00 239 - 9906263 contact@telanon.info

Get Adobe Flash player

Doença de gado contagiosa comum na África assusta países da Europa

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

Após aparecer na Turquia, há três anos, dermatite nodular se espalhou rapidamente pelo sudeste da Europa; seis países foram afetados até o momento por vírus que não ataca humanos, mas pode causar grandes perdas econômicas.

Gado na Nigéria. Foto: Arne Hoel/Banco Mundial

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

Trinta e seis especialistas de 22 países europeus começam nesta segunda-feira um treinamento nos laboratórios da Agência Internacional de Energia Atômica, Aiea, sobre como detectar rapidamente a dermatite nodular, uma doença que  afeta o gado.

A doença é altamente contagiosa e está se espalhando em rebanhos da Europa, após contaminar rebanhos inteiros na África e na Ásia.

Europa

A dermatite nodular, como é conhecida, foi notificada na Turquia em 2013.

Desde então, a doença se espalhou rapidamente pelo sudeste da Europa e foi detectada até o momento em seis países europeus: Grécia, Bulgária, ex-República Iugoslava da Macedônia, Sérvia, Albânia e Montenegro. Novos casos são registrados semanalmente.

Transmissão

O vírus, altamente contagioso, é transmitido através do contato direto com animais infectados e produtos contaminados, além de moscas e carrapatos.

Embora não represente uma ameaça a humanos, a dermatite nodular pode se espalhar entre animais e fazendas, causando grandes perdas econômicas.

Os sintomas da doença são lesões na pele. Nos países afetados, houve impacto sobre a produção de leite, de carne e do couro. Desde 2015, mais de 600 surtos na Europa foram notificados à Organização Mundial da Saúde Animal, OIE.

A crise levou ao abatimento de mais de 10 mil. Segundo o chefe do laboratório conjunto de proteção e saúde animal da Aiea e da Organização das Nações Unidas para Agricutura e Alimentação, FAO, a dermatite nodular “sempre foi considerada exótica na Europa”.

Por isso, de acordo com Giovanni Cattoli, “muitos laboratórios da região não estão preparados para detectar o vírus ou diferenciar suas várias cepas”.

Treinamento

O treinamento de duas semanas está sendo realizado em um laboratório conjunto da Aiea e da FAO em Seibersdorf, na Áustria. As sessões são uma resposta aos pedidos dos Estados-membros por apoio urgente na preparação e controle da doença.

Os participantes, a maioria de países da Europa central e oriental, vão aprender a usar técnicas que podem detectar o vírus em três horas e ajudar a rastrear sua origem e propagação.

Leia e Ouça:

FAO calcula que agricultores da Etiópia precisam de US$ 45 milhões extras

Agricultura comercial causou 70% do desmatamento na América Latina

Ocha destaca perda de até 80% do gado devido à seca na Somália

Técnica da Aiea pode detectar o zika vírus em três horas 

 

Notícias relacionadas

  1. img
    ANCA Responder

    Acham que o resultado deste estudo vai estar disponível de imediato aos Países Africanos?

    As instituições de Países Africanos afectados devem mobilizar saber mais, contribuir, investigar, ir a procura o conhecimento sobre a doença.

    Se a perdas económicas avultadas na Europa de que está a espera a África? Ou instituições Africanas?

    A solução ou soluções, jamais deve/devem ser única ou a mesma, mediante a características do clima, alimentação, habitat de cada espécies animais.

    Acredita Africano

    Tu és capaz

Deixe um comentario

*