, materia pura e exclusiva dedicado a um Economista ou Gestor- pelo que eu saiba o orador austenta ser politologo, emfim querem fazer tudo mas nao farao nada – uma coisa de cada vez, nao vao com presa ao poco -podem engasgar.

    • Euclides Smith

      6 de Dezembro de 2013 as 15:36

      Caro amigo,

      Este nosso pequeno universo ilusório é feito de “lobes”, tráfego de influências… É necessário conhecer os “canais” e ir na “onda”… É difícil remar contra a maré. O artista como tu, tem de ser subtil, deixar mensagens na sua arte, nas entrelinhas… O mérito em ti reside sem querer dar nas vistas. Haja vida! Haja saúde! Aquele abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo