Economia

São Tomé palco da décima quarta conferência e exposição sobre as indústrias extractivas

O pequeno país africano que há cerca de 7 anos, começou a interessar-se pela exploração do petróleo, é palco desde o último domingo da mais importante conferência africana sobre as indústrias extractivas. São Tomé e Príncipe ainda não produz petróleo, mas quer reunir conhecimentos para melhor se posicionar no mercado do ouro negro.

As autoridades do arquipélago consideram a realização da décima quarta conferência e exposição sobre petróleo, gás e minas que decorre no país até quinta – feira como uma oportunidade para elevar as competências nacionais, em termos das indústrias extractivas, e despertar as empresas nacionais para o aproveitamento das oportunidades que a exploração do petróleo pode oferecer ao país.

Luís dos Prazeres, Director Executivo da Agência Nacional de Petróleo, que apresentou o tema Local Content, considera a conferência como uma oportunidade para recolha de ensinamentos e troca de experiências, fundamentais para a futura indústria petrolífera nacional. «Estamos a debater fundamentalmente o local content, que é o investimento na indústria petrolífera, ou melhor o investimento nas economias locais. Se não houver local content o país perde muito. As grandes empresas vêm, fazem exploração e levam o dinheiro e vão se embora», referiu.

Só o local content pode evitar a fuga de capital. «Havendo o local content, os nacionais têm participação, tanto empresas como cidadãos. Há muita gente que pensa que a indústria do petróleo é só a exploração do petróleo no alto mar. Não. Há vários serviços que podem ser prestados as indústrias petrolíferas. Ao invés de esses serviços serem prestados por empresas estrangeiras, as empresas nacionais podem participar. Se eventualmente não tiverem capacidade, podem ir buscar parcerias, é isso que se chama Local Content. Essa conferência versa sobre este aspecto, que é a promoção dos locais, das empresas e dos cidadãos neste processo», realçou o Director Executivo da Agência Nacional de Petróleo.

A conferência internacional, acaba assim por ser também uma oportunidade de formação para as empresas são-tomenses, sobre o posicionamento que devem adoptar para aproveitar as oportunidades de negócios.

Ministros do petróleo da Guiné Conakry, do Gabão e o vice ministro do petróleo de Angola, marcam presença no evento que conta com a participação de ministros do petróleo de outros países africanos.

Questões ligadas as finanças no mundo do petróleo, parcerias, aspectos jurídicos, animam o debate na décima quarta conferência internacional sobre as indústrias extractivas.

Abel Veiga

    3 comentários

3 comentários

  1. BLAGA PENA

    23 de Novembro de 2010 as 14:45

    Penso eu deveriamos ter uma cartografia de todos os mineiras existente no pais, tudo muito bem georrefenciado para podermos saber o que temos e aonde esta.
    A Pedreira exta, que levantamentos topograficos temos de areas ja extraidas e nao extraidas. Tudo isso faz parte da gestao do territorio

  2. Osama bin Laden

    24 de Novembro de 2010 as 11:22

    Minha gente dá uma vista de olhos neste link tirado do jornal visão http://www.cstome.net/visaosabado/desporto18.htm
    Vê em que estado Manuel Dendê deixou a nossa Federação de Futebol.
    Apesar da notícia do Tela Nón não ter nada ver com isso, mais está em causa também a gestão danosa, julgo que todos devíamos ter conhecimento disto, 12 anos de Dendê na federação o resultado é este.
    Triste STP

  3. Just Me

    24 de Novembro de 2010 as 12:28

    muito bem. ha que se começar por algum lado. força!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo