CMA – CGM já encontrou investidor para ajudar a sanear as suas finanças

O armador francês, terceiro maior do mundo a transportar contentores, já consegui um investidor para recuperar as suas finanças abaladas pela crise financeira internacional. Trata-se da companhia turca Yildrim. Resta saber se a solução encontrada vai viabilizar a construção do porto em águas profundas em Fernão Dias.

A administração da CMA – CGM, empresa que através da sua filial Terminal Link, assumiu a responsabilidade de construir o porto em águas profundas em Fernão Dias, assinou acordo com a companhia turca Yildrim sob forma de subscrição de obrigação reembolsável por um período de 5 anos.

A Yildrim passou a controlar 20% do capital social da CMA-CGM que até então era propriedade exclusiva de Jacques Saadé. A imprensa francesa, explica que em consequência do acordo o grupo turco vai injectar 500 milhões de dólares nos cofres da empresa francesa.

Jacques Saadé, fundador e presidente da CMA – CGM, continua na presidência da terceira maior transportadora mundial de contentores, que apesar de ter conseguido este ano um crescimento do volume de negócios na ordem de 38%, equivalente a mais de 10 mil milhões de dólares, conheceu perdas financeiras que atingem 852 milhões de dólares, relata a imprensa francesa. «A parceria com a  Yildrim permite-nos reforçar a estrutura financeira da CMA – CGM. A chegada deste novo investidor da ao nosso grupo meios suplementares para acompanhar e acelerar seu desenvolvimento e representa uma etapa importante na nossa história», Jacques Saadé, o patrão da CAMA – CGM.

No entanto prosseguem as negociações entre o armador francês e o governo de Nicolas Sarkozy, através do fundo social de investimento, com vista a aplicação de mais 150 milhões de dólares nas finanças da empresa.  Segundo a imprensa francesa, mesmo houver acordo entre o armador e a instituição estatal, a administração da CMA – CGM não deverá ceder ao estado mais do que 6% do seu capital social.

Enquanto a administração da empresa francesa que tem uma frota de 400 navios, faz as contas para sanear as suas finanças, São Tomé e Príncipe, continua com a mão na queixada a espera de um sinal, para acreditar que vai ser realidade a execução do projecto de construção do porto em águas em Fernão Dias.

Abel Veiga

  1. img
    SPC Responder

    Que o nosso Santo Tomé Poderoso e Santo António permitam que com esse financiamento o Porto em Águas Profundas seja uma realidade.
    Porém devo confessar que estes franceses cientes que a conjuntura mundial não era a mais favoravel não deveriam agir como fizeram ao mimorial de 3 de Fevereiro em Fernão Dias.
    Espero que o nosso Porto seja realmente estratégico e que dentre de anos ele seja uma mais valia para a economia destas ilhas.
    Deus abençoe S. Tomé e Príncipe

    • img
      António Veiga Costa Responder

      Ahhhhhhhh! A culpa agora é dos franceses?
      Avestruz tira a cabeça do buraco!!!

      • img
        jona Responder

        muito bem Toni

  2. img
    Alberto Nascimento Responder

    Anguns politicos ja conseguiram o que queriam com essa brincadeira, agora tamos assim…

  3. img
    Celsio Junqueira Responder

    Meus Caros,

    “São Tomé e Príncipe, continua com a mão na queixada a espera de um sinal, para acreditar que vai ser realidade a execução do projecto de construção do porto em águas em Fernão Dias.”

    Poderemos ter outra pose, além desta que o jornalista descreve e muito bem? Penso que não.

    Enquanto, esperamos por esse Porto milagreiro, podemos ir fazendo outras coisas.
    Falta-nos resolver problemas da Saúde, Educação, Energia, Transportes, Segurança Social, etc.

    Em bom português “todos os ovos não podem ir para o mesmo cesto”.

    Abraços,

  4. img
    princepe Responder

    um bom sinal para saotome e uma nova oportunidade para os santomenses.que deus esteje conosco na ordem do espirito santo.

  5. img
    HFM Production Lda Responder

    Como é óbvio é dito que os processos de negociações neste momento estão a decorrer, “Desde esta data até o momento que for dada a resposta de negociações será o tempo para o Nicolas Sarkozy informar-se melhor acerca do projecto em que vai investir o seu capital” depois que o Nicolas Sarkozy souber que este projecto já tinha sido viciado concerteza a resposta final será que já não está interessado em investir neste projecto por ser um projecto pertecente a um país do terceiro mundo e mais corúpto mesmo estando no ponto estratétigico…

Deixe um comentario

*