Análise

A bancarização da economia nacional VS Taxa de Juro “DE MORTE”

É mais um artigo de analise económica de Wadirluchtter Pires. ” Sendo STP um país onde a maioria (54%) da população encontra-se no linear da pobreza, e com pouca cultura de poupança; serviços bancários que encontra-se fora das zonas rurais, fazendo com que as populações/ valor monetário destas localidades circulem fora do sistema financeiro”.

Para ter acesso ao conteúdo do artigo CLIQUE –  Sistema de Bancarização (1)

    9 comentários

9 comentários

  1. emigrado

    9 de Julho de 2013 as 15:03

    Meu caro,
    Acho que valeu a intenção, mas o texto…resta muito a desejar.

    • mé pó feladu

      9 de Julho de 2013 as 15:54

      devias apresentar o seu texto para outro comentador dar opinião ou contraditorio no meu ponto de vista desde que intenção é boa então damos ok quando achamos que não vale apena temos que apresentar o nosso texto

      • emigrado

        10 de Julho de 2013 as 14:51

        Lamento, se não gostaste do meu comentário.
        Não sendo cozinheiro, sei quando uma comida esta mal feita, e tenho a liberdade constitucional para o dizer. Percebes?

        • mé pó feladu

          11 de Julho de 2013 as 7:38

          meu caro antes de comentar ou se ja comentaste o trabalho do outro e para que os leitores deste jornal fiquem esclarecidos mesmo não sendo cozinheiro em função do tema devias apresentar o seu é simples quanto isto, portando quando não se percebe de uma determinada questão a melhor condição é ficar neutro até a proxima oportunidade

  2. Info

    9 de Julho de 2013 as 16:09

    Muito bem continua com essas analises..é um bom contributo para STP

  3. Santos

    9 de Julho de 2013 as 16:25

    Meu caro, embora muito fraco em termos d’informação da teu papel não deixa de ser pertinente. Continua neste sentido, mais procura sendo mais pedogogo possivel das tuas reflexões (matérias).
    Não quero aqui te contrariar ou pôr em causa a teu trabalho. Se não é o teu dominio de formação ou estudo não escreve, deixa para aqueles que compreendem à materia.
    Um abraço!

  4. Barão de Água Izé

    9 de Julho de 2013 as 18:40

    A politica bancária financeira que vem sendo seguida em STP, nega a realidade do País. Que negócios, que empresários, que agricultores, que pescadores têm actividade lucrativa para pagar 25 a 30% ao ano? Onde estão esses negócios? STP não tem moeda metálica ou notas de pequeno valor, os preços são fixados em patamares de 5000.00 DBS em 5000.00, o que implica agravamento do custo de vida.
    O Banco Central não deveria impor aos Bancos um quota para o microcrédito, com taxas de juro baixas para incentivar o pequeno agricultor, pescador ou empresário? Tal como a politica de muitos politicos, o Banco Central e os Bancos da nossa praça, vivem em outro mundo e assim não haverá maneira para se estimular a Economia, para combater a pobreza.
    O Governo em vez de se preocupar só com leis e a Justiça, estilo de advogados longe da realidade, devia era falar sempre de Economia, sem ela nada existe que valha a pena.

  5. zeme Almeida

    10 de Julho de 2013 as 7:07

    O primeiro ministro Gabriel Costa como advogado que é transformou em policia politica e economia do País esta posta de lado.Nao se admite um País com tantos problemas por resolver,nos seus discursos,só se fala de justicas,esquecendo do mais importante que é{economia}.Com este tipo de politica nao vamos a lado nenhum.

  6. Kuá flogá

    10 de Julho de 2013 as 11:31

    Kuá flogá leu e gostou do artigo, defende intransigentemente esta posição porque país precisa de empresas para crescer, banco também precisa delas para sobreviver, com estes juros tão altos é aniquilar as empresas em vez de contribuir para defende-las expandi-las.
    A Banca deve reflectir que sem empresas não subsistirão, morrerão, devem utilizar melhor essas formulas matemáticas e fazer melhor esses cálculos contabilísticos para que haja equilíbrio e avanço mútuo. De recordar que um negócio só é bom quando as duas partes ganham.
    Com respeito e estima.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo