São-tomense cresce no andebol português

Kleyton Lopes Eusébio representa a Associação Académica de Coimbra na 3ª divisão de Portugal em Andebol. O atleta nasceu em São Tomé e Príncipe e deixou a sua terra com dez anos de idade. Nascido em 1987, com 24 anos, tem ainda muito para dar a esta modalidade.

São Tomé e Príncipe tem desporto?

Vasco Antão

Fala me do teu percurso no Andebol. Por onde jogaste desde que começaste?

Se não estou em erro comecei a jogar Andebol em 2001 na cidade de Coimbra! Fui mais devido ao convite de um amigo treinar numa equipa chamada Quinta das Flores. Tratava de Campeonatos Distritais e como a equipa nesse escalão conseguia qualificar-se normalmente para campeonatos nacionais, íamos ganhando uma certa visibilidade. Se não estou em erro, logo no meu 2ºano do desporto e já a disputar as fases nacionais, recebi alguns convites para jogar fora de Coimbra. Nesse mesmo ano o Quinta das Flores terminou com a modalidade e como o meu responsável não me autorizou a aventurar me. Fui inscrito pela Académica de Coimbra em conjunto com alguns colegas. No 3ºano construímos uma equipa engraçada e ao longo da época desportiva, fomos fazendo coisas engraçadas com o treinador Ricardo Sousa.

Depois foste para o Norte de Portugal?

No final dessa época rumei ao Águas Santas, uma equipa da primeira divisão e deixei a Associação Académica de Coimbra a disputar a fase de apuramento de subida para a 1ªdivisao igualmente.

Como foi a tua adaptação á 1ª divisão de Andebol?

Adaptei-me facilmente á equipa pois tínhamos um grande grupo. Nesse mesmo ano e eu no escalão juvenil, conseguimos alcançar a fase final disputada no Pavilhão da Luz em Lisboa. Estive 5 anos no Aguas Santas no qual em três deles já fazia parte do plantel Sénior. Por falta de acordo contratual com os dirigentes do clube, rumei ao Belenenses e militei apenas um anos nesse histórico clube. Cheguei a pensar em abandonar a modalidade, surgiu um convite por parte de um amigo do Associação Académica de Coimbra para dar o meu contributo á equipa. Para não parar em definitivo mesmo em Lisboa, resolvi aceitar pois são pessoas de grande estima para mim. Nesse sentido não treinava frequentemente com os meus colegas a não ser um dia a semana (6ªfeira) e jogava ao fim de semana. A época até corria bem, ia ganhando ritmo aos poucos e a equipa encontrava-se no segundo lugar até ao jogo com Samora correia. Dai em diante sofri uma entorse e não joguei mais, o que veio complicar me a vida.

Como tens visto analisado a tua vida no Andebol?

Sim, gosto de jogar Andebol mas não via na modalidade um meu futuro! Tinha algum jeito e ia jogando até onde conseguisse. Felizmente nunca tive problemas de adaptação onde quer que estivesse. Não me considero de todo sociável, mas tenho facilidades em lidar com as pessoas!

Continuas a acompanhar o desporto em ST príncipe?

S Tomé tem Desporto ??? Se tem desporto não sabemos se existe.


Aonde mora a tua família em ST príncipe?

Nasci em Trindade (São Tome e Príncipe), onde vivia com a minha avó e em conjunto com grande parte da minha família. Vim para Portugal sensivelmente com dez anos de idade e gostava em breve de lá voltar.

  1. img
    Mimi Responder

    Parabens ao compatriota. Continue!

  2. img
    josimar neto Responder

    é boy aproveita as oportunidades! nunca disseste dos teus objectivos… abraço

Deixe um comentario

*