Economia

República dos Camarões lança projecto de construção de Porto em Águas Profundas

kribi.jpgO Porto de águas profundas do país vizinho de São Tomé e Príncipe começa a ser construído em Março de 2010. Segundo a imprensa camaronesa, será a infra-estrutura portuária mais moderna da costa ocidental de África. O porto que vai ser construído na cidade balnear de Kribi(na foto), custa 282 biliões de francos CFA. Está assim aberta a concorrência com São Tomé e Príncipe que também inicia em 2010 a construção de um porto em águas profundas na zona de Fernão Dias.

O Governo são-tomense quer transformar o arquipélago no principal centro de prestação de serviços a nível da sub-região da África Central e do Golfo da Guiné. Uma intenção que não pode ser materializada sem se ter em conta a concorrência e a competitividade que hoje domina o mundo.

São Tomé e Príncipe não está sozinho no golfo da Guiné. O arquipélago tem vizinhos que também estão interessados em concorrer como placa giratória de prestação de serviços na região. A República dos Camarões, produtor de Petróleo, Madeira e outros recursos naturais destacando-se também os minérios, já deu passos decisivos com vista a transformar a cidade balnear de Kribi numa placa portuária de prestação de serviços a nível regional.

O Ministro da Economia e do Planeamento do país vizinho, anunciou no dia 14 de Outubro o início dos trabalhos com vista a construção do porto em yaounde-camaroes.jpgáguas profundas. As obras iniciam em Março de 2010. 4 grandes empresas estão envolvidas no projecto, nomeadamente a Royal Haskoning, Sogrea, Geofor e a Frugo. O grupo liderado por operadores holandeses, já está a trabalhar no processo de realojamento dos habitantes da zona de 30 mil hectares onde vai ser construído o porto.

Segundo a imprensa camaronesa, 3 grupos étnicos vão ser realojados nomeadamente, os Mabi, os Batangas e os Pigmeus.

O mesmo porto considerado como uma infra-estrutura de ponta na costa ocidental de África, vai contar com um complexo industrial portuário para exploração e exportação de minérios.

Uma concorrência aberta para São Tomé e Príncipe, arquipélago que também começa em 2010 a construir um porto em águas profundas com capacidade para receber milhares de contentores. O porto de São Tomé é construído pela empresa francesa Terminal Link.

O posicionamento estratégico do país no golfo da Guiné pode ser uma grande vantagem para o transbordo de contentores, mas o mundo actual exige que independentemente das potencialidades, as empresas ou países demonstrem capacidade competitiva. Por isso mesmo não pode estar alheios ao que se passa a sua volta e no mundo.

Abel Veiga

Recentemente

Topo