Economia

Buraco de 3 milhões e 131 mil euros nos cofres do Estado

O montante em causa poderia financiar a construção de um novo hospital de referência, incluindo os apetrechos. Poderia também resolver definitivamente o problema de pagamento da bolsa de estudo dos Estudantes no estrangeiro. Este montante dado como perdido, por uma fonte do sector das Finanças, representa cerca de 4% do Orçamento Geral do Estado previsto para 2012.

Dados recolhidos pelo Téla Nón junto ao sector das finanças, indicam que os cofres do Estado reclamam por 76.700.000.000.00DBS(setenta e seis mil milhões e 700 milhões de dobras) o equivalente a 3 milhões e 131 mil euros, que o Governo não cobrou à algumas empresas privadas.   

O sector das Finanças que desde a tomada de posse do actual Governo, foi orientado no sentido de combater a evasão fiscal, e com algum sucesso, tendo em conta que conseguiu obrigar grande parte de pessoas singulares e colectivas, a regularizarem a sua situação fiscal, não está a entender o facto de os maiores devedores do Estado, pelo menos 3 deles, não serem também obrigados a pagar as suas dívidas. Segundo dados recolhidos junto a uma fonte do sector das finanças, a dívida das 3 individualidades, representa 4% do orçamento geral do Estado previsto para 2012.

Apesar do sector competente das Finanças ter avançado com processos de execução fiscal, desde 2010, as três personalidades não depositaram o dinheiro que pertence ao povo de São Tomé e Príncipe.

Nas finanças o Téla Nón apurou, que o sentimento de injustiça está a tomar conta dos profissionais do sector, porque têm sido implacáveis com a maior parte dos contribuintes no sentido de legalizar a sua situação fiscal. O Téla Nón sabe que no ano passado o sector das finanças conseguiu fazer cobrança inédita na história do país em termos de impostos dados como perdidos. A cobrança atingiu 18 mil milhões de dobras.

Muita gente que há muito tempo não cumpria com as suas obrigações fiscais, teve que fazê-lo em 2010. No entanto, os profissionais do sector das finanças, consideram que as tais 3 personalidades que são os maiores devedores, parecem estar imunes ao processo de execução fiscal.

O sector competente insiste na necessidade de os mesmos, pagarem as dívidas com o Estado, mas surgem inércias. Coisa estranha, ainda mais quando a dívida fiscal de tais personalidades para com o Estado, atinge valores astronómicos.  

Com mais de 3 milhões de euros dados como perdidos, uma vez que o sector das Finanças em representação do Estado, parece não ter força e autoridade para os recolher nas mãos dos devedores influentes na política e na sociedade, o país anda de mãos estendidas, a pedir ajuda financeira no estrangeiro.

O Primeiro-ministro, Patrice Trovoada tem batido portas por mundo fora, a procura de financiamentos para o OGE de 2012. Face a onda de greves que o país está a conhecer, o Governo avisa que não há dinheiro para dar satisfação as reivindicações dos trabalhadores. No entanto 3 milhões e 131 mil euros, legalmente pertencentes ao Estado, continuam em mãos alheias.

O que é que se passa? Quem são essas personalidades, que não pagam o que devem ao Estado?  Será que tais personalidades têm domínio sobre o executivo? Será que os cofres do Estado e consequentemente o povo são-tomense, estão a ser penalizados, por causa de compadrio, clientelismo, ou por causa de outros negócios?

O Téla Nón recorda as palavras proferidas pelo Primeiro-ministro, Patrice Trovoada no calor da Mudança em 2010. No dia 2 de Agosto, na sua primeira intervenção de vitória nas eleições legislativas, disse o seguinte à nação. «Conservar e cultivar amizades e cumplicidades na esfera política, mesmo quando os nossos amigos são corruptos, não se coaduna com os interesses públicos e político, se realmente pretendemos combater a corrupção e erguer um estado de direito democrático. Como se diz na linguagem popular, amigos, amigos negócios a parte», afirmou Patrice Trovoada, no dia 2 de Agosto de 2010.

Declarações de 2010 que colocam o Chefe do Governo à prova em Novembro de 2011. 3 Milhões e 131 mil euros, pertencentes ao povo são-tomense, estarão em mãos privadas aparentemente amigas do poder.  

Abel Veiga

    41 comentários

41 comentários

  1. Pedro Cravid

    23 de Novembro de 2011 as 10:43

    Isto não e novidades para ninguêm,nós os São-tomense já andamos habituados com estas coisas,mudamos os politicos e a situação e a mesma,já escrevi varias vezes ai neste espaço para dizer que nós os São-tomenses infelizmente temos os dirigente que merecemos porque si não, isto já daria muitas voltas mas enfim…vemos estudantes mendigando por um estado que não os ajuda a resolver os problemas,gente morrendo de tanto sofrer com doenças,fomes,miséria…enfim…mas mesmo assim continua mantendo numa calma como que tudo estaria bem.Basta o povo que saí a rua menifestem criem nos politicos a ideia que têm de resolver os problemas para que foram eleitos.

    • Nilson Guru

      23 de Novembro de 2011 as 18:42

      Eu vou fazer uma “queixa-crime” contra o Primeiro Ministro Patrice Trovoada!

  2. Fidelio Castro

    23 de Novembro de 2011 as 11:38

    Alguém tem dúvidas que este país é apenas de pândegos? Um dos devedores não é – Irm…. Mont….. ? Tou um curioso!!!!!! Quem te viu quem te vê? Fui
    Já agora diagnóstico feito por peritos: “Os problemas do nosso país são essencialmente agrícolas… excessos de nabos, falta de tomates e muitos rebentos abandonados.”

  3. OP Angola/ STP

    23 de Novembro de 2011 as 12:06

    Palavras que somente têm valor quando o publico alvo são os pequenos empreendedores que não são significativos para os interesses dos políticos, que não têm assento do lado direito e nem do esquerdo dos homens de colarinho branco, que não tem capital para aplicar nas eleições presidenciais e legislativas para obter contrapartidas e que não coadunam com a corrupção.

    Se for obrigatoriedade de todos pagarem os impostos porque existem pessoas jurídicas isentas? Quais são? Qual é o nível de envolvimento do atual executivo com estes terceiros? Será que com a democracia em STP ainda temos que ser coniventes com os abusos de poder? A sociedade terá que reagir, os pequenos empreendedores que garantem o pagamento de seus débitos deverão cobrar, a comunicação social terá o seu papel fundamental neste processo que é investigar e divulgar a informação além de fazer pressão indireta para procuradoria e o tribunal de contas caso contrário será mais um caso na história de STP sem solução e sem punição.

  4. Nando Vaz (Roça Agostinho Neto)

    23 de Novembro de 2011 as 12:06

    Falta de política monetária!..

  5. awa mato

    23 de Novembro de 2011 as 12:20

    Não sei porquê é tudo as escuras, porque não divulgam os nomes das entidades se é que é td transparente neste governo!??

    • Mimi

      23 de Novembro de 2011 as 13:16

      Divulgar? Para quê? Se talvez o assunto desse para fazer propaganda, com certeza ja teria sido tema de destaque/debate/entrevistas na TVS!…

  6. kua li tassondu

    23 de Novembro de 2011 as 12:24

    pelos visto o ditado popular nao esta a funcionar!( amigos ,amigos negocio aparte)realmente 3 milhoes de euros dava mesmo muito geito.kem paga inpostos somos nos (podres)enfim……..

  7. kua li tassondu

    23 de Novembro de 2011 as 12:27

    jeito

  8. Sonhador

    23 de Novembro de 2011 as 15:12

    onde está nossa jornalista par compor esse pograma entrevista esses capanga …

  9. ESMERALDA

    23 de Novembro de 2011 as 15:21

    MEU DEUS, ONDE JÁ SE VIU ?

  10. controlador do mundo

    23 de Novembro de 2011 as 15:41

    eu acho que quem robou esse dinheiro nao gosta do seu pais’ nem gosta dos santomense e é contra nacçao, mais porque um ser humano desvia tanto dinheiro para qué

  11. controlador do mundo

    23 de Novembro de 2011 as 15:46

    UN pais tao pequeno e com tanta necessidade sofre uma diminuiçao nos cofles como essa com os estudantes no estrangiero para alimentar faz uma coisa dessa é por isso estudantes que terminam estudos com uma boa utilidade para o pais nao vai ao pais devido medo de entrar na caverna agora compreedo

  12. Miguel Angelo Correia

    23 de Novembro de 2011 as 16:23

    A minha questão é a seguinte, será que o nosso representante tb n faz parte do grupo desses devedores , é por isso que a própria divida não está sendo cobrada????- e porque essa divida não foi negociado até então- pelo menos o governo teria que pelo menos conseguir uma parte dessa grana e por conseguinte conseguir o apoio o mais rápido possível.A que se adotar uma boa estratégia pra poderem cobrar pelo menos uma parte desse divida porque faz falta.

  13. Digno de Respeito

    23 de Novembro de 2011 as 16:53

    Apenas felicito Abel Veiga pela coragem em dar um passo em jornalismo investigativo. Bom começo é quando a notícia é completa “clara e nua” aos olhos do público. Acredite que juridicamente defendemos que a “lei é cega mas o povo não é surdo”. Por isso meu caro porquê o receio de avançar e questinando esses três indivíduos entre outras partes envolvidas a fim de perceber onde está a falha. Repare que estamos perante o bem comum – “coisa pública”.
    Lamento, mas parece não exisitir jornalistas sérios e competentes em STP. Espero que a liberdade de expressão, a imparcialidade e a responsabilidade venha ajudar contribuir para corrigir os males como estes (afilhados, intiados e filhos no debaixo do mesmo teto) – JURISPRUDENCIA em ACÇão.

  14. Anderson N. Ceita

    23 de Novembro de 2011 as 18:06

    O dito não dito do Primeiro Ministro,dizendo que amigos,amigos negócios a parte,é só fanfarão, porque esse truque já é velho para os santomenses.
    Fazendo um balanço exaustivo do actual Governo,existe muita falta de competência no seio do mesmo.
    Ora vejam, se existe personalidades endividados,cujo a divida é para com Estado,porquê que não são submetidos a Justiça para os devidos efeitos? No caso de recusa ou falta de recursos,existe outras alternativas na margem de Lei (CONFISCAR OS BENS).Ou será que existe outras Leis para os devedores influentes na Politica e na Sociedade? Se assim fôr,todo elenco que constitue o Governo são Corruptos!…
    É indiscutivél de terem mantido durante tanto tempo o papel tão importante que é o desenvolvimento do País.Ao longo desses anos,não se fez nada que pudesse agradar ou ajudar os 99,9% do povo mais necessitados.Já houve tempo suficiente para adquirir qualidades extraordinário na governação do nosso País.O Tribunal ou melhor Ministério Público deveria criar um sistema Juridico extremamente personalizado com uma burocrácia transparente como forma de pôr côbro as inauditas situações que se tem verificado no País e combater de uma vez para sempre a tal doência que tem contagiado os politicos (CORRUPÇÃO).
    Estruturou-se em S.Tomé e Principe uma Hierarquia Social rígida, cujo o topo só beneficia aqueles que têm vida facíl(POLITICOS).Inexoravelmente, embrenhado e esclerosado por um governo hierarquicamente que se dedica no sistema da Economia pessoal,acabando brutalmente com o sistema do desenvolvimento Sócio Económico do País.
    Este facto esta patente num récita que relata fim da reconstrução Nacional.De acordo com actual récita proporcionou,situações dificieis e desagradáveis,tais como: AMBIÇÃO DO PODER,CORRUPÇÃO, ROUBOS incontrolaveis,DEIXAR ANDAR,POBREZA,MISÉRIA e PROSTITUIÇÃO numa escala sem controlo.
    Povo de S.Tomé e Principe,acordam chegou a hora de dar volta a toda essa injustiça que foi implantada no nosso rico País.

  15. Homem

    23 de Novembro de 2011 as 18:28

    O Engenheiro Afonso Bandeira anda envolvido neste caso. Este Jovem anda sempre em viagens pelo mundo e esteve em São Tome. Fontes dizem que este jovem tem ligações directas com o Patrice.
    Este jovem é um perigo.

  16. gostoso

    23 de Novembro de 2011 as 19:07

    Assim não dá.Como acreditar mais na classe política? Será que os dirigentes não sabem dessas incongruências? Onde está a justiça social? Porquê uns pagam e outros não? É muito dinheiro para disperdiçar.Se isso for verdade é deveras preocupante. Se pessoas ligadas ao governo está envolvido nesse processo, ai o presidente deve pronunciar.Como diz o outro” SEJAMOS SÉRIOS”

  17. Luta Luta

    23 de Novembro de 2011 as 19:42

    Nunca existiu nem existe transparência sobre o que pertence ao povo de São Tomé e Príncipe. Não existirá liberdade de informação e prestação de contas. O cidadãos comuns Santomenses não têm direito de pedir ao Governo de STP que lhe mostre qualquer documentação, relatórios, cópia do Orçamento Geral de Estado, Despesas e Receitas públicas e privadas, dados estatísticos sobre as dívidas interna e externa, etc. Enfim!

    Temos que combater contra essa anarquia no país e lutar até ao fim para por cobro a transparência e clarificação completa sobre a gestão de São Tomé e Príncipe!

  18. Luta Luta

    23 de Novembro de 2011 as 19:43

    retifica; lhes mostrem

  19. Melhores Dias virao

    23 de Novembro de 2011 as 20:12

    Situaçao muito complexa!Nao temos que imputar culpa ao Abel Viega!Já lançou o alarme,agora as entidades competentes tém que tomar o pulso!Fico muito triste com tudo isso no meu país!Haja justiça,Deus é justo! Que Deus abençoe Sao Tomé e PRINCIPE

  20. Engenheiro

    23 de Novembro de 2011 as 20:50

    No mínimo inadimissível. O estado deve um ano lectivo de Bolsas de estudo. Estou em Portugal a estudar com fome e a gente com massa para entregar ao cofre de setado e não entrega.

    PINTO DA COSTA FAZ-ME O FAVOR DE LEVANTAR O MÃO E PÔR APITO NA BOCA E MARCAR ESSE PENALTE DE UMA VEZ.

    EU VOTEI NO SENHOR MAS É PARA ESTAR ATENTO.

  21. Cunha

    23 de Novembro de 2011 as 21:08

    Esse país não tem rumo, como podem combater fraude e envasão fiscal, se não existe na direcão dos imposto uma equipa de auditoria/ inspencção para fiscalizar as contas das empresas! Como pode se combater a fraude e invasão fiscal se na direcção dos imposto andaram a recrutar uma carada de juristas, pessoas que não precebem de contabilidade, sem qualquer conhecimento de auditoria, pessoas quenão conseguem olhar para as domosntrações financeiras das empresas e tirar de lá inforções que, pode ajudar a combater a fraude e invasão fiscal! Vocês sabiam que a direcção dos imposto não tem nenhum cidadão licenciado em contabilidade, em auditoria, mesmo em fiscalidade, ha pessoas que confundem direito fiscal com a fiacalidade.
    Fiscalidade é muito mais do que meros conhecimento das leis fiscal…

    Andaram a recrutar quadros por meios de cunha, sem qualquer concurso publico… Filha de um dado senhor que a bem pouco tempo foi premiado pelo Patrice Trovoada com cargo na EMAE, ainda estava em Cuba, mais já tinha lugar reservado na direcção dos imposto!

    Faz tempo que se fala no recrutamento de tecnicos para inspecção dos imposto, até agora nada, vira não vira vai se ouvir falar de primo de fulano, filho de fulano, amigo da directora, os amigos do partido já estão nesses lugares, sem passar por concurso publico transparente e igual para todos com qualificação para efeito!
    Admite se a direcção dos impostos com pessoa formada em linguas e literatura? Só mesmo em STP…

    • Voz da razão

      24 de Novembro de 2011 as 10:50

      Meu amigo Cunha
      Não se trata de falta de luta contra fraude e evasão fiscal. São valores já apurados pela Direcção dos Impostos, sim (…).

  22. São-tomense

    23 de Novembro de 2011 as 22:50

    O Governo deve começar a publicar a LISTA NEGRA dos seus devedores…

    • Afinal

      24 de Novembro de 2011 as 14:40

      Amigo, basta falar “lista”! Com humildade.

  23. Joscon

    24 de Novembro de 2011 as 0:49

    A cratera no orçamento de estado de 2012

    Agradeço de forma cordial o relato que nos trouxe sobre a situação económica das finanças do país. A situação que acaba por nos relatar, é triste e deprimente. Esta situação não é um buraco, mas sim uma cratera. Como é possível que as três individualidades mantidas sob o anonimato, conseguem ludibriar, sonegar, fraudar, suprimir ou reduzir tributo contributivo de um orçamento de estado que se já encontra depauperado.

    Estas 3 criaturas bizarras estão a praticar aquilo que denominamos de inadimplência fiscal, isto é, há a intenção deliberada de fraudar apuração do imposto que é devido. Pergunto como é possível que estas criaturas bizarras conseguem defraudar as contas de Estado em 4% do PIB.

    Porque os deputados da nação não fiscalizaram esta situação? Onde é que está a autoridade de estado e, qual é o papel do Sr. Procurador-geral da república, Sr. Roberto Raposo?

    Há um conluio institucionalizado, há um arranjo, há uma conspiração ou maquinação, entre a coisa pública e alguns pseudo-amigos, de que São-tomé e Príncipe não existe autoridade, pois se existisse, creio que mesmo com imunidades, acabam por se sujeitar ao tribunal. O interesse do país está acima dos interesses pessoais e de grupos organizados. Essa gente sem mínimo de pudor e vergonha, mistura-se as amizades, os lugares, os tachos, os compadrios, enfim, a podridão dilacera e coloniza tudo o que está a volta.

    São-tomé e Príncipe está cada vez mais no fosso e no fundo, não se vislumbra um horizonte satisfatório ou alguma esperança. Espero que não há mal que sempre se ature, mas espero que haja alguém com pulso e autoridade para repor ordem neste país. Estou esperançoso que esses vagabundos mentais não nos façam de otários, porque um dia a verdade acabará por vir à tona.

  24. vava sovietico

    24 de Novembro de 2011 as 7:10

    obrigado tela-non

  25. rapaz de riboque

    24 de Novembro de 2011 as 10:05

    este dinheiro que falta não é novidade nenhuma admiro o espanto de alguns porque vivemos numa terra de curruptos de ladrões sem politicos ao nivel de ter uma boa governação todos que vão algum cargo querem é apoderar do dinheiro do povo e ninguém faz nada contra eles vivemos num pais onde não há justiça não entendimento onde reina maus habitos pergunto quando é que isso vai mudar vejo tantos jovens a estudar no estrangeiro pergunto para que se não são bem formados ca não temos professres de boa qualidade todos mal formados ignorantes juizes mal formados avogados curuptos nem trabalhadores para os nossos ricos terrenos temos temos bons pescadores porque a mãe natureza é que da o peixe porque se fosse para ser tratado pelos forros também estava em via de extinção só sabem comer beber dançar e mulheres e roubar por isso nunca mais saimos disto espero um dia que a nova geração tenha outra mentalização que mobilizem alguns filhos da nossa terra que estam no estrangeiro a regressarem e exercercer alguns cargos cá para isso mudar porque só com os que cá estão isso não vai a lado nenhum queremos pessoas com novos projectos aqui só teem na cabeça o mal vivemos numa sociedade atrazada que ainda vivem só de bruxedos em vez de construir destruem o pouco que temos espero que isso tudo muda um dia

  26. luisó

    24 de Novembro de 2011 as 10:16

    Se só são três, porque não publicam os nomes das empresas ou das pessoas?
    vir dar esta notícia e depois não dizer quais são, mais valia estarem calados…

  27. Carlos Pereira da Silva

    24 de Novembro de 2011 as 11:02

    Caros Amigos,

    Abel Veiga irá eliminar, como habitualmente faz quando discorda, este comentário.
    Não se pode citar serviços públicos para tentar dar cunha de verdade às nossas imaginações ou pretensões.
    Como em todos os países há dívidas fiscais, evsão fiscal e fraude fiscal. Mas reconheça a esta nova direcção de Impostos, incluindo as alfandegas o trabalho que têm feito e o nível elevado, inédito mesmo de cobrança e de recuperação das dívidas que não datam de Agosto de 2010. Esta cifra é falsa, pois o Abel que de tributação não entende, juntou a evasão (que não é crime)estimada, a fraude que se encontra numa fase contenciosa e as dívidas resultante da incapacidade das pesoas singulares e colectivas de pagar.
    É tudo e tenham um bom dia.

    CPS

  28. Fardo

    24 de Novembro de 2011 as 12:05

    Diz o jornal – O montante em causa poderia financiar a construção de um novo hospital de referência, incluindo os apetrechos. 131.000 euros.
    Isso é totalmente falso, pois interrogo qual a área de construção desse hospital? Que valências teria?
    Sabendo que preço médio de construção em STP ronda os 550 euros por m2, faça as contas e veja que hospital de referência é possível construir com esse montante. Andamos a brincar com informação…..

    • Téla Nón

      24 de Novembro de 2011 as 13:03

      com três milhões de dólares, projectados para o OGE de 2012, resultantes da verba especial de Taiwan, o Governo anunciou que vai construir e apetrechar um banco de urgências de referência. Para não falar de outros projectos do passado que nunca foram materializados por falta de verba, e que apontavam valores inferiores a 3 milhões de euros, para construção de um novo hospital. Talvez o Téla Nón esteja mesmo enganado. É um montante insignificante. Mas a realidade nacional desmente quem diz o contrário.

  29. HMT

    24 de Novembro de 2011 as 16:12

    Está claro meus senhores…
    O pais vale aquilo seus homens (os que governam) valem.
    Fuiiiii

  30. Digno de Respeito

    24 de Novembro de 2011 as 16:28

    Caro Abel, como sempre reconheci o seu trabalho e embora com as dificuldades que atravessa o sr editor faz tudo para trazer noticias & factos. Mas, acredite que nessa notícia, o Tela Nom perdeu um bom momento de fazer o trabalho de fundo ouvindo todas as parte envolvente até a publicação dos supostos infratores fiscais no País.

    É provável que Tela Non tenha o conhecimento personalizado dos 3 supostos senhores mas, seria mais relevante fazer um trabalho mais pormenorizado, investigar e verificar só depois fazer a sua publicação. Um bom jornalista é aquele que realmente dá notícias seguras e com dimensão que provoca impacto. Se tivesse um pouco mais de calma teria ganho melhor com essa notícia. Abel tem alguma dificuldade no terreno? É a falta de material ou de pessoal qualificado e responsável? Será que se sente comprometido com algo? (como quem diz, “rabo preso”)….rs (brincadeira)
    Mas, ainda vai ha tempo de fazer bom trabalho a volta deste assunto. Cá o aguardo com o seu trabalho de terreno e siga em frente. Nunca passes “mel nos lábios a espera que a língua o saborei” (falácia) Espero que haja eco.

  31. Gente boa

    24 de Novembro de 2011 as 16:50

    Se não desvendam realmente a lista das três individualidades valia apena estarem calados.Será que esta informação é verdadeira? Não será só para confundir o Zé povinho.Tenham muito cuidado gente, em São Tomé não se sabe quem é quem.Temos muitos especialistas na politíca, até usam boló (trunfú) etc. Abrem bem os olhos e não deichem serem enganados por coisas infundadas.

  32. fidelito

    24 de Novembro de 2011 as 17:33

    A lei permite a administração fiscal executar os bens desses devedores.

    O quê que a admnistração fiscal está a espera para penhorar os bens e vender em hasta publica?

    Se devem tanto dinheiro é porque têm muito rendimento.

    É preciso o governo dizer à administração fiscal para penhorar os bens?

    Não, a adminsitração fiscal deverá fazer a sua parte e daí veremos se haverá interferencia do poder politico ou não.

    E eu que pago os impostos todos os meses sobre o meu magro salário?

  33. Edson Francês

    25 de Novembro de 2011 as 6:44

    Como é possivel tal caso??
    Meus senhores, estamos perante um caso muito grave que deve ser investigado, debatido e combatido. Não se admite que o Governo cujo o papel principal é de zelar pelo bem estar dos cidadãos, garantido-lhes melhores condições de vida, àgua potàvel, saùde, alimentação…possa permitir que uma soma colossal de 3 milhões e 131 mil euros possa estar em mãos alheias! Afinal de contas, o que anda a fazer o poder executivo desse paìs? Aonde andam os ditos protectores da lei? Aonde anda a sociedade civil organizada (sindicato, oposição, comunicação social, etc)? Como é que os pequenos comerciantes são obrigados a pagar imposto e as outras macros entidades empresariais ficam isentas do mesmo? Como santomense, me sinto indignado face à vassalagem que os membros do governo têm prestado aos devedores da Repùblica em troca de apoio polìtico e material. Abaixo ao clientelismo! Abaixo ao patrimonialismo!

  34. Barão de Água Izé

    26 de Novembro de 2011 as 1:20

    Buraco nas contas Públicas e ninguém é responsabilizado? Mais um caso que o Governo não resolve e o Presidente da República não age para repor a legalidade e defesa dos interesses do Estado.

  35. rapaz de riboque

    27 de Novembro de 2011 as 19:31

    povo vamos abrir olho não deixar que nos roubem mais ja chega

  36. zé cabra

    7 de Dezembro de 2011 as 22:11

    então compadre zé mulato que dizes a isso?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo