Taça do mundo de futebol ficou 48 horas em São Tomé

Publicado em 29 Out 2009
Comentários; fechado

copa.jpgSó esta manhã o troféu mundial de futebol mais ambicionado, deixou São Tomé rumo ao Gabão. A tournée do troféu mundial que será disputado próximo ano na África do Sul, prossegue depois de uma paragem de 48 horas em São Tomé.

A copa do mundo chegou a São Tomé na última terça-feira. Na quarta-feira, foi apresentada no salão nobre do palácio presidencial. Com honra as autoridades são-tomenses receberam o troféu que simboliza a unidade do continente africano em torno da festa do futebol que o mundo vai viver no próximo ano na África do Sul. «É nosso entendimento que devemos tirar os ensinamentos que a presença deste tão importante troféu nos impõe. Na era da globalidade não há lugares recônditos e marginais. O campeonato do mundo de futebol é uma festa, do futebol, da competitividade, mas também uma festa de povos, de culturas de civilizações, uma festa que não se restringe ao país organizador do evento», declarou o Presidente da Assembleia Nacional, Francisco Silva, numa cerimónia que decorreu num dos hotéis da capital são-tomense.

O chefe da missão da FIFA, que está a mostrar a taça do mundo a todos os povos de África, realçou a importância do momento histórico para o continente negro. Segundo Emmanuel Marradas, apesar do cepticismo que caracteriza muitos africanos, a realização do décimo nono campeonato do mundo de futebol na África do Sul, é um desafio que todos os africanos devem assumir. «Temos todos nós africanos que assumir este desafio para provar ao mundo que temos capacidades intelectuais e organizacionais, para realizar grandes eventos. No dia 11 de Julho data em que o apito final soará. Temos todos nós africanos que fazer uma grande festa. Estamos aqui para dizer-vos que a festa está a chegar e todos devem estar preparados para ela», afirmou o chefe da missão da FIFA.

São Tomé e Príncipe é o único país africano onde a taça do mundo permaneceu 48 horas.

No final desta manhã o troféu segue para a república do Gabão.

Abel Veiga