Economia

Pimenta e Baunilha prometem futuro risonho para os agricultores

São especiarias que desde a era colonial São Tomé e Príncipe, provou ser produtor de alta qualidade. Actualmente os produtores criaram uma cooperativa para exportação de pimenta e baunilha para o mercado francês. Na última semana foi instalada uma unidade de processamento de produção em Potó.

O programa de apoio participativo a agricultura familiar e pesca artesanal (PAPAFPA), financiado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola, está a trabalhar directamente com os produtores de pimenta e baunilha, na promoção da produção de alta qualidade.

Na localidade de Potó, freguesia da Madalena, o programa inaugurou uma unidade de processamento de baunilha e pimenta, e na comunidade de Rio Lima, da freguesia da Trindade, foi uma sede para a Associação dos produtores de Pimenta e Baunilha. Empreendimentos que segundo Carminda Viegas, directora do projecto custaram 1 bilião e 100 milhões de dobras(1 euro equivale a 24.500 dobras).

Agora com máquinas para separar os grãos das palhas da pimenta, e para pisar e ensacar o produto, os agricultores têm a oportunidade de acelerar o processo de produção, e oferecer produto de qualidade ao comprador baseado em França.

Na ocasião o engenheiro agrónomo Francisco Ramos, responsável pela fileira pimenta e especiarias do projecto PAPAFPA, destacou o impacto que a cultura pode ter na luta contra a pobreza. «1 Hectare de pimenta com duas mil e quinhentas plantas, que produzem 1 quilo de pimenta seca por planta, multiplicando por 156 mil dobras o quilo, o agricultor terá 290 milhões de dobras de rendimento. Dividindo este valor por 12 meses daria uma mensalidade superior a 30 milhões de dobras. Muito longe daquilo que o estado são-tomense pode oferecer a um alto funcionário público. Se admitirmos uma baixa para 50% teremos uma mensalidade de 15 milhões de dobras. Isto demonstra que a pimenta é uma cultura rentável e que merece aposta», afirmou, o engenheiro agrónomo.

Para este ano a cooperativa de exportação de pimenta e baunilha, prevê exportar 7 toneladas. Mas a companhia francesa Homiter que compra toda a produção, quer mais. Para dentro de 6 anos, a empresa francesa, pretende que a produção atinja 100 toneladas ano.

Outros produtos como gengibre, açafrão, malagueta Tuá Tuá, etc, estão na lista da exportação tendo em conta o aumento da procura no mercado internacional.

Os agricultores sentem que a produção de especiarias vai liberta-los da Pobreza.

Depois do êxito da produção do cacau biológico, também exportado para o mercado francês, surgem fileiras de produção de pimenta e baunilha de alta qualidade que determinam o preço final no mercado europeu. Esperança renasce para muitos agricultores, de um país onde muita gente alegadamente doutorada, continua a dizer que a agricultura já deu o que tinha para dar. A terra fértil das ilhas e as culturas ancestrais que deram boa fama ao nome de São Tomé e Príncipe no mundo, desde séculos passados, continuam a desmentir os alegados doutores.

Abel Veiga

    17 comentários

17 comentários

  1. JorgeK

    21 de Fevereiro de 2011 as 9:36

    Gostei do ultimo paragrafo desta notícia. A agricultura é mae e pai de STP…enquanto nao chegue o petroleo ou pelo menos, o dinheiro dele ao povo.

  2. Celsio Junqueira

    21 de Fevereiro de 2011 as 9:58

    Meus Caros,

    Ainda bem que em STP existem pessoas que apostam na produção e na exportação. Pena é não ser em numero suficiente para fazer descolar a economia.

    A nossa agricultura tem futuro e que futuro, temos é de apostar na qualidade (um nicho de mercado que pague bem), e ir de encontro as expectativas do cliente, cumprindo com os padrões e as normas de qualidade internacional.

    Agora, aos “Doutores” santa paciência, é preciso “tributar” as suas ideias para serem mais responsaveis nas suas afirmações. Bem aqui disse, se a moda/mania dos “doutores” chegar ao empresariado/empreendedor é o fim.

    Viva, força e coragem aos Santomenses que remando contra a maré/contrariedades e as dificuldades do país e da insularidade teimam em trabalhar/produzir/exportar.

    Um Grande Louvor aos persistentes, temos orgulho em vós!

  3. António Martins Gomes

    21 de Fevereiro de 2011 as 10:51

    Potó e uma localidade pertencente a Freguesia da Madalena, onde vivi a minha infância e uma grande parte da minha juventude. Na verdade, conheci o cultivo da baunília e pimenta nas localidades de Queluz e Santa Margarida…mas, também fui um agricultor em Monte Macaco, que perguntem ao Dr. Gaudêncio (Gaú) e Sr.Leopoldo…é uma excelente aposta para o País, que me viu nascer. Força agricultores santo-menses!

  4. madalena

    21 de Fevereiro de 2011 as 11:21

    Os meus comentarios são modestos, sempre devemos colocar um pé atrás.
    A segurança alimentar. nosso país é muito pequeno, por isso deve dar prioridade a alimentação das familias pobres. As especiarias devem ser uma alternativa, mas nunca uma solução para o combate a pobreza, pode ser sim a diversificação da actividade agricola. Onde param os estudos de variedade do arroz feitos em Roça dona Augusta? O oleo de palma de Ribeira peixe, quando se sabe que o preço dos alimentos vai aumentar dentro de dias, o governo aceita o derrube das palmeiras todas, porque vão renovar o palmar.
    Imaginem só se estas nova plantas não se adaptarem. 1º deviam fazer por faixas ver o resultado, e so depois avançar, pouco a pouco. A altura das palmeiras não pode ser justificação. Querem de facto introduzir fome no país.

  5. madalena

    21 de Fevereiro de 2011 as 14:13

    óh Martins, Gaú, nem vai a Zona mais. Dificil encontrá-lo na zona.
    Fica ai as suas memorias, E ja agora quando é que voltas ao País, para reveres aqueles que não gostavam de ver jovens a estudarem?.
    Sabem o que é cortar transporte anoite para monte Macaco!
    Mas nem por isso criolo deixou de estudar, hoje se calhar tem o mestrado!!!

  6. kwa pia

    21 de Fevereiro de 2011 as 18:26

    força aos agricultores s.tome tem tudo que pode salvar o seu povo da pobreza ,so que falta e iniciatevas projectos organizaçao gráças a dues a minha terra e pequena mas tem riquezas que nos nao sabemos explorar desde agricultura ,turismo e o bom de s.tome. como so sabem e lutar pelo petroleo e esquecem que ha outra riqueza que e agricultura com um pais que chove o terreno fertl .viva minha terra s.tome espero que haja uma boa fonte de ingreço para os agricultores santomense.qualquer erro peço desculpas ,força pessoal……

  7. N.C

    21 de Fevereiro de 2011 as 19:38

    E na terra,na agricultura que o governo deve investir seriamente.Com o clima que temos e com a terra fertil,e so haver vontade de trabalhar.A agricultura e solucao e petroleo,turismo alternativas

  8. António Martins Gomes

    22 de Fevereiro de 2011 as 9:43

    Pois é, madalena,embora não seja o canal apropriado, gostaria de lhe informar, que um dia desses visitarei São Tomé, mais propriamente Monte Macaco, Potó, Santa Margarida e Boaentrada para rever quanto conviver com os amigos de infância. Ainda se lembra da camioneta que nos levava à escola na cidade de São Tomé(e o Sr Dória Director de Santa Margarida!!!). Por isso, muito grato ao meu compadre Alberto e dirigentes de Agostinho Neto, que nos garantiram o transporte no último semestre, caso contrário, perderia o ano!!! Diga ao Gaú, que afinal, Potó é o seu berço (…).

    E-mail: martiis_103@hotmail.com

  9. Carlos Ceita

    22 de Fevereiro de 2011 as 15:32

    De todas as noticias más que recebo da minha querida terra. Esta é sem dúvida e seguramente uma boa notícia. Se conseguíssemos diversificar a nossa agricultura e pesca para exportação e produção agro-industrial de certeza que conseguíamos equilibrar a nossa balança de pagamentos.
    Todos sabemos que temos um dos melhores cacau e café. Será que o empresário Rui Nabeiro (Delta café) já provou o sabor do nosso café?
    Apostar na agricultura e pesca é apostar na criação de riqueza. Meus amigos não tenhamos ilusões só criando riqueza esse país pode ultrapassar as dificuldades económicas. O resto é conversa.
    Curvo-me perante esses agricultores saotomense que tem contribuído para este sucesso. Faço votos que mais jovens adiram ao projecto. Força rapazes
    Abraços

  10. madalena

    23 de Fevereiro de 2011 as 13:10

    Ola Martins, tudo bem entendido. Apenas era uma picardia ao Gaú, vai sim a zona, sobretudo agora que não estão no governo, quer ele, quer o Dique, facilmente se encontra, agora, na Vila.
    Pergunta Juju de Prado, de Vila.
    Quá Li!!!!

  11. madalena

    23 de Fevereiro de 2011 as 13:37

    O Nosso país não sabe quantos turistas se espera neste ano de 2011?
    Qual é a origem?
    Não se admite, nosso irmão Cabo Verde, Independente em 5 de 07 de 1975, nós em 12 de 07 de 1975, diferença de apenas 7 dias, já pôde construir de Raiz mais 3 Aeroportos Internacionais, sem contar com o de Sal.
    Turismo e Agricultura devem merecer atenção.
    O turista deixa dinheiro e o país investe em educação, infraestrutura, etc

    • Celsio Junqueira

      24 de Fevereiro de 2011 as 7:17

      Carissima Madalena,

      Ainda estamos (o país) a tentar consolidar o básico (saúde,educação, alimentação, etc) enquanto Cabo Verde já vai no Desenvolvimento médio.

      Infelizmente alguns Santomenses discutem e lutam pelo seu poder politico e financeiro, esqueceram-se que dentro da Aldeia Global, estar parado é como estar em marcha ré, porque os nossos adversarios estão a andar/caminhar.

      Preocupa-nos Cabo Verde por ser lusofono e a proximidade afectiva dos Santomenses de origem Cabo Verdiana. Mas os outros países também continuam a evoluir e a desenvolver: Ilhas Mauricias, Seychelles, etc.

      Temos que inverter esse modus operandi, parar com as lutas internas, o nosso adversario no bom sentido são os outros países.

      Saudações

  12. António Martins Gomes

    23 de Fevereiro de 2011 as 14:37

    Agora mais animado, madalena! O Kadafi cai ou não?

    Cumprimentos à todos!

  13. madalena

    24 de Fevereiro de 2011 as 11:27

    OLha que não é só Kadafi!!
    Todos quantos têm aproveitado dos recursos deste ditador estão em maus lençóis.
    O interresse Libio no paìs está comprometido.
    Espero que haja sapiencia na cabeça destes Lideres Africanos.
    Deus é Grande e o Povo é Soberano.
    Viva a Democracia
    Viva a Liberdade

  14. madalena

    24 de Fevereiro de 2011 as 11:28

    queria escrever interesse, r a mais!!
    Bolo
    Bolo

  15. Horácio lucas

    31 de Março de 2011 as 15:20

    esta nuticia fas todu sentido e é mesmo assim porque a agricultura e mãe de são tomé e princípe…

  16. Russilan Ramos

    7 de Abril de 2011 as 13:24

    entao gente, isso e que se chama d trabalho, em vez dos politicos corruptos estarem sentados, e ganhando dinheiro sem trabalho, isto e que e trabalhar;
    e pena que so sao uma menoria de pessoas que querem trabalhar, essas pessoas que apostaram tudo na cultura de pimenta e baunilha, daqui a pouco estarao a rir de dinheiro, so espero que eles saibam gastar bem este dinheiro para que a crise nao lhes bata a porta, ate que enfim uma noticia boa no meio dessas noticias ma

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo