Destaques

Direcção dos impostos tenta fechar o cerco

Para aumentar a arrecadação das receitas para os cofres do Estado, a direcção dos impostos está a trabalhar no terreno no sentido de alargar a base tributária.

O director dos impostos esteve na região autónoma do Príncipe, para organizar os seus serviços na região, mas também para sensibilizar as autoridades do regionais, com destaque para as forças de ordem, no sentido de agirem para garantir a arrecadação de receitas.

A semelhança do que está a acontecer em São Tomé, os agentes da polícia nacional, vão montar operação STOP na ilha do Príncipe, para fiscalizar se as viaturas têm em dia o imposto sobre veículos e motorizadas. «Nos próximos dias acções começaram a ser exercidas ao público para que as pessoas comecem a ter mais sentimento do dever dos impostos. Esse país é de todos nós. É dever do cidadão fazer a sua parte», declarou o Director dos Impostos.

O director dos impostos, deixou claro que todos devem cumprir com as suas obrigações fiscais, e deu exemplo de uma das classes sociais que tradicionalmente tem sido imune aos impostos, os pescadores. «O pescador, o comerciante, seja em que ramo de negócio estiver tem que fazer a sua parte para que a soma dessas partes possa dar lugar a região autónoma que pretendemos», declarou.

Segundo o director dos impostos, «há falta de cultura e civismo fiscal no país».

Abel Veiga

    9 comentários

9 comentários

  1. INCOMODADO COM ISTO

    3 de Agosto de 2015 as 11:31

    Bem se Olin…. é Past….. Evan….. Feijão na água tb é forte, portanto meu amigo quero te ver forte e saudavel.

  2. Descontente

    3 de Agosto de 2015 as 12:35

    O governo tem que fazer a sua parte, por exemplo: propocionar melhoees condições de vida a populução, hospitais em condições, criar postos de trabalho, construir e reparar estradas, escolas, água habitação, etc.

    • Lupuye

      4 de Agosto de 2015 as 14:17

      Caro amigo, o que tu dizes e verdade mas as duas coisas estao interligadas: o governo nao pode fazer o que pedes se nao ha receita que entra. O circulo e vicioso e pode-se dizer que mais dinheiro entra mais eles devem fazer pela populacao se nao roubarem tudo. Mas conhecendo a nossa sociedade…
      E tambem e verdade que em Sao Tome ha muita fuga ao fisco e isso deve ser corrigido.

  3. hj

    3 de Agosto de 2015 as 15:58

    como diz o senho primeiro ministro, o governo vai fazer a sua parte, aticetra, aticetra.

  4. Managem

    4 de Agosto de 2015 as 8:18

    Acho a iniciativa de louvar tendo em conta que, quando falamos do desenvolvimento do nosso país, para que isto aconteça temos primeiro que nos educar começando a cumprir com os estipulados nas Leis, e fazendo isso agente vai ver que nem tudo é o governo que tem que fazer mas sim se cada um de nós fazermos a nossa parte juntos fazemos a diferença.

  5. Fabio Soares

    4 de Agosto de 2015 as 11:28

    Se for mesmo para o bem do pais, eu estou de acordo mas se for para interesses pessoais claro k nao…. Tudo o que é para o bem do PAIS estou de acordo.

  6. Vexado

    4 de Agosto de 2015 as 19:43

    Muita boa iniciativa. Mas vamos ser honestos uns com os outros. Há que questionar a acção: porquê que o director dos impostos, que por sinal é bom religioso, não pediu investigacao ao caso do primeiro ministro e apreensão das divisas.
    Valores não declarados ao fisco. O primeiro ministro é mais que outros santomenses? Precisamos de esclarecimentos

  7. Ralph

    5 de Agosto de 2015 as 7:59

    Os impostos são um assunto de muita frustração em todas as sociedades. Ninguém gosta de os pagar mas devem ser pagos para que qualquer sociedade possa funcionar. É natural tentar evitar o pagamento de demasiados impostos, principalmente quando se sente que o governo não está a utilizar bem as receitas, quer por corrupção quer por más decisões e muito mais. Enquanto é importante que toda a população pague a sua própria proporção de impostos, um governo tem que demonstrar que pode ser confiado com as arrecadações, ou o resultado muitas vezes é evasão fiscal. É uma situação muito complexa e tem-se de dar uma vista de olhos à Grécia para ver como um país pode errar tanto. Na minha opinião, o problema maior é assegurando que os ricos estão a pagar a sua própria proporção porque são eles que têm os meios para evadir a arrecadação de impostos por medidas tais como investimentos offshore, o uso de advogados, a criação de estruturas legais complexas e várias outras. É duvidoso que perseguindo pescadores vá resolver a situação porque são pobres e não vão pagar muito mesmo se as autoridades conseguissem arrecadar mais a partir deles. Só quando os ricos estão vistos a pagarem uma parte proporcional dos impostos, irão a população em geral sentirem que eles também devem contribuir ao esforço. Se os ricos fossem pagar uma justa parte e o governo fosse empreender utilizar o dinheiro numa forma mais apropriada, o aumento em impostos levantados iria ser maior, o público iria ter mais confiança no sistema governmental e muito melhores resultados surgirão.

  8. Original

    6 de Agosto de 2015 as 17:45

    Concordo com esta campanha para arrecadar receitas mas o fim destinado destes montantes para mim é duvidoso tendo em conta as patifarias que são feitas com estas receitas a olho nú.
    Manda quem pode e obdece quem deve.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo