OMS quer proibição do cigarro em espaços públicos e em locais de trabalho  

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

Na véspera do Dia Mundial sem Tabaco, agência volta a pedir fim da publicidade desses produtos; bitucas de cigarro compõe até 40% do lixo coletado em áreas urbanas e costeiras; governos perdem US$ 1,4 trilhão ao ano.

Cerca de 15 bilhões de cigarros são vendidos diariamente e até 10 bilhões de unidades são descartadas no ambiente. Foto: Banco Mundial/Curt Carnemark

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

Na véspera do Dia Mundial sem Tabaco, marcado todos os anos em 31 de maio, a Organização Mundial da Saúde está fazendo um novo apelo aos governos, para que implementem medidas mais fortes de controle.

A OMS quer o fim da publicidade de produtos de tabaco, aumento dos impostos sobre as vendas e proibição do fumo em locais de trabalho e em espaços públicos fechados.

Mortes e gastos

Os governos coletam por ano US$ 270 bilhões em impostos sobre os produtos de tabaco. Mas pelos cálculos da OMS, esse valor poderia ser 50% maior se cada maço de cigarro fosse US$ 0,80 mais caro.

Segundo a agência, o fumo mata mais de 7 milhões de pessoas por ano e gera aos governos perdas econômicas de mais de US$ 1,4 trilhões devido aos gastos no setor público de saúde e perdas na produtividade.

A OMS também avalia, pela primeira vez, os impactos ambientais: o tabaco contém mais de 7 mil substâncias químicas, incluindo cancerígenos e elementos tóxicos que poluem o meio ambiente.

Lixo

Cerca de 15 bilhões de cigarros são vendidos diariamente e até 10 bilhões de unidades são descartadas no ambiente. A agência afirma que as bitucas de cigarro representam de 30% a 40% de todos os itens coletados em limpezas urbanas e de áreas costeiras.

Entre os adultos fumantes, 860 milhões moram em países de rendas baixa ou média. Estudos mostram que entre os mais pobres, os gastos com cigarro chegam a representar 10% orçamento da família.

Nas plantações de tabaco, até 70% dos trabalhadores são mulheres, que ficam em contato muito próximo com químicos perigosos. A OMS alerta também para o fato de que o fumo contribui para 16% das mortes causadas por doenças crônicas.

 

Notícias relacionadas

  1. img
    Brasileiro Responder

    Todas as formas de droga (lícitas ou ilícitas) devem ser combatidas, se o indivíduo quer por em causa sua saúde é de seu livre arbítrio, mas, por em risos os demais é inaceitável!

  2. img
    Ralph Responder

    Uma proibição de fumar na maioria dos espaços públicos poderia resultar em diminuições significantes da prática. Aqui na Austrália, proibiram o fumar na esmagadora maioria de prédios e outros espaços públicos há várias décadas atrás. Isto tem reduzido bastante o número de fumadores para cerca de 10 por cento da população hoje em dia, para além de se ter experimantado reduções significativas nas mortes atribuidas ao cancro pulmonário. Atualmente, a popularidade de fumar tem-se descido ao ponto que tem um estigma negativo. A mesma poderia acontecer em STP.

Deixe um comentario

*