00 239 - 9906263 contact@telanon.info

Get Adobe Flash player

África estabelecerá zona de comércio livre em outubro de 2017

PARCERIA  - TÉLA NÓN / RÁDIO ONU

Bloco deve integrar 1 mil milhão de pessoas e Produto Interno Bruto de mais de US$ 3,4 biliões; em Nairobi, especialistas pediram mais compromissos políticos aliados a experiências no terreno.

 

Peritos mencionaram ameaças da economia mundial como os acordos comerciais mega regionais. Foto: Unctad

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Peritos africanos reiteraram que a Zona de Comércio Livre Continental de África

deve entrar em vigor até outubro 2017.

O plano é que a iniciativa, que prevê reunir 54 países africanos, envolva uma população combinada de mais de 1 mil milhão de pessoas com um Produto Interno Bruto de mais de US$ 3,4 biliões.

Desenvolvimento

Um painel de peritos reuniu-se na capital queniana Nairobi, à margem da 14ª Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad14, que decorreu esta semana. O evento foi organizado pela Comissão Económica da ONU para África, ECA.

Uma das expectativas dos participantes é que Zona de Comércio Livre Continental contribua para transformar as estruturas das economias através da promoção do comércio e da diversificação das exportações no continente.

A organização Third World Network-Africa, cujo foco é no desenvolvimento estratégico, esteve no encontro e observou que os benefícios da zona de comércio livre associam-se à criação de empregos de qualidade.

Compromissos Políticos

Para que o bloco seja uma realidade são “necessárias políticas para ajudar a consolidar as capacidades produtivas a nível nacional e continental”.

Os peritos concluíram que muitos programas e decisões continentais já são desenvolvidos, mas recomendam mais compromissos políticos aliados a experiências no terreno para que a aplicação da área de comercial seja mais forte.

Matérias-Primas

Os participantes consideram urgente criar uma agenda da zona de comércio livre “devido às crescentes ameaças da economia mundial como os acordos comerciais mega regionais e os baixos preços das matérias-primas”.

A dependência de África dos bens primários e o seu papel marginal na economia global torna a região mais vulnerável a estes desenvolvimentos. Ao mesmo tempo, não se deve ignorar a questão da inclusão pelo “perigo de se comprometer a visão de integração regional”.

A reunião destacou o papel da sociedade civil para a prestação de contas dos negociadores e para garantir que neste processo ninguém seja esquecido. Os peritos apelaram ainda que melhorem os canais de influência para que a iniciativa seja uma realidade.

Leia e Oiça:

África deve investir US$ 600 mil milhões anuais para cumprir metas globais 

Unctad14: centenas de líderes jovens propõem ideias para o progresso global

 

Notícias relacionadas

  1. img
    Admirado Responder

    Gracas a deus, e hora de colocarmos ordem nas nossas economias e trabalhar juntos!

Deixe um comentario

*