00 239 - 9906263 contact@telanon.info

Get Adobe Flash player

África Ocidental e Central em alerta devido ao aumento da gripe aviária H5N1

Camarões já tiveram prejuízos de US$ 20 milhões; FAO ajuda a investigar possíveis casos de contaminação em animais e em seres humanos; surtos na Nigéria provocaram morte e abate de mais de 3,5 milhões de aves.

FAO observa alastramento rápido do H5N1. Foto: FAO/Scott Nelson

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O vírus da gripe influenza H5N1 está a alastrar-se e deixou as nações da África Ocidental e Central em alerta, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

O vírus altamente infeccioso foi recentemente detetado em viveiros de aves domésticas nos Camarões. A estimativa é que os prejuízos causados pelo surto que ocorre no país cheguem a US$ 20 milhões.

Avaliações

A agência atua com a Organização Mundial da Saúde, OMS, e a Organização Mundial da Saúde Animal, OIE, para ajudar os países a avaliar o risco, em planos de contingência, na assessoria técnica e na oferta de material laboratorial.

O apoio inclui a investigação de possíveis casos de gripe aviária em animais e em seres humanos, além da localização da fonte de infeção.

Com a descoberta nos Camarões a produção aviária interna e nas nações vizinhas estão “em alto risco”. A doença é detetada pela primeira vez em 10 anos na África Central.

Nigéria

Até o momento, os países que já lidaram com a doença na África Ocidental e Central são Burquina Fasso, Costa do Marfim, Gana, Níger e Nigéria. O território nigeriano, o mais afetado, teve mais de 750 surtos e cerca de 3,5 milhões de aves mortas ou abatidas.

A grande preocupação com os Camarões é porque a doença pode avançar para o sul. O fato pode fazer com que sejam acionadas respostas nacionais e globais de emergência para conter a doença, além de exames de saúde aos trabalhadores que lidam com aves.

Controlo e Prevenção

Aos países vizinhos, a FAO alertou que sejam vigilantes e continuem a reforçar medidas de controlo e prevenção. Estas incluem mensagens comuns e a partilha dados entre os setores de saúde e agricultura.

O vice-representante regional da agência para África disse que está a ser observado um alastramento rápido da doença, que tem “efeitos arrasadores” sobre os meios de subsistência nas comunidades.

Poucos Recursos

Abebe Haile Gabriel falou de grandes perdas de alimentos nutritivos e da ameaça dos meios de vida, especialmente em ambientes com poucos recursos e onde os governos têm dificuldade em compensar financeiramente aos agricultores pelas perdas.

Desde 2013, a estirpe da gripe aviária H5N1 provocou a morte de dezenas de milhões de aves domésticas e perdas de dezenas de milhares de milhões de dólares em todo o mundo.

Leia e Oiça:

FAO alarmada com surto de gripe aviária na África Ocidental

Entrevista: gripe aviária H5N1 pode afetar milhões na África Ocidental

 

 

Notícias relacionadas

  1. img
    Ediney Responder

    Estranho este assunto, tenho notado que as minhas galinhas têm tido muito tosse nos últimos tempos. Será que pegaram esta gripe ?

    Será que posso dar rebuçado para tosse a elas ?

Deixe um comentario

*