Christine Lagarde discute desafios económicos na Nigéria e Camarões

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

Chefe do FMI revelou que um dos pontos da agenda é abordar o impacto da redução dos preços do petróleo; visita inclui encontro com ministros da Comunidade Económica e Monetária da África Central.

 

Lagarde destacou desafios da queda dos preços do petróleo e aumento nas perturbações relacionadas à segurança. Foto: FMI.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, FMI, vai reunir-se com o presidente nigeriano Muhammadu Buhari em Abuja como parte da sua visita à maior economia africana iniciada esta segunda-feira.

Ao partir para o país, Christine Lagarde disse estar ansiosa para ter reuniões produtivas tanto com o líder nigeriano como com colegas para acompanhar como são abordados desafios económicos importantes. Para ela, o mais essencial é o impacto dos preços baixos do petróleo.

Crise

Quando Bughari foi eleito, em março passado, anunciou um orçamento recorde para este ano. O plano prevê uma duplicação do défice para US$ 11 mil milhões e o auxílio ao país para ajustar-se à crise no petróleo.

O maior produto de exportação da Nigéria perdeu cerca de dois terços do seu valor desde meados de 2014.

Lagarde também deve encontrar-se com líderes seniores além de empresários, mulheres, representantes da sociedade civil e legisladores.

Camarões

A deslocação da chefe do FMI a África inclui uma visita aos Camarões, onde Lagarde deverá encontrar-se com o presidente Paul Biya e a sua equipa económica.

Em dezembro, o país exportador de café, cacau e petróleo apresentou um orçamento de US$ 6,9 mil milhões para 2016.

Comunidade Económica

Os encontros devem incluir executivos do setor privado, mulheres líderes e outros membros da sociedade camaronesa e uma reunião com ministros das Finanças dos seis países membros da Comunidade Económica e Monetária da África Central, Cemac. A reunião decorre na quinta-feira, um dia antes do fim da digressão.

Lagarde disse que como a “maior e mais diversificada economia da Cemac, os Camarões estão bem posicionados para sustentar e reforçar a dinâmica da integração”.

Perturbações

A chefe do FMI destacou os desafios provocados pela queda dos preços do petróleo e pelo aumento nas perturbações relacionadas à segurança.

Para ela, o reforço da integração regional e a implementação de agendas com reformas ambiciosas na região será essencial para assegurar a estabilidade macroeconómica e restaurar o crescimento forte e inclusivo.

Leia Mais:

FMI aprova moeda chinesa como divisa de referência

Secretário-geral quer mobilizar US$ 100 bilhões contra mudança climática

Grécia se compromete a pagar dívida com o FMI ainda esta semana 

2015-04-06 10:14:51

 

Notícias relacionadas

Deixe um comentario

*