Desporto

Bola volta a rolar nos campos de São Tomé e Príncipe após um ano e meio de paralisação

O início do cafutebol.JPGmpeonato nacional de futebol 11 – 2008/2009, está marcado para o próximo fim-de-semana. Com 14 equipas na ilha de São Tomé e 6 na ilha do Príncipe, os campeonatos da primeira e segundas divisões estiveram paralisados quase 2 anos. Tudo, segundo o Presidente da Federação de Futebol, por causa da falta de verba para policiamento dos jogos. A FIFA que há 8 anos, pagava a polícia nacional um subsídio para garantir a segurança nos campos de futebol, decidiu retirar a ajuda financeira. O mais caricato, diz Manuel Dendê é o facto do país ter ficado dependente de um organismo internacional para manter a ordem pública no seu território.O desporto rei (futebol 11) deixou de ser praticado em São Tomé e Príncipe, pelo menos de forma oficial, a quase 2 anos. «Aqui no país as coisas funcionam em função da cor política», desabafou o Presidente da Federação São-tomense de futebol, Manuel Dendê, em entrevista ao Téla Nón.

A política parece dominar quase tudo no arquipélago, ao ponto de ter comprometido a realização do campeonato nacional. Segundo Manuel Dendê, as autoridades competentes sempre foram informadas da decisão da FIFA (Federeção Internacional de Futebol), em retirar o subsídio que durante 8 anos, este organismo internacional, disponibilizou para o pagamento das forças policiais que garantem a segurança nos campos de futebol.

Sem policiamento não havia condições para a realização do campeonato explica o Presidente da Federação de Futebol. Por isso a paralisação durante ano e meio. «É caricato ter que haver um organismo internacional, para garantir a segurança pública de um país», afirmou Manuel Dendê.

Os jogos políticos passaram a entrar no campo do futebol, mas o novo governo decidiu tomar medidas para ressuscitar o campeonato nacional de futebol. «O que interessa é que este governo está interessado no início do campeonato e o ministério da administração interna está a envidar os esforços para que haja o policiamento dos jogos», Reforçou Manuel Dendê.

No total 20 equipas vão tomar parte na competição maior de futebol em São Tomé e Príncipe. 14 da ilha de São Tomé e 6 da ilha do Príncipe. Um campeonato atrasado, mas com novidades. Manuel Dendê, anunciou que até 2011, o campeonato nacional contará apenas com 10 equipas em São Tomé e 6 na ilha do Príncipe. «No fim da prova os 4 últimos classificados de São Tomé descem a segunda divisão e sobem a primeira os campeões regionais do sul e de norte de São Tomé, reduzindo para 12 equipas. Na temporada seguinte acontecerá o mesmo, até que fiquem apenas 10 equipas em São Tomé», explicou.

Outra novidade importante tem a ver com o regresso do futebol nacional as competições internacionais, pelo menos a nível africano. O vencedor do campeonato 2008-2009, terá participação directa na liga dos campeões africanos.

Para promover a modalidade e construir valores, todas as equipas da primeira divisão têm que construir centros de treino juvenil.

Manuel Dendê, deixou São Tomé este fim-de-semana, para tomar parte em Lagos – Nigéria, na Assembleia-geral da Confederação Africana de Futebol a ter lugar de 10 a 11 de Fevereiro.

Abel Veiga

Recentemente

Topo