Economia

Grupo privado equato – guiniense AFROM-GUIMEA vai instalar-se no mercado nacional

Fruto da parceria com a câmara do comércio de São Tomé e Príncipe, o grupo empresarial equato-guineense AFROM-GUIMEA,pretende instalar-se no país para explorar várias áreas de actividade económica.

« Temos a necessidade de instalarmos  com os irmãos de São Tomé  para preparar  o futuro empresarial  entre a Guiné-Equatorial e São Tomé », declarações de Gonzalo Esomo Presidente do grupo AFRO-GUIMEA.

Criação de uma empresa de construção civil é uma das prioridades do grupo privado da Guiné Equatorial. « As principais áreas que pretendemos  são carpintaria, teremos também alumínio , também queremos  tentar uma farmácia , o turismo etc…» avançou Gonzalo Esomo.

A delegação da Guiné Equatorial está a analisar com as autoridades nacionais as modalidades do investimento a ser feito no mercado nacional.

Sónia Lopes

    12 comentários

12 comentários

  1. osvaldo pereira

    28 de Janeiro de 2013 as 14:29

    muito vago esta reportagem,penso que isto não devia ser noticia sra jornalista,dizer que vão criar uma empresa de construção civil,falar em carpintaria e aluminios e tambem uma farmacia,até parece que estão a se instalar numa aldeia de 1000 habitantes,queremos saber o que vem esta empresa acrescentar ao nosso mercado de trabalho,quais os seus projetos,que experiencia eles tem no mercado EQUATOGUINENSE ou o que ja fizeram eles a nivel internacional para querer se instalar num paìs estrangeiro,quais as garantias que o grupo empresarial que esta a frente desta empresa tem,? São estas algumas das muitas perguntas que todos nós SANTOMENSES queremos ver respondidas,ja basta de empresas que anuciam com pompa e circustancia coisas que sabem que não tem condições de cumprir e passados meses nos deixam não mão com as obras todas por fazer,,,

  2. fica atento

    28 de Janeiro de 2013 as 14:31

    ABC service ja faz aluminio,agora investir em carpintaria, turismo enfim, coisas ridiculas…cuidado cuidado…

  3. Faca Faca

    28 de Janeiro de 2013 as 15:55

    Esta empresa pode até ter alguma contribuição para o País. Porém, pelo que sabemos é algo fomentado pelo Agostinho Rita, fuludor de dinheiro alheio. Ele e o António Quintas – outro que nunca cumpre com as suas obrigações, deve um monte ao estado, aos bancos, colegas, etc. – estiveram na Guiné Equatorial juntos e só confusão é que andaram a fazer. Não se entendiam, eu estive lá.
    Mafiosos esses dois. Só falta o Abílio Afonso Henriques para formarem “três macucus para carregarem úbaga”. Resta-nos esperar para saber qual úbaga eles pretendem carregar no futuro. Onde estão eles, é só máfia.
    Coitada dessa empresa que está a meter-se com esses bandos, abutres de dinheiro e vida fácil. Destroem banco (Banco Equador), organizações (Câmara do Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços), loja (Quintas e Quintas). Enfim, vamos esperar para ver.

  4. Mário Freitas

    28 de Janeiro de 2013 as 16:07

    blá, blá, blá….

  5. joceleide amaro

    28 de Janeiro de 2013 as 16:22

    Ve se instalam tambem a nova versao da “democracia” equato-guineense, ja agora. Pinto agradece.

  6. Surpresa

    28 de Janeiro de 2013 as 17:48

    Muito cuidado com essas empresas fantoches, que querem ter os nossos títulos, como temos empresas que operam em outros países muita com licença de STP, mais que não operam la, isto deve ser negocio obscuro de algum dos nossos dirigentes malucos, muito cuidado com esse pessoas… não queremos empresa de carpintaria porque os nossos carpinteiros podemos considera um dos melhores do mundo, eles querem ir la com esta pártica para da cabo da nossa floresta, muito cuidado ok.. ve bem isto…abraço

  7. Estamos tramados

    28 de Janeiro de 2013 as 21:37

    È verdade faca faca. Estes tres senhores sao muito oportunistas. Este Abilio Afonso Heneiques esntão é muito trapasseiro. mentiroso e aldrabão. Nunca vi homem como aquele. Nao compreendo como é que este homem tao trapasseiro pode ser consul de um Pais baixo. Temos que fazer tudo para fazer ver o governo de paises baixos que o nosso pais nao pode ter um desonesto com consul. Eu vou enviar uma carta em ingles ao governo do pais baixo a narrar esses factos. Nao pode ser.

  8. GABONNÉ 55%

    29 de Janeiro de 2013 as 0:01

    Isso estamos a espera investimento palpável esta a falta dos empresários Angolanos , não queremos promessa,promessa como os gajos do ADI so bala bala caos e terror .

  9. Sum béga

    29 de Janeiro de 2013 as 1:52

    Apenas querem lavar dinheiro esses palhaços! Não queremos mentores de ditadores em nosso país, ficam lá na vossa “democracia” equatoriana. Palhaços! Querem pegar nosso STP e transforma-la numa lavanderia de dinheiro sujo que esses palhaços fazem questão de roubar do seu próprio povo. Na guiné só tem dinheiro quem for aliado do ditador, Obiang, caso contrário, é pobre, está preso e/ou morto! Nada mais nada menos!

  10. Fitxím di Flôgô.

    29 de Janeiro de 2013 as 16:53

    E como a Câmara de Comércio está em Zig Zag?

  11. 100guero

    30 de Janeiro de 2013 as 6:15

    bem vamo ver que sera o rumo de esse financiamento,………….

  12. Carlos Gomes

    7 de Fevereiro de 2013 as 22:17

    Continuar ter esses investimentos em stome e principe é excelente., uma coisa certa, continuar ter racismo igual ao que existe dentri da HBD vida boa da parte principal do Novo diretor local/regional o Sr Tiago, é uma vergonha. é disto que queremos pra nossas ilhas. Vem pra nossos proprios paises com esse conceito…. Povo onde estamos.??????

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo