00 239 - 9906263 contact@telanon.info

Get Adobe Flash player

Índice Global de Risco Climático: África atingida duramente pelos eventos extremos do ano passado

  •  Continente anfitrião da cúpula do clima afetado principalmente pelas inundações do ano passado
  •  Desde 1996 os eventos climáticos ceifaram mais de 530 mil vidas e resultaram em danos de vários trilhões de dólares

Marrakech / Bonn, 8 de novembro de 2016 - A África foi o continente mais atingido pelos eventos climáticos extremos em 2015. De acordo com a 12ª edição do Índice Global de Risco Climático, quatro dos dez países mais impactados em nível global são africanos: Moçambique (1°), Malawi (3°) , Ghana e Madagascar (ambos 8°).

“As inundações em especial afetaram o continente anfitrião da cúpula climática deste ano”, explica Sönke Kreft, da Germanwatch, principal autor do Índice.

As ondas de calor ceifaram mais vidas no ano passado. Mais de 4.300 mortes na Índia e mais de 3.300 mortes na França mostram que tanto os países em desenvolvimento quanto os desenvolvidos são afetados por temperaturas extremas. Kreft lembra que “O aumento das chuvas mais fortes, das inundações e das ondas de calor é esperado em um mundo de aquecimento.”

As pessoas estão sofrendo com a falta de proteção e com a gestão insuficiente dos desastres, especialmente nos países pobres, destaca Kreft: “A distribuição dos eventos climáticos não é justa. Em 20 anos de análises de extremos climáticos, constatamos que nove dos dez países mais afetados são nações em desenvolvimento pertencentes às categorias de renda baixa ou média-baixa. Geralmente são países com níveis muito baixos de emissões, ou seja, os menos responsáveis ​​pelas alterações climáticas”.  Os países mais atingidos no período 1996-2015 foram Honduras, Mianmar e Haiti.

De 1996 a 2015, houve mais de 530.000 mortes causadas por mais de 11.000 eventos climáticos extremos, bem como cerca de US$ 3,3 trilhões  (em paridades de poder de compra, PPP) em danos.

O Índice Global de Risco Climático 2017 está sendo lançado no início da cúpula climática deste ano em Marrakech, Marrocos. Kreft acrescenta: “Os resultados do Índice Global de Risco Climático nos recordam a importância de apoiar a política de resiliência e de mitigar os efeitos negativos dos eventos climáticos sobre as pessoas e os países”.

Nota para imprensa:

O Índice Global de Risco Climático da Germanwatch baseia-se no mais recente conjunto anual de dados do MuniqueRe NatCatSERVICE e dados socioeconômicos do World Economic Outlook do FMI. Possui componentes de curto e longo prazo, analisando os países mais afetados pelos eventos climáticos extremos hidrológicos, meteorológicos e climatológicos, no ano de 2015 e no período de 1996-2015.

O estudo pode ser baixado em: http://germanwatch.org/de/12978

A Germanwatch, com sede em Bonn e Berlim (Alemanha), é uma organização independente de desenvolvimento e meio ambiente que trabalha para o desenvolvimento global sustentável. A Germanwatch promove ativamente a equidade Norte-Sul e a preservação dos meios de subsistência.

 

Notícias relacionadas

Deixe um comentario

*