00 239 - 9906263 contact@telanon.info

Get Adobe Flash player

África: baixo preço de matérias-primas continua a impedir crescimento

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

Análise é do Banco Mundial; previsão de avanço para 2016 permanece em 3,3%, abaixo do crescimento de 6,8% do PIB que a região manteve no período de 2003 a 2008.

A atividade económica na África Subsaariana desacelerou no ano passado. Foto: Banco Mundial/Dominic Chavez

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A atividade económica na África Subsaariana desacelerou em 2015, com um crescimento médio do Produto Interno Bruto, PIB, de 3%, em comparação aos 4,5% de 2014.

O número significa que o ritmo de expansão caiu aos índices mais baixos desde 2009.

Pulso de África

Os dados estão destacados na análise semestral do Banco Mundial chamada “Pulso de África”, em tradução livre.

A previsão de crescimento para 2016 permanece em 3,3%, muito abaixo do avanço “robusto” de 6,8% do PIB que a região manteve no período de 2003 a 2008.

De forma geral, a expectativa é de que o crescimento acelere em 2017-2018 para 4,5%.

Commodities

A queda nos preços das commodities, particularmente o petróleo, que caiu 67% entre junho de 2014 e dezembro de 2015, e um crescimento global fraco, especialmente nas economias emergentes, estão por trás da performance da região.

Segundo o Banco Mundial, em algumas ocasiões, o impacto destes baixos preços foi agravado por condições domésticas como escassez de eletricidade, incerteza política, seca e ameaças de segurança.

Desafio

O órgão ressaltou, no entanto, alguns lugares onde o crescimento continuou a ser “robusto”, como a Côte d’Ivoire, ou Costa do Marfim, Quénia, Ruanda e Tanzânia.

De acordo com o vice-presidente do Banco Mundial para África, Makhtar Diop, “enquanto os países se ajustam a um ambiente global mais desafiador, serão necessários esforços mais fortes para mobilização de recursos”.

Angola

A aceleração estimada em 2017-2018 reflete uma melhora gradual nas maiores economias da região, Angola, Nigéria e África do Sul, enquanto os preços das commodities se estabilizam e reformas para aumentar o crescimento são implementadas.

Com a rápida urbanização em África, o Banco Mundial ressalta ainda que há uma “janela de oportunidade” para usar o potencial das cidades como motores de crescimento económico.

Leia e Ouça:

Relatório prevê crescimento até 4,4% na economia africana em 2017

Perspetivas de crescimento permanecem positivas para África, mas há riscos

Notícias relacionadas

Deixe um comentario

*