Angola pode duplicar a produção de diamantes nos próximos três anos

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

Venda dos cristais gerou cerca de US$ 1,3 mil milhão em 2014; país classifica de boa relação com produtores lusófonos; Angola ocupa o terceiro lugar na produção diamantífera africana.

 

António Carlos Sumbula. Foto: Rádio ONU

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Angola pode duplicar a produção diamantífera no próximo triénio, de acordo com o presidente do Conselho de Administração da Empresa Nacional de Diamantes, Endiama.

Falando à Rádio ONU, em Nova Iorque, António Carlos Sumbula  disse que há entretanto a necessidade de evitar que a grande oferta provoque a redução de preços dos minerais. De acordo com as autoridades angolanas, a venda de diamantes chegou a US$ 1,3 mil milhões em 2014.

Comercialização

“Ainda a cerca de um ano e meio nós fizemos a descoberta de um Kimberlito de calibre mundial. Isso significa que dentro de sensivelmente dois a três anos nós poderemos duplicar a produção de diamantes no país. Como sabe, a produção de diamantes sobretudo na parte da comercialização deve ter uma concertação internacional para fazermos com que a sua comercialização no mercado seja equilibrada. ”

De acordo com o representante, as negociações envolvem grandes produtores mundiais de diamantes como a África do Sul, a Austrália e o Botsuana.

Angola é o terceiro maior produtor de diamantes com 9 milhões de quilates do mineral extraído em 2014.

Processo Kimberley

O responsável destacou ainda o que chamou de relacionamento positivo no setor com países lusófonos. O relacionamento foi fortalecido em 2015, quando Angola presidiu o Processo Kimberley para certificar a exportação de diamantes.

“Neste momento todas as ações e documentos necessários para que Moçambique faça parte do processo Kimberley foram lançados e estão a ser tratados. No que diz respeito ao Brasil nós cooperamos em vários domínios. O Brasil coopera connosco na construção civil e na exploração de diamantes. A nossa cooperação com países de expressão portuguesa na área de diamantes é boa.”

Angola anunciou que 99% de diamantes são agora exportados com o controlo do mecanismo de certificação sugerido pelo país há 15 anos.

Leia Mais:

Angola quer ampliar financiamento para cumprir com os ODS

Angola prepara rede de políticas de comércio com ajuda da Unctad

 

Notícias relacionadas

  1. img
    MIGBAI Responder

    Minha gente.
    Quem tiver a possibilidade em comprar o livro, com o Titulo: Diamantes de Sangue. Corrupção e Tortura em Angola. Autor: Rafael Marques, que já vai na 8ª.edição, não perca essa oportunidade.
    Vai ler um Livro altamente factual, e com um suporte jurídico invejável.
    Vai ler com base nos factos, como os garimpeiros são escravizados, torturados e assassinados na Lunda.
    Só para aguçar o apetite, 45 garimpeiros foram enterrados vivos num buraco de garimpo.
    Nunca a catana/manchim, trabalhou tanto em Angola nas zonas diamantíferas, a matar simples aldeões/Dtchokués e tudo ás mãos do governo através das FAA e das empresas privadas de mãos dadas com os generais.
    Quem tiver curiosidade compre o livro e vai ver como os angolanos/garimpeiros são puros escravos pelo governo liderados pelo grande libertador são tomense josé eduardo dos santos.
    É simplesmente revoltante, falou-se tanto dos colonos e agora o povo vive mais escravo, sem qualquer direito tal como animais de trabalho e morte em Angola na procura de diamantes para os generais e senhores do governo e filhas e genros.
    Malditos diamantes!

    • img
      luisó Responder

      Tudo verdade mas esta gente não quer saber disso caro MIGBAI.
      Basta de vez em quando procurar o site MAKA-ANGOLA ou CLUB-K para ficar a saber os roubos, arbitrariedade, arrogância e a prepotência dos novos donos de Angola, que disse e bem, nem nos tempos dos colonos isto acontecia.
      Assim está a bater Angola….

      • img
        MIGBAI Responder

        Tens razão meu caro colega comentador “Luisó”.
        Este meu povo tornou-se tão egoísta e tão vazio de princípios, que por vezes dou comigo mesmo a meditar porque é que nasci preto.
        O que será que fiz de mal numa noutra vida passada qualquer, para ter tão grande castigo!
        Nós aqui nestas ilhas, que podiam ser lindas, onde os nossos filhos poderiam andar bem vestidos, alimentados, instruídos e nós os velhos com condições de vida, a morrermos com dignidade, acabamos por ser afinal, um dos países mais pobres do mundo, onde as crianças meninas em vez de brincarem com bonecas, acabam por estar a parir filhos de políticos e outros merdosos.
        Meu caro “Luisó”, esta país ou seja STP deveria entrar em erupção e ir ao fundo de vez, para quem sabe, um outro dia qualquer surgirem novas ilhas.
        Já deve ter dado conta que eu sou pelo REFERENDO ao povo, porque, é o povo que tem que decidir se quer entrar no futuro, e viver com dignidade, ou se quer manter-se nesta miséria de independência que só é boa para alguns.

Deixe um comentario

*