00 239 - 9906263 contact@telanon.info

Get Adobe Flash player

Fundo dos EUA financia produçao de cacau de qualidade no Golfo da Guiné

Camarões, Gana, Nigéria e Costa do Marfim, são os 4 países do Golfo da Guiné que beneficiam da segunda linha de financiamento dos Estados Unidos de América para produção de cacau de alta qualidade.

Cocoa Action, é a designação do projecto financiado pela iniciativa norte americana em parceria com Word Cocoa Foundation- Fundação Mundial do Cacau.

Na quarta – feira a Fundação Mundial do Cacau e a Agência de Regulação da Cultura do Cacau, abriram na Costa do Marfim um evento internacional de análise e debate sobre a cultura do cacau e a sua sustentabilidade, face as mudanças que ocorrem no mundo.

«População, Planeta e Economia do Cacau no Mundo em Mutação», é o tema do evento que reúne em Abidjan mais de 500 representantes mundiais de empresas produtoras de cacau e do chocolate. Luta contra a desflorestação é um dos temas em debate na reunião.

Costa do Marfim, é o maior produtor do cacau no continente africano. Cacau é a principal fonte de rendimento para milhares de pessoas na África ocidental, incluindo São Tomé e Príncipe, na América Latina e em países do sudeste asiático.

São Tomé e Príncipe não participa no evento de Abidjan por não ter sido convidado, apurou o Téla Nón.

Abel Veiga

Notícias relacionadas

  1. img
    ANCA Responder

    Quando se veicula informação desta, deveria investigar melhor o contexto deste apoio financeiro, a crise de produção de cacau, no planeta, as zonas ou se se quiser a economias das zonas ou países, produtores de cacau, quais os países produtores de cacau, que cacau de alta qualidade é uma das matérias primas, que sustentam as industrias de chocolate do Ocidente, EUA, Europa, principais mercados mundiais, em que um empresário do chocolate ganha milhões, um trabalhador ou operário de chocolate no Ocidente ganha 1000 vezes mais que o agricultor ou trabalhador agrícola em África, que vive com menos de um dólar dia.

    Ninguém dá nada a ninguém sem esperar, receber algo em troca.

    Nos principais países produtores de cacau, como é o caso destes que referiu o jornalista Abel Veiga, Camarões, Gana, Nigéria e Costa do Marfim, e alguns países da América do Sul, pela sua dimensão territorial, têm extensões consideráveis de terras para produção de cacau, daí se compreende São Tomé e Príncipe, não ter siso convidado, é uma questão de escala, de economia, de rentabilidade.
    Como dizia nestes países as extensões de terra agrícola, para produção de cacau, estão a ser abandonadas, algumas até para loteamento habitacional, outras pela situação de derrubes das árvores de copa, estão a perder a sua rentabilidade, as doenças dos cacaueiro, etc, etc…
    Hora o quê que isto está a provocar nas indústrias economias de produção de chocolate nos Países, que compõe, ou formarão a Cocoa Action, Word Cocoa Foundation- Fundação Mundial do Cacau, perda de rendimentos, por falta de matéria prima cacau, pois que isto implica no futuro natal sem chocolate para as crianças Ocidentais EUA, EU, e os grandes mercados, falta de chocolate para suas crianças, para suas indústrias alimentares, doçarias, cafés e bolos, culinárias, etc, etc,….tudo isto no prazo de oito a dez anos, assim se passa com outras matérias primas o petróleo, alumínio, as pedras preciosas, o ouro o diamante, etc, etc,… enquanto muitas crianças Africanas nem sabem o sabor do chocolate de que o cacau produzido no solo em que nascem é vendido a desbarato, mas se se os pais quisessem comprar um tablet de chocolate, perderiam o rendimento do mês.

    E muitas vezes aproveita-se estas noticias para tirar proveito político, lançar contenta, como a ultima parte da notícia;

    “Costa do Marfim, é o maior produtor do cacau no continente africano. Cacau é a principal fonte de rendimento para milhares de pessoas na África ocidental, incluindo São Tomé e Príncipe, na América Latina e em países do sudeste asiático.”

    “São Tomé e Príncipe não participa no evento de Abidjan por não ter sido convidado, apurou o Téla Nón.”

    sem de facto explicar o que está por detrás ou que poderá estar por detrás desta acção coordenada de financiamento.

    “Vai ver os membros da Cocoa Action, Word Cocoa Foundation- Fundação Mundial do Cacau, acordaram com acto de pena e decidiram financiar a produção de cacau em África, e no Mundo.”

    Sabem que havendo matéria prima o retorno ou o ganho é bem maior.

    Ninguém dá nada a ninguém neste mundo sem esperar receber algo em troca.

    Os programas de ajudas têm um propósito, proteger manter as principais economias e mercados mundiais, e jamais o cariz de uma ajuda verdadeira de apoio ao desenvolvimento.

    Quais as organizações de relevo mundial, em que têm voz vinculativas os Países Africanos, Asiáticos, América do Sul?

    Temos a Nações Unidas a Nato, a UTAN, Países situados neste continentes têm vozes sobre alguma matérias?

    Investiguem as Histórias dos 3 A A A o Mundo. África, América Latina, Ásia, muitos países pertenceram a metrópole Europeia.

    Razão para que África, São Tomé e Príncipe, devem diversificar as suas economias, suas produções apostar na transformação, exportação, Comunicações, Portos e Aeroportos, Conhecimentos, as TICs, Inovação no sector primário, secundário e terciário.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

Deixe um comentario

*