Economia

Círculo económico da francofonia em São Tomé e Príncipe se reúne esta noite para debater o dossier petróleo

A organização que agrupa empresários franceses e de outros países francófonos que operam em São Tomé e Príncipe, nos mais variados domínios, decidiu promover um debate em torno do dossier petróleo, sobretudo após a decisão da petrolífera francesa Total em abandonar a prospecção do bloco 1.

Presentes em praticamente todos os domínios de actividade económica são-tomense, com destaque para a agricultura, onde são promotores da produção biológica e de alta qualidade do cacau e café, os empresários franceses e de outros países francófonos que operam no mercado nacional, querem ter mais informações sobre o dossier petróleo.

A expectativa de exploração do ouro negro sobretudo na zona de exploração conjunta com a Nigéria, esmoreceu após a retirada da petrolífera francesa Total que na sequência de dois furos sobre o bloco 1, considerou não haver petróleo em quantidade comerciável.

Na zona económica exclusiva são-tomense, também não acontece grandes acções no sentido da exploração do petróleo. Pelo menos dois blocos foram adjudicados a empresas sem destaque no mercado petrolífero mundial. Uma nigeriana e outra de capital chinês e angolano (Sinoangola).

Através de um jantar – debate, que decorre esta quinta – feira a partir das 18 horas, no Hotel Pestana, o Círculo Económico Francófono em São Tomé e Príncipe, coloca o dossier petróleo como a principal ementa.

A Agência Nacional de Petróleo, estará representada pelo seu director executivo Fernando Maquengo, a Autoridade Conjunta São Tomé e Príncipe – Nigéria faz-se representar por Arzemiro dos Prazeres. Cada um deles apresentará o cenário da exploração petrolífera nas respetivas zonas, num jantar – debate em que outros oradores também farão uso da palavra.

O Téla Nón é um dos convidados do Círculo Económico Francófono de São Tomé e Príncipe, e promete trazer ao grande público, detalhes actualizados sobre o dossier petróleo.

Pode conferir mais informações – CLIQUE /le d-roul- dd 28nov

Abel Veiga

    9 comentários

9 comentários

  1. Leopaldo

    28 de Novembro de 2013 as 9:39

    Admira-me muito Arzemiros dos Prazeres, fazer parte desta equipa…Esse homem tem problema com Justiça, roubou dinheiro do estado com a reabilitação do Ministério dos Negocios Estrageiros …etc como que o País vai para frente se as pessoas que estão a frente de certos projectos importantes são corruptas … só em São Tomé que essas coisas acontecem

    • António Menezes

      28 de Novembro de 2013 as 17:30

      Meu amigo, não temos hipóteses. Francamente, depois de formarmos tanta gente nessa área vem esse senhor falar de petróleo. Francamente, meu pais. É assim que se vem falar de dialogo.
      Credo STP… que vergonha. Esse Bano formou -se em quê? Então depois de cerca de 40 anos, formamos gente e depois toma… mais uma vez francamente. Esses políticos estão mesmo interessados em desenvolver STP?

  2. Noite Escura

    28 de Novembro de 2013 as 13:06

    Por favor, não insultem o povo! Devemos ver que há pessoas, devido a sua conduta no passado e a falta do patriotismo, não devem fazer parte de reuniões que têm haver com assuntos importantes do país. Mais uma vez estão a atirar areia aos olhos do povo e tentando tapar o sol com a peneira. Será que este país só pertence a meia dúzia de gente? São sempre os mesmos?! Maldito o vulcão que um dia de sol ou chuva fez aparecer estas maravilhosas ilhas. Provavelmente foi num dia aziago como diz o nosso povo. Ou melhor, será que os novos antepassados, de muitos séculos que já lá vão foram assim tão ambiciosos, egocêntricos e maus? O que vejo é que cada vez mais STP está pertencendo à um grupinho de pessoas que não querem o seu desenvolvimento. Peço por favor: Deixem de insultar o povinho e chamá-lo daquilo que não é.

  3. Educabruto

    28 de Novembro de 2013 as 14:58

    Téla Nón sim deve marcar a presença!
    Fica eu, hummm come meu, bebe meu …resto é cantiga, vivê que tá lá!

  4. zÉCA ZEQUINHA

    28 de Novembro de 2013 as 17:22

    Me lembro muitíssimo bem,a minha infância na Roça Uba Budo, quando tinha 6-8 anos de idade e que ja ouvia falar que temos petróleo e parece-me que até agora continuo a ouvir falar de petróleo como se fosse um tabu, gostaria que os senhores entendidos na matéria,no final desse debate,publicasse algo de concreto que esclarecesse uma vez por todas e sem tabus ao povo de São Tomé e Príncipe o que se passa de concreto com o tão esperado petróleo, os últimos estudos que começaram a fazer sobre o petróleo, se não estou enganado começou em 1997 pra além de uns tantos outros já realizados na era colonial.

  5. Barão de Água Izé

    29 de Novembro de 2013 as 6:06

    A exploração de petróleo e os benefícios que o País poderia ter, é ficção literária ou realidade próxima?
    Não se sabe bem. Quantos relatórios públicos a ANP e a Autoridade Conjunta, já emitiram para esclarecer o País?
    Quantos relatórios de Contas dessas entidades foram publicados e não deveriam sê-lo, anualmente, pela importância da questão, no Diário da República?
    Parece que a questão petróleo está a ser e tem sido tratada como se fosse um negócio privado.

  6. João Kibonda

    1 de Dezembro de 2013 as 19:40

    Cuidado! Aqueles que abusivamente usufruem daquilo que pertence ao povo, sem discriminação, irão pagar até a sua última geração.Não se iludam. O mundo tem dono. Cabe à Ele decidir na hora exata. Embora muita gente diz que não existe Deus, tenho fé, Jesus fará justiça.

  7. Arzemiro dos Prazeres

    2 de Dezembro de 2013 as 11:04

    Trecho da decisão do Ministério Publico, datada de 23 de Agosto de 2013, sobre o processo nº564/2012 em que Arzemiro dos Prazeres , enquanto gerente da empresa UNIVERTRADE SAO TOMÉ LDA havia sido constituído arguido e que foi azo dos impropérios proferidos pela bancada do ADI numa das sessões plenárias da Assembleia Nacional e aqui neste fórum pelas ratazanas Leopaldo, António Menezes , Noite Escura:
    ” Decisão
    Tudo ponderado e por não vislumbrar , por ora , a realização de quaisquer outras diligências que com utilidade possam permitir o esclarecimento dos factos , nesta conformidade, determino o arquivamento dos autos, por não se ter verificado a pratica de crime, nos termos do disposto no art. 273º do CPP.

    Quanto ao resto ratazanas, tenham “aquilo” no lugar para se apresentarem a mim ao vivo e a cores.
    Arzemiro dos Prazeres
    B.I. 15970
    tel 990307

  8. malebobo

    3 de Dezembro de 2013 as 10:59

    este povo sofredor, não merece tanta humilhação de um grupo de oportunista que aparecem como salvador dessa pátria.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo