Destaques

ONU condena prisão de vários membros da oposição na RD Congo  

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

Detenção de elementos da coligação Ressemblement foi feita por membros das forças de defesa e segurança ocorreu domingo; chefe da operação de paz recorda  obrigação do país de respeitar liberdades fundamentais e direitos civis e políticos.

Foto: Monusco/Sylvain Liechti

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

A Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo, Monusco,  condenou esta segunda-feira a prisão de vários membros da oposição durante uma reunião na cidade de Lubumbashi, província do Alto Catanga.

São integrantes da coligação conhecida por Ressemblement que estavam na sede do partido União para Democracia e Progresso Social, Udps, antes da intervenção das Forças de Defesa e Segurança.

Força

De acordo com uma nota da operação de paz, três veículos da Polícia Nacional cercaram o local antes de chamarem uma unidade de comando das Forças Armadas da RD Congo para entrar à força no local da reunião.

Os membros do Rassemblement estavam fechados quando ocorreram as prisões. Agências de notícias citam testemunhas indicando que o número de detidos chegaria a 30.

O chefe da Monusco, Maman Sidikou, exortou as autoridades congolesas a libertar imediata e incondicionalmente os membros da oposição “detidos arbitrariamente”.

Sidikou recordou às autoridades congolesas da “sua obrigação de respeitar as liberdades fundamentais e os direitos civis e políticos de todos, segundo a Constituição e as obrigações internacionais da RD Congo”.

Preocupação

Ele expressou profunda preocupação da Monusco perante “atos de intimidação em curso contra os membros da oposição”. A nota relata dois incidentes envolvendo o uso de armas de fogo contra as casas de dois líderes da oposição em Kinshasa.

A operação de paz também exige “o fim das restrições impostas ao presidente do partido da União Nacional dos Federalistas do Congo, Kyungu wa Kumwanza, que esteve sob prisão domiciliar há vários meses sem acusação.

A Monusco defende ainda a responsabilidade primária das autoridades congolesas para garantir a proteção de todos os cidadãos em todas as circunstâncias e tomar as medidas necessárias para esclarecer esses incidentes.

A nota termina com um apelo às autoridades congolesas para que implementem urgentemente medidas para reforçar a confiança e abrir espaço democrático para todos.

Notícias relacionadas:

Enviado da ONU fala de perseguições ligadas a processo político na RD Congo

Ataque de supostos rebeldes mata tropas de paz na RD Congo

 

 

 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo