Selecção feminina de futebol está desqualificada da eliminatória para o mundial da Alemanha

Publicado em 27 Out 2009
Comentários; fechado

campeonato-feminino.jpgAs futebolistas de São Tomé e Príncipe, treinaram durante meses, tiveram todo apoio da federação são-tomense de futebol e dos seus familiares, para representar o arquipélago na eliminatória africana para o mundial de futebol feminino de 2010 que terá lugar em Alemanha, mas acabam desqualificadas da competição por falta de comparência no primeiro jogo que deveria ter lugar esta semana em Bangui-Capital da República Centro Africana. O estado são-tomense não conseguiu dar a selecção feminina 43 mil dólares para custear o transporte aéreo até Bangui.

São Tomé e Príncipe está fora da eliminatória para o mundial de futebol feminino na categoria de sub-20. A selecção nacional tinha as malas aviadas para deixar o país na última quinta – feira, mas não viajou porque o estado njão disponibilizou 43 mil dólares para assegurar a ligação aérea entre São Tomé e Príncipe e a capital da República Centro Africana- Bangui.A denúncia da decepção nacional, foi feita ao Téla Nón pelo Presidente da Federação são-tomense de Futebol, Manuel Dênde. «Não se conseguiu uma solução. Fiz tudo mas não tive apoio do governo. Isso é uma selecção de nós todos. Toda gente sabia que a selecção precisava de um avião. Agora está desqualificada», afirmou o Presidente da Federação de Futebol.

O jogo entre a selecção nacional e a sua congénere da República Centro Africana estava previsto para o último sábado. Segundo a direcção da Federação de Futebol, a transportadora aérea angolana, TAAG, pediu 43 mil dólares para levar as jogadoras nacionais para Bangui. O Governo reuniu-se em conselho de ministros, analisou a proposta e decidiu recusar o pagamento do custo de transporte. «Depois de toda essa expectativa e empenho, tanto da federação como dos familiares das atletas, é uma decepção com impacto psicológico grave», reforçou Manuel Dendê.

Mulheres de São Tomé e Príncipe, que prometeram dignificar o nome do país na eliminatória para o mundial de futebol feminino, estão agora frustradas, com o estado que na última hora matou as suas aspirações.

Abel Veiga