Gabão lança maior zona económica especial da África Central

Não é nada mais, nada menos do que a maior Zona Franca da região da África Central. Há mais 10 anos que São Tomé e Príncipe, ensaia a criação de uma zona franca no seu território para servir a região da África Central. Ficou pelos ensaios, e agora é ultrapassado pelo vizinho Gabão.

Segundo a imprensa internacional a Zona Franca do Gabão inaugurada na última sexta – feira pelo Presidente Aly Bongo, é a maior da África Ocidental e da África Central. A República do Gabão que em Agosto de 2010 assinou acordo com uma multinacional da Singapura designada Olam International Limited,líder mundial de distribuição e aprovisionamento de produtos agrícolas, que permitiu a concessão de 1126 hectares de terra do Gabão, para criação da maior zona off shore da região africana.

Indústrias de transformação da madeira, vão dominar grande parte da zona franca. O investimento inicial para construção da maior zona franca de África Central e Ocidental, está avaliado em 200 milhões de dólares. Estima-se que a zona franca de Nikok deverá provocar investimentos directos estrangeiros na ordem de 1,1 mil milhões de dólares por ano, o equivalente a quase metade do orçamento geral do Estado gabonês.

Segundo a imprensa internacional, o empreendimento inaugurado na última sexta – feira, faz parte da política estratégica definida pelo Presidente Ali Bongo, de transformar o Gabão num país emergente, através da industrialização da sua economia.

Abel Veiga

  1. img
    Fijalatao Responder

    Bem haja ao Gabão e ao presidente AlY Bongo.

    Enquanto os nossos governantes “santomenses”só papagueam em todas as áreas geradoras de riquezas para o país e melhoria da condição de vida dos santomenses, os nossos vizinhos mais próximos e mais distantes vão evoluindo e nós ficamos atracados ao porto, vendo navios!

    Em todas as áreas, tais como: O Turismo, a comunicação e energia que ainda está em fases de cobaia, a ver se dá ou não dá!

    A dúvida é a pior arma deste povo e dos seus governantes. Se assim continuarmos, nunca chegaremos ao bom porto.

    Alguns exemplos:
    Onde está o porto das águas profundas, onde está a tal doca pesca,onde paira o projecto do entreposto internacional,onde está o petróleo que já dura 41 anos, enfim um sem fim de ideias que só ficam nos papéis para entreter o povo.

    Falam tanto, até que o Gabão roubou-lhes o projecto!

    Os governantes santomenses são crianças grandes que vivem de emoção sem a coragem de agarrar o touro pelos cornos”passo a expressão”!

    • img
      leguela Responder

      Está a esquecer-se do buker, uma aposta dos angolanos que muitos pensam amigos de S. Tome e Principe, para prestar serviços na área de abastecimento de navios com produtos petroliferos,o tão falado projecto agroturistico do Principe, montagem de computadores portáteis dos portugueses, escola de medicina dos venezuelanos,hotel cinco estrelas dos libios…

  2. img
    Paz Responder

    Gabão não roubou o projecto a ninguem , somente foi capaz de avançar seriamente para o caminho do crescimento e da industrialização.Gabão faz parte de un dos paises com melhor IDH em Africa , o melhor na Africa central.Com as politicas lançadas pelo novo presidente un Gabon industriel , un Gabon des services , un Gabon vert so posso esperar que pelo menos eles tem objectivos e agora so se espera que os possam atingir . Coitado de São Tomé e Príncipe que ainda não se decidiu que rumo de desenvolvimento e crescimento , tudo por causa de uma classe politica incompetente

  3. img
    zemé cá bóca fla quá lumado Responder

    concordo com a vossa opinião o problema dos nossos dirigentes é que o projecto só fica na carteira e nuca sai de lá

  4. img
    Anca Responder

    O conceito da zona.

    A Zona Franca

    “Zona franca é uma região específica criada e delimitada dentro de um país, que pode ser perto de um porto ou em suas adjacências, onde entram mercadorias nacionais ou estrangeiras sem se sujeitar às tarifas alfandegárias normais.”

    “O objetivo consiste em estimular as trocas comerciais, em certos casos para acelerar o desenvolvimento regional.”

    “São lugares onde o governo estimula a criação de empresas e indústrias com os reduzidos impostos e ajudando com o capital financeiro.”

    In Enciclopédia Livre

    • img
      Anca Responder

      O importante é que projectos dessa natureza, traga o crescimento e desenvolvimento sustentado a nível, local, regional e nacional.

      Se assim não acontecer podemos estar, não propriamente na presença de uma zona franca.

      Se se as empresas que adirem a zona franca, o fazem somente por causa dos baixos impostos, apoios dos governos(benefícios), então não estaremos na presença de uma zona franca, mas sim na presença de um paraíso fiscal, em que as empresas que adiram, vêem um modo fácil de ganhar benefícios, fugindo ao fisco nos seus países de origem, e aumentar o seu poder económico através da internacionalização, que sendo assim não traz cumulativamente, desenvolvimento sustentável, local, regional,nem nacional, para o país acolhedor a longo tempo, se não houver contrapartidas e ganhos mútuos.

  5. img
    Biboss Responder

    É mais uma lição para os dirigentes do nosso País,”O CAMARÃO QUE DORME, A ONDA LEVA”(a onda virou para o Gabão porque dormimos e continuamos ainda a dormir)”.

    Os nossos dirigentes dede ada época pós-Independencia,apreenderam apenas 2 coisa: roubar e falar dos outros. Tenho dito.

  6. img
    frantz cassandra will Responder

    hoje é Gabão qui sa amanhã será STP isto porque o nosso PM tem uma visão ao futuro do país igualmente a do PR Gabonesa

    • img
      leguela Responder

      Pense comigo. Porquê que se paga tanto dinheiro aos funcionários dos chamados zona franca em S. Tomé mas que na prática nunca conseguiram montar uma única zona franca. Mas Porquê que se tem que pagar incopetencias? Só em S.T.P.

  7. img
    kua li tassondu Responder

    Infelismente nos santomenses ja estamos abtuados ficar centados a ver navios!nos nunca acreditamos em nos mesmo,somos um povo duvidosos incapaz de acreditar k podemos, nos somos capaz,estamos sempre a usar a palavra (sera) se as coisas continuarem assim nos nunca vamos poder dirigiro comboio, vomos sempre andar na carroaguem e de preferencia de boleia de graca(afabal)espero k um dia DEUS mudi a mentalidade do povo da minha terra para k nos consigamos dizer pra os quatro cantos do mundo k nos somos e podemos.

  8. img
    pantufas Responder

    Foi por sermos….que perdemos o financiamento gratuito da estrada até Porto Alegre.Hoje estamos a pagar 26milhoes de euros.
    Foi por sermos…que perdemos o Porto de Aguas Profundas para os Camaroes(Porto de Kribe)
    Foi por sermos assim….que temos um gabinete de zona Franca á dez anos ou mais(perguntem ao Bano)

  9. img
    Milagrosa Responder

    Eles nos oferecem dinheiro, para a gente não pensar no nosso proprio desenvolvimento.
    Foi assim e sempre será. Antes até genero alimenticio, motos e fardamentos vinha para orgãos de soberania.
    Então os terrenos expropriados devem ser devolvidos aos trabalhadores de Fernão Dias para aumentarem a produção e a produtividade agricola, porque assim as familias não passam fome. O resto é musica.
    Este é o país que temos.
    Nepias!!

  10. img
    António Nunes Responder

    Então S.Tomé ePríncipe ainda não tem a Zona Franca?? Vocês estão enganados.
    Pergunta ao senhor Bano,”Alzemiro dos Prazeres” presidente da dita Zona Franca de STP, ser ele não tem a sua zona franca já criada lá para os lados de Santo Amaro.
    Pergunta-lhe onde sairam aqueles milhões que ele mesmo exibiu na comunicação social a dizer que tem muito dinheiro e que se for necessário ele construirá piscinas em todas as suas casas.
    Pergunta ao Bano se não existe a zona franca, o que é que ele está a fazer como Presidente da Zona Franca de STP, já à mais de 10 anos, ganhando salário de mais de cem milhões de dobras por mês.
    O senhor Bano sim e confirmo já tem a sua Zona Franca. O povo santomense é que ainda não o tem
    Abraços

Deixe um comentario

*