Agricultores são-tomenses dão provas de que há produção para alimentar o mercado cabo-verdiano e não só

produtos-agricolas.jpgPelo menos alguns jovens são-tomenses, têm demonstrado nos últimos anos que o sector agrícola pode ser uma das alavancas para o desenvolvimento do país. Com apoio técnico de Taiwan, um grupo de jovens tem desenvolvido com muito sucesso a horticultura e a fruticultura. Goiaba de alta qualidade é um dos produtos que poderá ser escoado para o mercado cabo-verdiano.

A superprodução de goiabas, pepino e outras hortaliças e frutas, tem constituído um quebra-cabeças para alguns jovens agricultores. Com apoio técnico de Taiwan conseguiram transformar pequenos lotes de terra em fontes de produção de muita comida que o mercado nacional não tem conseguido absorver. Muita produção acaba por deteriorar, por falta de meios de conservação, reclamou Soares da Cruz, um dos agricultores que recebeu visita do Primeiro-ministro Rafael Branco. «Estou a produzir e tenho vontade e posso fazer a diferença em relação a aqueles que pensam que não temos agricultura em São Tomé e Príncipe», referiu o agricultor.

O Chefe do Governo, afirmou que vai aproveitar a visita para breve do seu homólogo Cabo-Verdiano, para garantir o escoamento do excedente de produção agrícola para o mercado cabo-verdiano. «Penso que o primeiro passo será dado brevemente com a república de cabo verde para vermos a possibilidade de escoarmos alguns desses produtos sobretudo os que entram na dieta dos turistas como frutas», precisou o Chefe do Governo.

Com uma ligação aérea semanal, entre os dois arquipélagos, as frutas e hortaliças de São Tomé e Príncipe, poderão alimentar o mercado do país amigo onde a chuva é escassa e a terra é seca e pobre.

Os agricultores são-tomenses, contam com um aliado forte para continuar a produzir em grande quantidade goiabas, pepinos e outras frutas de grande qualidade. Trata-se de Taiwan, que para além do apoio técnico introduziu sementes de frutas de valor comercial, que se adaptarem muito bem ao clima e ao solo são-tomense.

Abel Veiga

Deixe um comentario

*