Energia térmica do Japão cairá 40% até 2030 

21 de março de 2017 - A demanda por energia elétrica e o aumento da capacidade renovável no Japão irão diminuir até 2030 a geração por usinas térmicas para 40% abaixo dos níveis de 2015, de acordo com um novo relatório publicado hoje pelo Instituto de Economia da Energia e Análise Financeira (IEEFA).   O relatório “Japão: Maior Segurança Energética Através de Transformações Elétricas Renováveis ​​em uma Economia Pós-Nuclear”  contraria as previsões do Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão (METI) e destaca o potencial para melhorar a segurança energética nacional através de energias renováveis, especialmente energia solar e eólica offshore. Ele também prevê que muitas das 45 usinas a carvão atualmente projetadas não chegarão a ser construídas.

“Na transição energética no Japão, estão em jogo questões que transcendem a economia”, afirma o relatório. “A própria segurança energética do Japão está em risco. Antes de Fukushima, o Japão tinha combustível nuclear suficiente para garantir que a energia nuclear desempenhasse um papel importante na produção nacional de eletricidade a longo prazo. Desde Fukushima e as paradas do reator, o país tornou-se profundamente dependente da importações de combustíveis fósseis. Isso contribuiu para uma reversão da balança comercial de 30 anos de superávit comercial para um déficit que atingiu US $ 116 bilhões em 2014.”

Uma das principais conclusões do estudo é que os ganhos em eficiência energética reduzirão a demanda por eletricidade de 1.140 terawatts horas (TWh), no ano fiscal de 2010, para 868TWh em 2030.  “Fundamental para a nossa avaliação é o fato de que aumentos na eficiência energética têm reduzido a demanda por eletricidade no Japão nos últimos seis anos e continuarão a fazê-lo no futuro”, diz o relatório. “A eficiência energética no Japão apóia a expansão das energias renováveis. A queda da demanda, apesar da forte absorção de veículos elétricos, cria um cenário ideal para um maior investimento em energia renovável”.

“O Japão está em posição de tomar decisões políticas prudentes que podem atrair grande capital para infra-estrutura renovável em apoio à verdadeira segurança energética nacional, de forma a reduzir materialmente sua dependência a longo prazo dos combustíveis fósseis importados e da produção nuclear”, destacou Tim Buckley, Diretor do Instituto de Estudos de Finanças de Energia – IEEFA, Australasia.

A energia solar fotovoltaica poderá vir a representar 12% do mix de geração de eletricidade no Japão até 2030, ante 4% atualmente. O Japão foi o segundo maior instalador global de energia solar fotovoltaica a partir de 2013-2015, mas é necessário mais apoio de políticas públicas para manter esse crescimento. Um recente movimento em direção a leilões reversos para grande escala solar sugere que o Japão pode realizar significativas reduções adicionais de custo solar, como as que estão sendo alcançadas em todo o mundo.

O potencial eólico offshore do Japão tem importância estratégica, já que os custos tecnológicos caem rapidamente. O IEEFA acredita que esta fonte poderá vir a gerar 10 gigawatts (GW) no ano fiscal de 2030. Embora o desenvolvimento eólico em terra tenha sido lento devido aos longos processos de aprovações do Japão para as limitadas terras adequadas disponíveis, existem oportunidades significativas e negligenciadas no desenvolvimento eólico offshore.

O Japão tem uma das melhores indústrias de manufatura do mundo e uma que está se tornando mais adequada para a produção de turbinas eólicas. A Mitsubishi Heavy Industries está atualmente pesquisando e desenvolvendo tecnologia eólica offshore, bem como fornecendo turbinas offshore por meio de sua joint venture com a MHI Vestas Offshore Wind. A inerente ausência de restrições de terra à produção de energia eólica offshore trabalha a seu favor, assim como suas taxas de utilização de 45-50%, o que indica que pode contribuir para o poder de base.

O Japão pode atender a 35% de suas necessidades de eletricidade com energias renováveis ​​até 2030. Supondo um impulso político muito necessário para aumentar a capacidade de energia solar e offshore, e um provável fator de redução na demanda de eletricidade do país, a participção total das energies renováveis no mix energético japonês dobrará para 35% em 2030.

De acordo com o relatório, a indústria nuclear de Japão, ferida de morte após o desastre de Fukushima, dificilmente se recuperará. O IEEFA acredita em menos de um quarto dos 40GW japonês de capacidade de energia nuclear off-line voltando ao serviço em 2030. Embora o Japão esteja buscando retomar a produção nuclear como uma forma de diversificar seu mix de geração e melhorar a segurança energética, a indústria enfrentará fortes ventos contrários. Os operadores financeiramente angustiados lutam para alcançar novos padrões de segurança antes que os reatores atinjam suas datas de aposentadoria.

O Japão provavelmente reduzirá os planos para construir uma nova leva de usinas a carvão. A maioria das 45 novas usinas a carvão que o Japão está propondo construir ainda estão em fase de planejamento e – por causa da queda da demanda de eletricidade do Japão – muitas não chegarão à fase de construção. As principais companhias japonesas de energia elétrica começaram recentemente a reavaliar seus planos de geração a carvão.

O relatório conclui que o Japão ganhará enormemente e de uma miríade de maneiras adotando um modelo de transição de eletricidade baseado nas energias renováveis: “Se o Japão levar o caminho de energia renovável para a frente, ele terá reformado seu sistema de eletricidade em 2030 de uma forma que vai aumentar drasticamente a sua segurança energética, reduzir o seu déficit em conta corrente e construir capacidades tecnológicas duradouras nas indústrias do futuro “.

Tim Buckley é o diretor de estudos de finanças de energia, Australásia, da IEEFA. Ele tem mais de 25 anos de experiência em mercados financeiros, incluindo 17 anos com o Citigroup culminando como Diretor Administrativo, Chefe de Australasian Equity Research.
Contatos para imprensa: James Lorenz P +61 400 376 021 E: james@holdfast.global

SOBRE IEEFA

IEEFA realiza pesquisas e análises sobre questões financeiras e econômicas relacionadas com a energia e o ambiente. A missão do Instituto é acelerar a transição para uma economia de energia diversificada, sustentável e rentável e reduzir a dependência do carvão e outros recursos não renováveis ​​de energia.

Para conhecer as pesquisas do IEEFA: http://ieefa.org/category/subject/reports/

Notícias relacionadas

Deixe um comentario

*