África deve ter 310 milhões de noivas crianças em 2050

PARCERIA – Téla Nón – Rádio ONU

Número corresponde a mais do dobro do existente atualmente em todo o continente; Unicef lança relatório sobre o tema na Cimeira da União Africana sobre o Fim do Casamento Infantil.

 

Fim do Casamento Infantil. Foto: Unicef Moçambique

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O total de noivas crianças em África deve subir dos atuais 125 milhões para 310 milhões até 2050, se continuarem os níveis atuais da prática.

A previsão consta do relatório Perfil do Casamento Infantil em África, publicado esta quinta-feira pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef.

Cimeira

O documento é lançado na Cimeira da União Africana sobre o Fim do Casamento Infantil que decorre em Lusaka, na Zâmbia. As principais razões para o cenário são as lentas taxas de redução combinadas ao rápido crescimento da população na região.

Em 2050, o continente africano deve ultrapassar o Sul da Ásia como região com o maior número de mulheres de idades entre 20 a 24 anos que tenham casado crianças.

Tendências

A expetativa para todo o resto do mundo é que essa tendência venha a inverter-se, tendo em conta as atuais taxas de redução da prática e as tendências demográficas.

A presidente da Comissão da União Africana disse que o matrimónio infantil gera normas que se tornaram “cada vez mais difíceis de eliminar, além de pôr em causa o valor das mulheres do continente”.

Colaboração

Nkosozana Dlamini Zuma afirmou que “com uma maior consciencialização aliada a uma abordagem de colaboração podem ser erradicados os efeitos nefastos do casamento infantil”.

Nos últimos 25 anos, estima-se que a percentagem de jovens mulheres que se casaram crianças no continente africano tenha caído de 44% para 34%.

Com a previsão de aumento do número de meninas dos atuais 275 milhões  para 465 milhões até 2050, o Unicef considera ser necessária uma “ação muito mais ambiciosa” na região.

Mesmo que se dobre a atual taxa de redução dos casamentos infantis, a agência prevê um aumento do número de noivas crianças.

Vida Saudável

O Fundo destaca que a probabilidade de uma menina que faz parte dos 20% da população mais pobre casar ainda criança é tão forte agora como era em 1990.

O Unicef lembra que quando uma criança casa, caem drasticamente as possibilidades desta ter uma vida bem-sucedida e saudável, o que muitas vezes desencadeia um ciclo de pobreza que pode durar gerações.

Violência e HIV

As noivas crianças são menos propensas a não concluir a escola e mais expostas a serem vítimas de violência ou infectadas pelo HIV.

Por outro lado, crianças nascidas de mães adolescentes têm maior risco de ser nados mortos, perder a vida logo após o nascimento e ter baixo peso ao nascer.

Em maio, a União Africana lançou uma campanha para acabar com os casamentos infantis em todo o continente.

*Apresentação: Denise Costa.

 

Notícias relacionadas

  1. img
    MIGBAI Responder

    Quando leio estas notícias, só me apetece apertar o pescoço a tantos homens que existem em STP e que fazem questão de arranjar boquitas infantis.
    Quando pára de vez o pesadelo das catorzinhas e de tantas meninas que o deixam de o ser, para se tornarem mães, quando ainda deviam andar a brincar.
    Meu querido país, no que te tornas-te com esta coisa da independência, que a todos sufoca.

  2. img
    luisó Responder

    VERGONHA…..e mais não digo.

    • img
      MIGBAI Responder

      É verdade “luisó”, é mesmo uma vergonha o que se passa em AFRICA.
      Mas envergonha-me mais o que se passa aqui nestas ilhas.
      Queres saber onde ficam as ilhas dos pedófilos, é muito fácil, é aqui em STP.
      Precisa-se justiça rápida e urgente, para todas as crianças vítimas dos pedófilos, que proliferam em STP.
      Ora aqui está uma boa causa, para o governo mostrar que é diferente dos outros governos.

Deixe um comentario

*