Acnur alerta para aumento de refugiados nigerianos nos Camarões

PARCERIA – Téla Nón /Rádio ONU

Movimento é provocado por violência e ataques de milícias na Nigéria; cerca de 100 recém-chegados são registados em campo fronteiriço; local é marcado por falta de alimentos, de abrigos e de segurança.

 

Nigerianas refugiadas nos Camarões após fugirem da violência do grupo Boko Haram. Foto: PMA/Sofia Engdahl

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Cerca de 100 refugiados nigerianos chegam diariamente ao acampamento de Minawao, situado na fronteira entre a Nigéria e os Camarões.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur,  destaca que a violência e os ataques na Nigéria continuam a afetar o movimento da população para os países vizinhos, várias semanas após as eleições nigerianas.

Fluxo Constante

A área remota dos Camarões continua a registar um fluxo constante de refugiados nigerianos. Eles são originários da volátil área fronteiriça e procuram abrigo até cerca de 100 quilómetros para o interior do território camaronês.

Os relatos dos recém-chegados mencionam ataques das milícias no estado nordestino de Borno. Os refugiados preferem permanecer a norte da fronteira, na esperança de retornar em breve a casa.

Ataque Suicida

Nas últimas semanas, os Camarões registam incidentes e confrontos com milícias nigerianas. O primeiro foi um ataque suicida ocorrido a 12 de julho na aldeia de Fotokol. Agências de notícias informaram que pelo menos 13 pessoas morreram na ação.

Os próximos dias devem ser marcados pelo registo de refugiados nigerianos na área fronteiriça. O processo levado a cabo pelas autoridades camaronesas deve determinar onde estes preferem ficar alojados.

Entre os desafios para os refugiados nigerianos estão a escassez de alimentos, a falta de abrigos comunitários e o acesso limitado do Acnur aos locais por razões de segurança. A área acolhe entre 12 mil a 17 mil refugiados.

Leia Mais:

Chefe da ONU condena ataques suicidas nos Camarões

ONU condena ataques contra muçulmanos e cristãos na Nigéria

 

Notícias relacionadas

Deixe um comentario

*