Safra de milho na África Austral deve reduzir em mais de um quarto em 2015

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

FAO prevê aumento de preços de produtos e recuo nos ganhos obtidos na segurança alimentar; agência calcula que grupo de países obtenha 21,1 milhões de toneladas este ano.

 

Segundo a FAO, safra de milho da África Austral deve baixar em cerca de 26% este ano. Foto: FAO/Gianluigi Guercia

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A safra de milho da África Austral deve baixar em cerca de 26% este ano, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

De acordo com a agência, a situação pode provocar o aumento de preços de vários produtos, além de afetar de forma negativa os ganhos de segurança alimentar.

Média Regional

A previsão é de cerca de 21,1 milhões de toneladas em toda sub-região em 2015. O valor é 15% inferior à média dos últimos cinco anos.

A FAO defende que a queda deve-se, principalmente, ao impacto das condições climáticas irregulares, incluindo o início tardio das chuvas sazonais em novembro.

O outro fator são as fortes chuvas que provocaram inundações seguidas de um longo período de seca nas áreas do sul, nos meses de fevereiro e início de março.

Perspetivas

O coordenador da FAO para a África Austral disse que no ano passado, a sub-região teve uma colheita abundante. David Phiri disse haver necessidade de cautela até que os governos possam concluir as avaliações nos próximos dias.

Estabilização

Espera-se que os stocks de 2014 venham a compensar, em parte, o impacto da baixa da produção além de contribuir para a estabilização de suprimentos nacionais em alguns países.

A África do Sul, que é a líder na produção no continente, deve ver baixar a sua produção juntamente com o Malaui e a Zâmbia, o segundo e o terceiro maiores produtores de milho da região.

Moçambique está entre os países que terão menos colheitas de milho tal como os vizinhos Botsuana, Lesoto, Madagáscar, Namíbia, Suazilândia e Zimbabué.

Leia Mais:

Comida desperdiçada equivale à rede de produção da África Subsaariana

Parceria da FAO leva compota produzida por mulheres na Etiópia à Itália

 

Notícias relacionadas

  1. img
    Geremias Costa Responder

    Enquanto a agricultura que co ntinua a ser a verdadeira riqueza de africa vai-se afundando, enquanto as grandes ecomomias continuam a conhecer fragilidade economica e financeira, S.Tomé e Principe, continua a estender as máos. Só estender, estender e estander, porque não se viu nem no programa do governo nem no OGE para 2015 alguma coisa de concreto para fazer impulsionar a economia ou incentivar a produão nacional, ainda que apenas a produção de consumo interno ou de subsistencia. Antes pelo concrario, o povo com cada vez menor poder de compra, com o salario que não sobe, o governo passou a aumentar tudo desde agua, energia, taxas aduaneiras e outras, num claro modelo daqueles que não trabalham esperando sugar os outros que nada tem.
    Enfim….este é o governo que o povo quis e o povo se virará!.

Deixe um comentario

*