TAP alivia bloqueio e STP –Airways continua muda e surda

O chocolate de alta qualidade produzido em São Tomé e Príncipe, está a perder o mercado internacional. Tudo por causa do bloqueio aéreo à produção nacional de alta qualidade que começou em Agosto passado.

Após 3 meses de bloqueio, em que as principais praças internacionais decidiram suspender a encomenda do chocolate nacional, a companhia aérea portuguesa, manifestou-se solidária com a empresa produtora de chocolate de São Tomé e Príncipe, permitindo a exportação de pequenas quantidades.

Ajuda da TAP que segundo Cláudio Corallo, evitou a morte imediata da produção nacional de chocolate. «A ajuda que estamos a ter da TAP é importante porque evita que morramos de imediato, prolongando apenas a agonia», declarou.

De acordo a Cláudio Corallo a agonia persiste uma vez que para além de a TAP não poder transportar a quantidade de chocolate encomendada pelo mercado internacional, já a partir de Novembro as portas d transportadora aérea portuguesa poderão fechar novamente.

Tudo porque nesta altura aumenta o número de passageiros que escolhem São Tomé e Príncipe para passar as férias de natal e ano novo. Por isso a TAP, estará novamente condicionada em termos de capacidade de carga.

Um cenário de morte lenta para a produção nacional de chocolate de alta qualidade após a conquista do mercado internacional.

Para melhor compreensão do momento actual, marcado pela perda do mercado já conquistado, Claudio Corallo, dá o exemplo das lojas de Milão-Itália, que encomendaram 2 toneladas de chocolate em Agosto passado.  Graças a benevolência da TAP, a empresa só conseguiu enviar cerca de 500 quilos de chocolate.

Em consequência do bloqueio aéreo, o mercado italiano, já não fez encomenda de chocolate para o mês de Outubro, uma vez que até a presente data, o chocolateiro nacional, não conseguiu dar resposta a encomenda feita em Agosto.

O mesmo acontece com as outras praças internacionais que foram conquistadas pelo chocolate do cacau de São Tomé e Príncipe, nomeadamente Frankfurt – Alemanha, Amesterdão – Holanda, São Francisco – EUA, ou Paris – França.

Mas, São Tomé e Príncipe tem duas companhias aéreas que ligam o arquipélago à Europa. A STP – Airways é uma delas e ostenta a bandeira nacional. No entanto a companhia de bandeira são-tomense, simplesmente ignora o transporte do produto de marca nacional.

O Téla Nón constatou isso mesmo nos escritórios da STP –Airways em São Tomé em Setembro último. O Jornal solicitou uma entrevista para saber as razões que do não transporte do  chocolate nacional para Europa.

Os serviços exigiram que o Téla Nón fizesse o pedido por escrito, uma vez que segundo a responsável que atendeu ao jornal, a nova directora da companhia aérea que foi nomeada há alguns dias antes, tinha se ausentado do país.

Foi garantido ao Téla Nón que com base na nota escrita indicando as razões da entrevista, o jornal teria uma resposta. A nota foi feita e entregue nos serviços administrativos da STP-Airways no início do mês de Setembro. Até hoje não houve qualquer reacção ou resposta da STP – Airways.

Surda e muda diante de um assunto de interesse nacional, a companhia de bandeira, persiste no silêncio, mesmo quando a empresa produtora de chocolate manifesta a sua aflição. « Da STP – Airways nunca recebemos qualquer informação», desabafou Cláudio Corallo.

A companhia de bandeira nacional, não deu conta que “satisfação vale ouro”, e talvez ainda não percebeu que deveria jogar papel importante na economia do país que ostenta a bandeira.

As consequências do bloqueio aéreo sobre a exportação do chocolate nacional, são visíveis. Na manhã desta quinta – feira a empresa produtora de chocolate, despediu 6 funcionários, porque está a trabalhar a meio gás, resultado do corte nas encomendas.

A produção de chocolate nacional, garante também o pão de cada dia para centenas de agricultores, sobretudo da ilha do Príncipe. Pão de cada dia das famílias agora em causa, pelo bloqueio aéreo da STP-Airways, uma vez que o produtor de chocolate suspendeu a compra do cacau na ilha do Príncipe. «Tivemos que parar com a compra de cacau porque não temos dinheiro», precisou Claudio Corallo.

STP – Airways continua em silêncio, diante da agonia da produção nacional de chocolate e de centenas de agricultores, que perderam a fonte de renda.

Abel Veiga

Notícias relacionadas

  1. img
    Original Responder

    Agem assim porque os políticos comem nas suas mãos e mamam nas suas tetas.A política real é aquela direcionada aos cidadãos.

  2. img
    João Rosário Responder

    Este é que é um assunto que o senhor Patrice Trovoada deveria estar preocupado. No entanto ele finge que não é nada com ele, que ele não sabe de nada nem que o seu governo deve fazer alguma coisa. Isto é uma república das bananas. Um governo existe para resolver os problemas das pessoas. Existe um problema que coloca em causa postos de trabalhos de muitos cidadãos, que coloca em causa a imagem do país e no entanto o governo não faz nada, não diz nada e reage como coisa que nada existe? Sinceramente que eu nunca pensei ver uma coisa desta.

  3. img
    jorge de jesus Responder

    Isto só pode resumir no seguinte: Olho Cheio, Má Fé
    Todos devíamos bloquear esta dita companhia nacional STP Airwaise.
    Todos os santomenses deviam boicotar esta empresa e não viajar na mesma.
    Ela não vale nada.
    A TAP também devia dar uma certa prioridade a este assunto
    Força Corale que Deus vai te ajudar
    JJ.

  4. img
    Maria silva Responder

    E quem disse que o patríce trovoada ( chefe do governo ) está priecupado com São Tomé e Príncipe e seu povo ou sua gente????
    O indivíduo em questão está única e exclusivamente interessado no que stp pode lhe oferecer, os benefícios que ele tem ( estatuto ) como chefe do governo e os prevílegio que virá a ter a nível internacional caso vier a ser Rresidente da República !
    Conclusão : O tipo é um nada ( sem formação nenhuma ) que está a fazer de stp e o seu povo degraus para atingir seus objectivos .
    Deus perdoe os nossos pecados

  5. img
    Atento ao Dossier Responder

    Com todo o respeito,isto já é um assunto que cheira mal,embora o chocolate seja óptimo.
    Porque que razão é que o Produtor/Exportador não envia,o produto
    via maritima em contentor refrigerado??
    Por esta via passados no máximo em 15 dias estará nos mercados.

  6. img
    Ilha do P´rincepe Responder

    Um País, de tantos Governos e governantes que já teve sequer um procurou dar uma vida condigna ao seu povo, quer em termos de trabalho, comercio… etc.

    Este é o papel do governo na procura de soluções para certas questão que põe em causa o bom nome do País e de certas fragilidades precoce da nossa economia.

    Patrice Trovoada, por favor faça qualquer coisa, pelo menos a nossa economia tenha um folego na exportação, uma vez que nos só sabemos pedir em nome do povo para depois roubar.

    São Tome e príncipe não merece passar por todo isso, depois perdemos tempo a falar de investidores externos uma vez que não temos condições criadas para os que já estão do País.

    STeP IN LONDON – só terá êxito se o Governo souber quebrar certos bloqueios que existe nesse País, criar condições internas que incentiva os investidores, dar mais facilidades aos mesmo, esse é o papel do Governo.

  7. img
    Estrangeiro Responder

    Porque uma linha aérea nacional – se não serve os interesses nacionais???

  8. img
    Vaima Shamar Responder

    Apelidar de “boicote” a situação de falta de capacidade de transporte de carga nos voos TMS/LIS é simplesmente inflamatório. Na minha modesta opinião não tem o país nem a sociedade nada a ganhar com outra que não seja uma aproximação racional e calma ao problema.
    Os transportadores aéreos como qualquer outro agente económico tomam as sua decisões com base numa lógica de maximização dos lucros, o que inclui a minimização dos seus custos. Nem todos os aviões se prestam à substituição económica de passageiros por carga e à la limite vários tipos de avião com o número máximo de passageiros (e suas bagagens) não dispõem de capacidade adicional para o transporte de carga aérea.
    A procura de soluções compete aos agentes de importação/exportação envolvidos, com o apoio das entidades do Estado. Não é aqui o lugar para me expandir sobre vias de diálogo ou vias alternativas. A minha interevenção visa somente chamar a atenção para a necessidade de evitar o uso totalmente indevido de linguagem inflamatório e populista.

  9. img
    Eusebio Neto Responder

    Governo de S. Tome e Principe, acuda a produtora nacional de chocolate porque assim estara a acudir tambem milhares e milhares de eleitores santomenses que deu a ADI e ao Patrice Trovoada maioria absoluta para governar!

    Comprem aviao, estabelecam parceria, obriguem a STP Airways, enfim, encontrem solucao para esta gravissima situacao socio-economica que ameaca o pais. Afinal para foram eleitos?

    Isto deve ser pura e simplesmente interpretado como incompetencia absoluta para governar.

    Fica o desafio.

  10. img
    ANCA Responder

    Mais uma vez, o assunto acima remete-nos para a questão de organização gestão interna do Estado País (Território/População)…

    E de algum lado temos que começar, o tempo é hoje e agora…

    Andamos a muito a apanhar a agua com cestos, quinze anos perdidos numa visão limitada da produção organização de economia sector produtivo bem como do País, abertura democrática, quedas atrás de quedas de governos, conflitos pessoais, partidários, pouca visão do trabalho, pouca ou nenhuma organização social, cultural, desportiva, ambiental, politica, económica e financeira, enquanto o mundo se organizava, se transformava e se desenvolvia, pelo menos do que as principais economia do planeta diz respeito.

    Esquecemos de ver as costas dos outros para o bem e para o mal…

    O mal está em nós na nossa forma de ser estar, de fazer e saber fazer…

    Corrupção, inveja, pouco gosto pela cultura de organização e trabalho, mulherenguices, pouco sentido de Estado, falta de humildade, arrogância, crença na bruxaria ao em vez da ciência e tecnologias, no valor trabalho e organização mediante regras bem explicitas, etc, etc,

    Eis que é chegada da lucidez, do altruísmo…

    Por mais dinheiro que haja, por mais investimentos e ajuda económica e financeira externa, que haja se o Território e População bem como a própria organização e gestão do Estado, jamais for feita, será igual a caos, social, cultural, ambiental, desportivo, politico, económico e financeiro…

    Bem podemos andar a criticar este ou aquele Primeiro Ministro, Ministros, Presidentes da República, o mal está em nós…todos os SãoTomenses.

    E mais digo…

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  11. img
    Vaima Shamar Responder

    Ao censurar a minha contribuição mostram que afinal tal como aqueles que critica também o Tele Non não aceita qualquer forma de criticismo, mesmo que ligeiro, bem intencionado e fundamentado.

Deixe um comentario

*