Destaques

Ocha pede mais apoio humanitário para Camarões e República Centro-Africana

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

Secretária-geral assistente avaliou situação de deslocados internos e refugiados afetados pela violência e conflito; Kyung-wha Kang encerrou missão de sete dias à região; mais de 2 milhões de pessoas precisam de ajuda nos Camarões.

Deslocados na República Centro-Africana. Foto: Ocha/Gemma Cortes

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A secretária-geral assistente da ONU para Assuntos Humanitários, Kyung-wha Kang, pediu mais apoio humanitário internacional para a República dos Camarões e também para a República Centro-Africana.

Kang fez a declaração ao encerrar visita de sete dias aos países, onde avaliou a situação dos deslocados internos, dos refugiados e de outros afetados pela violência e pelos conflitos na região.

Crise Humanitária

Ela afirmou que os Camarões enfrentam uma crescente, complexa e desafiadora crise humanitária.

Kang explicou que o país recebe um fluxo cada vez maior de refugiados da República Centro-Africana que estão a fugir dos conflitos e um aumento do número de deslocados internos por causa dos ataques do grupo Boko Haram, na região norte.

A secretária-geral assistente cita ainda que os ciclos contínuos de seca e cheias estão a resultar num aumento da insegurança alimentar, da desnutrição e na ocorrência de epidemias em partes do país.

Apelo

Kang, que também é a vice-coordenadora de Assistência de Emergência, afirmou que mais de 2 milhões de pessoas necessitam de ajuda humanitária nos Camarões.

Ela visitou a região leste, onde mais de 150 mil centro-africanos buscaram refúgio por causa da violência na República Centro-Africana.

Kang afirmou que as ações do Boko Haram, na Nigéria, provocaram a fuga de 40 mil nigerianos para a região norte dos Camarões.

O apelo humanitário para o país mais do que dobrou no período de um ano. A secretária-geral assistente disse que o Plano de Resposta Estratégica 2015 busca U$ 264 milhões comparado com os US$ 126 milhões do ano passado.

 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo