Praia Cruz sagra-se campeão nacional

O Sporting de Praia Cruz sagrou-se esta terça-feira,20, pela 8ª vez o campeão de São Tomé e Príncipe em futebol, ao empatar (2-2) ante o Sporting do Príncipe.

A equipa de Adriano Eusébio ‘Tino’ já tinha vencido na RAP, Região Autónoma do Príncipe, por 2-1, e no 12 de Julho sentenciou a final em 3-2, ao empatar a duas bolas.

Com o desaire na primeira mão, cabia aos ‘Leões-da-selva’ tomar a iniciativa do jogo, mas não foi isso que vimos nos primeiros 45 minutos, com a turma dos ‘Leões-do-mar’ a aumentar o agregado para 3-1 ao seu favor, fazendo 1-0, por intermédio de kapito.

Mas quem chegou a pensar que os da Selva iriam deitar a toalha ao chão, estava enganado, porque na segunda metade os homens do Príncipe despertaram finalmente para a final, regressando do balneário com todo poder de fogo, virando o placard para 1-2 e igualando o agregado em 2-2, nos primeiros 15 minutos, com tentos de Joyce e Elias.

Sentido o cheiro de ‘tragédia’ Adriano Eusébio mexeu de forma incoerente no plantel, piorando desta forma a fúria da fervorosa claque que viajou de Praia, que mesmo assim não deixou de puxar por seus campeões.

Mesmo gritando por eles a desconfiança era grande no meio do mar, porque a equipa ia perdendo o meio campo para o adversário, que também estava bem representado nas bancadas, travando de igual modo uma briga interessante com os verdes e brancos de praia.

Fora disso o cronómetro não parava e o jogo caminhou em 1-2 para os 90, com 2-2, no agregado, castigando desta forma os jogadores com mais 30 minutos de extensão.

Mas antes tiveram que ser revitalizados por seus treinadores, Adriano Eusébio e Rodolfo Lavres, respectivamente, porque o desafio dos 30 minutos eram enormes, caso quisessem erguer o troféu que brilhava na tribuna presidencial.

E assim os jogadores voltaram a subir para o sintético do 12 de Julho, para os ditos 30 minutos.

Mas as coisas não começaram nada bem para as ambas formações que ficaram privadas logo no início de Zé (Praia Cruz) e Adi (Sporting do Príncipe).

Mas Praia Cruz veria a ter motivos de sobrar para sorrir ainda na etapa inicial do prolongamento, com o Jair, que restabeleceu a igualdade (2-2) e desfaz a paridade no agregado (3-2).

Já na segunda metade, os Leões-do-mar que já tinha sentido o cheiro da ‘tragédia’, o quando do 2-1 dos Leões da selva, limitou-se a gerir a posse da bola, conservando a magra vantagem, mas que valeu o título do bicampeão nacional.

No final Eusébio não esqueceu o susto que apanhou com a reviravolta do adversário, mas valorizou a incondicionada crença dos seus jogadores, que souberam sofrer quando foi preciso, acrescentado que o Sporting do Príncipe foi um grande adversário e engrandeceu ainda mais a conquista do bicampeoanto.

Por último, deixou uma palavra de apreço para sua claque que em momento nenhum deixou de acreditar na equipa, não obstante de ficarem um pouco desconfiados, na altura em que o adversário esteve por cima.

Também o Lavres enalteceu o espírito dos seus jogadores, que na sua visão são os verdadeiros campeões, porque tiveram muita força e determinação para igualar o placard. Por último felicitou o adversário por mais um título.

Como este triunfo Praia Cruz passa a somar oito campeonatos e reforçando a liderança do ranking dos clubes com mais troféus no arquipélago. Já o Sporting da RAP permanece com os seus dois títulos.

Gil Vaz

 

Notícias relacionadas

  1. img
    Vaz Responder

    Parabéns Praia Cruz pelo título e também ao Sporting do Príncipe pela forma com lutou até a gota com o campeão. Na minha visão, não obstante da vitória de Praia Cruz, as duas equipas estão de parabéns e o futebol santomense. Essa foi a final mais emocionante vista nos últimos anos no país. Os jogadores, técnicos, adeptos e árbitros estiveram a altura do clássico. Viva o nosso futebol.

Deixe um comentario

*