Economia

Makhtar Diop é o novo Vice-Presidente do Banco Mundial para África

Makhtar Diop, cidadão senegalês com mais de 25 anos de experiência em desenvolvimento, é a partir de hoje o novo Vice-Presidente para África do Banco Mundial.

Diop é um antigo Diretor Nacional para o Brasil onde, a partir de 2009, geriu o maior programa de um país do Banco Mundial. Antes de entrar para o Banco, Diop ocupou, no Senegal, o cargo de Ministro das Finanças e foi Presidente do Conselho de Ministros das Finanças da União Monetária da África Ocidental (UEMAO).

Após a sua entrada no Banco Mundial em 2001, Makhtar Diop ocupou vários cargos superiores, incluindo o de Director Nacional para o Quénia, Eritreia e Somália, bem como as Direcções de Infraestruturas e de Estratégia e Operações na região da América Latina e Caraíbas do Banco.

“É uma honra voltar à região África como Vice-presidente, numa altura em que o continente está em ascensão, com um forte crescimento impulsionado pelo investimento privado e se vive um clima de otimism,”afirmou Diop. “Com um conhecimento em desenvolvimento de classe mundial e financiamento inovador, podemos ajudar a sustentar o ímpeto de África e assegurar que todos os africanos, sobretudo os pobres, vão compartilhar a transformação económica e social do continente.”

O Banco Mundial é parceiro de 48 países na África Subsariana e financia aproximadamente 500 projetos na região. O portefólio do Banco inclui projetos e programas em áreas tais como agricultura, comércio e transportes, energia, educação, saúde, água e saneamento.

No ano fiscal de 2011, o Banco Mundial comprometeu mais USD 7 000 milhões em novo financiamento ao desenvolvimento em África e desembolsou mais de USD 5 500 milhões, para além de ter efectuado um número superior a 200 estudos analíticos.

Nota de Imprensa do Banco Mundial

    4 comentários

4 comentários

  1. Ôssôbô

    14 de Maio de 2012 as 20:03

    Força, homem! Trabalha sério! Assim é que é!!

  2. Budo Muala

    15 de Maio de 2012 as 9:47

    Gostaria que ele fosse um irmao Santomense.

  3. Fijaltao

    15 de Maio de 2012 as 11:20

    Budo muala, em todos os países que ascenderam a independência nos anos 60 até hoje, os seus dirigentes eram e muitos ainda continuam pobres, tais como o nosso país! Nesta ordem de ideia, os seus líderes em vez de governar e comandar o que foi deixado pelos colonizadores, comandam primeiro pelo pilhanço e enriquecimento desleal durante uns 50 anos como tem acontecido no Senegal donde provém o sr. Diop. Sendo assim, para veres um Santomense na cúpula de qualquer organização internacional, são precisos mais 13 anos! Como vês, o nosso primeiro ministro é o exemplo actual! serve-se do país e não serve o país.

  4. OP Angola/ STP

    15 de Maio de 2012 as 13:21

    Saudações

    Parabéns.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo