Economia

Banco Mundial vai investir no aumento da produção de energia eléctrica

A equipa do Banco Mundial que deixou São Tomé na última semana, anunciou após encontro com o Primeiro-ministro Rafael Branco, a implementação de um projecto a nível energético que visa a aquisição de geradores para a empresa de electricidade, a EMAE, e a reabilitação da rede de distribuição de energia.

Sem avançar o valor financeiro do projecto, a delegação do Banco Mundial, prometeu impor rigor na gestão financeira da EMAE, num processo dinâmico que atinge o ponto alto com a privatização da empresa. Uma equipa de consultores contratada pelo Banco Mundial, já está a trabalhar no sentido de elaborar um plano estratégico para a EMAE.

A equipa de consultores, disse que o trabalho preliminar vai incidir sobre 3 eixos, nomeadamente definição de uma estimativa da procura de energia para os próximos 10 anos. O segundo eixo tem a ver com a criação de um plano de acção para a EMAE, e o terceiro são a reformas a serem feitas para atracção do sector privado na gestão da empresa.

Note-se que a EMAE, é uma empresa do estado são-tomense. No ano passado o governo disse que a empresa está tecnicamente falida. O Governo de Rafael Branco anunciou, a falência da EMAE depois de ter investido só em 2009 mais de 10 milhões de euros na empresa. Aliás 2009 foi o ano da maior crise energética de sempre na história de São Tomé e Príncipe.

Abel Veiga

    23 comentários

23 comentários

  1. josé da Silva

    24 de Maio de 2010 as 14:28

    Deixem de investir em gerador ,pois não leva a lado nenhum, porque consome muito gasóleo e o país é pobre, pensem em instalar parques éolicos, isto é energia apatir do vento, isto sim é que é investir para o futuro, e não estes brinquedos de geradores que em pouco serão lixo.

  2. Qdro santomense na diápora

    24 de Maio de 2010 as 16:21

    AO envez de investirem nas enegias nao renovaveis,pq nao invistam em energias renovaveis?Em sao Tomé pode-se mto bem instalar centrais eolicos,solares ou outra de menos custo creio eu q é a HIDROELECTRICA,Nós temos rios,podemos mto bem ter uma central q funcione com água.Mas ja q estao a investir em enegia a base fossil,é bom dimnuir custos.por exemplo envez de utilisarem gasoleo,podem utilisar FUEL OIL q é a mais barrata.Para um pais com 200.000habitantes,nºde industrias insignifinates pode mto bem dar.

  3. fc0704

    24 de Maio de 2010 as 19:33

    SEGUINDO AO MINHA LINHA DE PENSAMENTO, SI CONTRUIRMOS, CENTRAIS HIDROELECTRICAS, PARQUES EOLICOS OU PAINEL SOLAR, NAO NOS DA TANTO JEITO EM ROBAR, VCS AINDA NAO NOTARAM, ‘E QUE AHI DA MAIS JEITO PARA ROBAR, POR DIA SAO TANTOS LITROS QUE SE DESVIO ALGO NINGUEM SE NOTA

  4. RS

    24 de Maio de 2010 as 22:23

    Penso que o investimento ideal seriam as mini-hídricas, com as linhas de água que São Tomé dispõe e com as montanhas que há, o potencial para produção energética é elevado, claro que é fundamental remodelar as linhas de distribuição para evitar as perdas e meter toda a gente que consome electricidade a pagar a factura mensal.

  5. Mayfer

    24 de Maio de 2010 as 23:28

    Pô, esses nossos governantes estão de Brincadeira…..

    Eles só querem geradores pra continuar a rede de desvio de Diesel, que começa desde a Enco e temina na Emae, passando por pequenos postos espalhados pela cidade..

    Como observado pelo RS, a implantação de Pequenas Centrais Hidroeléctrica é a melhor solução….

    Visto que temos um grande potencial hidrico, e a nossa demanda mensal é insignificante (cerca de 17 Megas), e o dano causado na naturação ao implantar as pequenas centrais hidroelectricas tb será pequeno, creio que essa seria a melhor opção!!!

  6. chegara a vossa hora!!!

    25 de Maio de 2010 as 2:16

    sempre a envistir, mas nunca se verifica o sucesso!!!

  7. MORENO

    25 de Maio de 2010 as 8:08

    PORQUE GRUPOS GERADORES SE HA ALTERNATIVAS? COM GRUPO DE GERADORES HA QUE COMPRAR GASOLEO E ASSIM DA PARA SAQUEAR MAIS ALGUM.

  8. Filho de Deus

    25 de Maio de 2010 as 9:33

    Ó BANCO BANQUEIRO, EU SEI QUE VÇS SABEM QUE ESTA TERRA TEM PETROLEO MAS NÃO É POO ISSO QUE VÃO FASER ISSO, GENTE VÊ SE PENSAN COMO GENTE, DEIXA DISTO DE GERADOR!!!!!!!!!
    VAI GASTAR MUITO MAIS DINHEIRO NA COMPRA DE GASOLEO, CONSTRUAM BARRAGENS……..
    POR AMOR DE GOD

  9. fidelito

    25 de Maio de 2010 as 9:50

    LÁ VÊM OS GAJOS DE NOVO COM ESSA DE GERADORES…!!!
    SABEM QUE ESTA NÃO É A SOLUÇÃO PARA S.T.P. PORQUE O CUSTO DE EXPLORAÇÃO É ELEVADÍSSIMO COMPARATIVAMENTE AS OUTRAS ALTERNATIVAS.
    PERGUNTAM AOS CONSULTORES DE BANCO MUNDIAL, SE NOS SEUS PAÍSES A BASES DE FORNECIMENTO DE ENERGIA É POR GERADORES???
    QUEREM É ENGANAR-NOS!!!!
    E OS NOSSOS GOVERNANTES, COMO SEMPRE SÓ ACEITAM ESTAS MALDADES!!!
    PORQUE NÃO INVESTIR NUMA ALTERNATIVA QUE TENHA UM INVESTIMENTO INICIAL ALTO E O CUSTO DE EXPLORAÇÃO BAIXO E SUSTENTADO???
    POIS É, OS DE BM. SABEM DISSO!!!??
    QUEREM É ENGANAR OS SANTOLAS POBRES…

    FIDELITO

  10. Abreu

    25 de Maio de 2010 as 13:52

    ESSE NOSSO PRIMEIRO MINISTRO, O MÍNIMO QUE DEVERIA FAZER É PEDIR DEMISSÃO..
    É UM ATRASADO NÃO TEM CAPACIDADE.

  11. simao amaral tebus

    25 de Maio de 2010 as 17:58

    Um País tão pequeno e após esses anos todos de independência não consegue dirigentes honestos e capazes de resolver os problemas

  12. Energia

    25 de Maio de 2010 as 18:48

    Parques eólicos para STP, de primeira não é viável, pois não temos regiões planas e com espaço suficiente que permita captar ventos e sem falar que turbinas eólicas não são recomendáveis em regiões habitáveis, pois fazem um tremendo barulho! Outro aspecto, senão obstáculo, é que caminhando para o interior do país encontra-se morros e muita floresta o que impede a infiltração de ventos.
    Quantos as PCH ou Mini-Barragens, chegam a ser uma alternativa para o país, porém sua viabilidade na vertente ecológica, social, económica e financeira tem que ser estudada. Contudo a favor das PCH temos, um pais que tem em média 1000-7000 mm de precipitação por ano.
    Mas, as alternativas são enormes, podemos aproveitar a maremotriz (lembrem que STP um arquipélago), e Portugal é fera no assunto…! Tem-se ainda a Energia Solar Fotovoltaica, essa STP poderia ser lidar mundial na sua exploração! O país, está situado no ponto do globo terrestre que mais radiação solar recebe anualmente, porém o mundo foi feito para espertos! E, se fossemos espertos, nunca teríamos problema com energia eléctrica. Teríamos as centrais térmicas para casos de emergências, como é feito no Brasil.
    Tem-se ainda a geração por biogás, ou seja, a energia é gerada através do metano resultante da decomposição do lixo.
    Enfim, um sem números de formas para aproveitamento de energia eléctrica, que infelizmente, o meu país insiste na forma mais retrograda e inviável de fazê-lo.

    • ET

      26 de Maio de 2010 as 15:31

      Vejo que é um entendido da matéria, eu ja tinha a ideia de que eólica nao dava para nós, Acho que a soluçao mais indica sao os paineis solares. Temos sol e calor o ano todo praticamente…e a taxa de conversão em STP seria bastante alta. Se Portugal consegue produzir esse tipo de energia, nós que estamos no equador podemos faze-lo e com melhores aproveitamento. O Brasil ja exporta Etanol, não seria tb uma via? Mas claro, para isso era necessário que houvesse um plano nacional de energia. Mas se para o país em si n ha planos que fará para energia.O mundo todo está a mudar para energia renovaveis..mas nos continuaremos a queimar fosseis.

      • Sprint

        26 de Maio de 2010 as 18:34

        Sim, realmente, entendo do assunto. No meu trabalho de conclusão de curso abordei esse tema, mas na vertente solar fotovoltaica.
        Digo-te mais, existe um projecto nacional para a elaboração do plano director energético nacional que infelizmente nunca passou do papel para a pratica. Pois, não esqueçamos que os projectos energéticos são estratégicos e levam tempo para sua implementação. Os sucessivos governos que são demitidos e admitidos, meses após meses têm sido visto como o maior obstáculo para a efectivação desse projecto. Haja vista que a área energética, hoje, em qualquer nação é o elemento chave para o desenvolvimento e o progresso. Atingir tais fins, depende quase que exclusivamente da estabilidade governativa e pro-acção dos envolvidos.

        • Sprint

          26 de Maio de 2010 as 18:46

          Esquecia-me de te responder sobre o Etanol. Infelizmente, um trabalho de pesquisa que realizei sobre o assunto, em STP cheguei a conclusão que é inviável a formalização de tal indústria, pois a justificativa se encaixa com àquela que apresentei para o caso da eólica. Ou seja, para a sua produção necessitaríamos de espaço territorial. E, isso não dispomos para esse fim. Ao contrário, o Brasil possui muita área inabitável e de solo empobrecido o que justifica em termos ecológicos o investimento nesse tipo de combustível. Senão outro porém, em STP, segundo a ENCO, o maior consumo de combustível líquido é o Diesel ou Gasóleo. Nesse viés, já está em vias de facto a realização do projecto para produção óleo de palma na Roça Ribeira Peixe, a produção do biodiesel poderá ser viabilizada caso as autoridades nacionais assim pretenderem. O seu aproveitamento na EMAE, será mera questão técnica.

  13. Helder Leitão D´Alva

    25 de Maio de 2010 as 19:56

    MEUS SENHORES PARA QUE A EMAE SEJA UMA EMPRESA REENTAVEL TEM QUE SER PRIVATISADA,OU ALGUNS SECTORES TM QUE SER PRIVATISADO. POR OUTRO LADO MUITOS TECNICOS DA EMAE PRECISAM DA FORMAÇÃO EM VARIAS AREAS PARA DAR RESPOSTA AOS PROBLEMAS.

  14. ET

    26 de Maio de 2010 as 10:29

    Alguém se lembra de ter visto esta notícia e as suas reações passarem no reporter??Eu nao percebo como é que ha noticias sobre stp no Téla -Non e no reporter passam por dia uma ou duas e as vezes nada. Quando o reporter abre com noticia de STP é sempre algo de mau!! É importante filtrar as noticias sobre o país!!

  15. fernando

    26 de Maio de 2010 as 10:51

    Aos governantes deste país, creio que este povo não merece só ter “bombeiros para apagar fogos”. Creio que dever-se-á nalgum momento estruturar este país, e assim sugiro que os srs. do Banco Mundial ajudem a formular um documento de Politica electrica para todo país, um plano estratégico para implementar a politica e invistam no seguimento e avaliação da implementação desta politica. Assim, sairemos todos a ganhar.

  16. Helmer Neves

    26 de Maio de 2010 as 12:09

    Pois é, a velha história da energia eléctrica! Pois é, já foi tudo dito, mas acho importante ressaltar que essa história de geradores na banda é um tremendo atraso! E também é preciso punir quem roubar, simplesmente isso. Se isso acontecesse, mesmo com geradores STP nunca teria problemas energéticos, uma vergonha!

  17. Patriota

    26 de Maio de 2010 as 15:08

    Há aqui uma falta de capacidade para definir prioridades. Diz-se que uma parte consideravel da produção de energia perde-se devido as mas condições da rede electrica, então porquê não priorizar a reabilitação total da rede? Produzir mais para perder mais pela rede fora? Sera necessario produzir muito mais energia depois de se deminuir as percas e os desvios de energia?
    Devemos começar a pensar no meio ambiente, quanto mais produzirmos energia a base de grupos geradores, mais contaminamos o ambiente. Existem consumos de energia desnecessarios, sobretudo nos sectores públicos, onde lampadas e aprelhos de Ar condicionado permanecem ligados durante dias até semanas. Tem que se criar a cultura de não desperdiçar, sobretudo nos responsaveis dos sectores públicos, não se trata de pagar, o ambiente não tem preço.
    Quanto a forma de produção de energia, acho que existem muitos estudos a volta desta materia, cabe os dirigentes envolverem os quadros especializados nos processos de decisão.

  18. O.Costa

    27 de Maio de 2010 as 17:12

    Não é assim que se vai resolver o problema energético em STP, aliás isto foi o que sempre fizeram e já se sabe que não dá resultado. Só por falta de capacidade dos nossos governantes é que ainda temos este problema e todos os outros. O diagnóstico é conhecido de todos, agora é preciso criar um plano para resolver esta situação. Penso que a solução passa pela energia hidroeléctrica ou solar tendo em conta as nossas caracteristicas. Mas o problema que se põe são dos custos de implementação. Todavia pode ser resolvido com apresentação de um bom projecto as instâncias internacionais.

  19. Malé Poçon

    30 de Maio de 2010 as 21:57

    Apesar dos pesares, continuo acreditando na boa fé e na sinceridade de alguns filhos e filhas do nosso S.Tomé e Príncipe, por isso permitam-me chamar-vos irmãos politicos de S.Tomé e Príncipe.
    Considero-me uma gota num oceano onde milhares de saotomenses que se encontram espalhados, desnorteados e tristes por falta de condições basicas que existem no nosso pais…Toda gente de boa fé e de sã consciência, sabe que, para S.tomé e Príncipe avançar rumo ao progresso, é preciso mudar a mentalidade de topo à base, por isso constitui um grande DESAFIO a todos os níveis. Entretanto, sabe-se e se espera um maior comprimisso individual e colectivo por parte daqueles que lideram, pois para isso foram eleitos pelo povo.
    S.Tomé é comparado a um grande camião com o motor parado na auto estrada rumo ao desenvolvimento do qual, na retaguarda está o precipicio (subdesenvolvimento).
    A chave certa para o arranque deste carro ninguém sabe ao certo onde se enconcontra. Alguns poucos politicos tentam empurrar para frente, outros para trás, e outros ainda nas laterais tentam empurrar, cada um para o seu lado, mesmo sabendo que não estão a empurrar na direção certa. Para onde irá o camião (STP)?
    Alguém disse a certa altura que, para ser um politico em S. Tomé é necessario ser… MENTIROSO; SEM VERGONHA E GATUNO. Eu pessoalmente não acredito nisso. Porque sei que apesar desta corrida desenfreada rumo ao precipicio , existem ainda pessoas sinceras.
    Por isso o meu conselho é… PARE E PENSE, porque não se pode enfrentar o desafio de S.T.P. sem um COMPROMISSO SINCERO; SEM CRIATIVIDADE; SEM CORAGEM OU SEM COMPETENCIA.
    Pergunte a si mesmo com sinceridade, sou eu COMPROMETIDO com o desenvolvimento do meu pais?
    Sou eu CRIATIVO, pensando em coisas palpáveis para melhorar a face de S.T.P? Por exemplo, deixar de pensar somente nos geradores que poluem e desgraçam a economia de STP e pensar em baragens hidroelectricas e ou outras fontes alternativas de energia; Como pode um país pensar em turismo sem pensar no saneamento do meio e num hospital capaz de prestar serviços mínimos desejável aos seus e aos turistas que evetualmente precisem? Que turistas quer ir a um pais sem estradas, sem água potável, onde a fumaça dos candeiros acampanham a sua tenua luz? Como me sinto miserável, quando vestido de fato e gravata, a pé ou de carro, me tropeço constantemente nos lixos e até mesmo em dijectos nas praças! Não sentem o mesmo, irmãos politicos e população em geral? Ou estamos perdendo a noção do ridiculo e da higiene que sempre pautou o povo santomense?
    Sou eu CORAJOSO ao ponto de recusar estar envolvido na corrupção, mesmo contrariando a todos, e ajudar a sociedade a pensar e a portar-se com dignidade?
    Sou eu COMPETENTE , capaz de cumprir com honestidade as funcões que me são confiadas e também fazer com que os outros cumpram a sua parte?
    Por último quero vos dizer um segrdo. A chave certa para o arranque de STP, é a CONFIANÇA NO PODER DE DEUS E A VONTADE DOS HOMENS para fazer o bem e melhor. Uma sociedade sem Deus não terá os valores supracitados…
    Mais uma vez vos digo, … PAREM E REFLITAM, já basta tanto sofrimento para o povo de S.T.P . Todo bem material vai ficar, estamos cá só uns escassos anos … porquê tanta loucura? Porque não pensar também nos outros?
    Se nao puder fazer tudo, faça tudo o que puder com COMPROMISSO, CRIATIVIDADE, CORAGEM, COMPETENCIA E CONFIANÇA NO PODER DE DEUS juntando-lhes a INTEGRIDADE, para levar S.T.P à um bom porto..
    Um bem haja a todos.

  20. Armindo Neto

    20 de Junho de 2010 as 10:34

    Bom, é pena que sendo um sector tão importante, tudo está sendo feito em secredo. Aliás como tudo em S.Tomé. Essa intervenção do BM, como irão ver no futuro ñ vai servir pra nada. Pergunto meus amigos:
    1. Diz-se que se investiu 10milhões de euros na EMAE. Onde estão? Será que o nosso estado tem essa capacidade de apenas em um ano investir tanto dinheiro?
    2.Meus senhores o problema de electricidade não é um problema da EMAE. Será que a EMAE é realmente uma empresa ou é uma extensão dos gabinetes dos ministros e dos primeiros ministros? Então quem é o responsável da real situação em que encontramos com electricidade?
    3. Não sei se esse jornalista teve acesso a relatório, pois bem, não sendo da sua especialidade, eventualmente escreveu aquilo que todos ouvimos e ñ a realidade.
    Acho que uma intervenção do BM é mesmo necessária, pois na década de 90 do século passado, quando houve várias intervenções de BM, PNUD, BAD e outras instituições, ñ existiam tanta bandalha no sector. Existia planos de acção e mesmo se os ministros quisessem muda-los ñ podiam. E vamos la ver, a electricidade estava melhor, e as dividas ñ eram essas. Hoje todos sabemos que o sector eléctrico é um sector para negócios e ñ um sector para resolver problemas nacionais. O problema é simples. Como é que queremos que se resolva os problemas como é o eléctrico, quando somos governados por pessoas que nada têm a ver com STP? São todos estrangeiros. É que a classe política já demonstrou que ñ vai resolver nada. Mas será que existe alternativa?
    Muito bem, pensem nisso.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo