FMI rejeitou proposta de financiamento do porto e do aeroporto

FMI não apoia o Governo são-tomense na mobilização de fundos no mercado financeiro internacional, para construir o porto em águas profundas em Fernão Dias, nem tão pouco para a modernização do aeroporto internacional.

Tudo por causa da “Dívida Elevada”, que São Tomé e Príncipe já contraiu, depois do perdão total da sua dívida externa no valor de 300 milhões de dólares no ano 2007.

FMI que jogou papel determinante na obtenção do perdão total da dívida externa nacional, considera que a realização dos projectos de construção do porto em águas profundas e de modernização do aeroporto internacional, são importantes, mas «sublinhamos a necessidade de balancear cuidadosamente estes projectos de modo a evitar o aumento da dívida», referiu David Owen, Chefe do Departamento do Fundo Monetário Internacional para o continente africano.

O representante do FMI para África, reuniu-se com Patrice Trovoada no dia 23 de Março, logo após o regresso do Primeiro-ministro da visita a Washington onde se encontrou com a chefe do FMI, a francesa Christine Lagarde.

David Owen, afirmou que «a dívida de São Tomé e Príncipe é muito elevada».

Na sua avaliação da situação macroeconómica do país no último trimestre de 2016, o FMI, tinha anunciado que o nível de endividamento externo de São Tomé e Príncipe tinha chegado ao limite.

David Owen terminou de forma clara a sua oração após encontro com o Primeiro-ministro. «É importante encontrarem outras vias para financiar estes projectos», frisou deixando claro que São Tomé e Príncipe pode não contar com o FMI nesta empreitada.

FMI mostrou o sinal de STOP em relação a intenção do Governo são-tomense na mobilização de financiamentos para os dois projectos estruturantes do país. Por outro lado, deu nota positiva ao desempenho económico do governo.

Abel Veiga

 

.

 

Notícias relacionadas

  1. img
    Revoltado com ADI Responder

    De Dubai para Iraque, isso em apenas 2 anos e pouco, o nosso STP bateu no fundo. Américo Ramos ficara na história como pior ministro das finanças que STP já conheceu e Patrice Trovoada como o maior aventureiro politico já mais visto na historia do nosso País.

  2. img
    fui de adi mais já não sou Responder

    Estas notícias TVS e Radio Nacional não informão a população.

  3. img
    Dubai Responder

    Já se previa esse tipo de situação. Este é o pior governo que STP já teve. Nenhum parceiro confia no Patrice e nesse governo de faz de conta, e o país é que paga. E assim vamos descolar rumo ao Dubai prometido.
    O pessoal no estrangeiro sabe tudo que se passa nesse país, para onde vai a ajuda que dão.
    Como é possivel um primeiro ministro de um país que vive de ajuda externa viajar tanto e ter tanto dinheiro guadado em casa? Onde estão os 30 milhões de dolares?
    STP já perdeu toda credibilidade que tinha a nivel mundial.

  4. img
    Kwa nom so Responder

    Ploco manjoca a po pê kwa ni liche ê cá lancá manjoca cu inhé.
    Ócá cá molê cu pian ďê… achas q com isso ele vai parar de viajar? Estão enganados que se lixe S. Tomé.

  5. img
    FODEBUDU Responder

    Decu paga. Nem ladrom tava flega mon ba ine cume dgelu. ladron

  6. img
    Jorge Marques filho Responder

    Quando se tem governo bombeiro, só dá nisto.
    É preciso pensar-mos e não fazer por fazer

  7. img
    MIGBAI Responder

    Meu caro “Revoltado com ADI”.
    O problema de STP não é o Sr.Ministro Américo Ramos nem tão pouco qualquer outro ministro ou primeiro ministro.
    O problema é STP em si mesmo!!!
    STP nunca teve, não tem, e nunca terá, qualquer tipo de capacidade para ser um país independente!!
    Estas ilhas são inviáveis como pais independente!
    Estaremos sempre de cócuras e mão estendida aos dinheiros do exterior, para continuarmos sempre nesta miséria que a independência nos colocou há mais de 40 anos.
    Foi a ganância e o desejo de comer bem, roubar casas e andar com catorzinhas, que fez um dia pinto da costa levantar o dedo a exigir a independência, colocando o povo todo na miséria a que nós estamos habituados.
    Mais uma vez, a culpa não é de quem está no governo, nem de ministros, mas sim da impossibilidade/inviabilidade de STP em ser um país.
    STP nunca será um país independente, pois como acima o disse, viverá sempre, mas sempre, de esmolas, até ao dia em que se acabar esta conversa da independência e podermos chamar ao tribunal internacional o colono preto pinto da costa e os seus capangas da cívica, que nos destruíram como povo português de origem africana que eramos todos.
    Não atribuam por favor, culpas a ministros do atual governo, pois se querem atribuir culpas, que o façam diretamente aos responsáveis culposos, que como todos sabem o chefe é o pinto da costa.

    • img
      Avelino Total Responder

      Lukas
      Como é possivel que até a presente data,com a conjuntura económica actual há pessoas que ainda querem culpabilizar Dr.Manuel Pinto da Costa da situação em que se encuentra o país, quando na altura da independencia estavão presentes muitos pessoas que fizerão parte da governação do país, figuras políticos como o Sr.Miguel Trovoada,pai do actual Primeiro Ministro.
      O Primeiro Ministro actual Dr. Patrice Trovoada uma pessoa esclarecida,sabe por exemplo, que em um Estado Social Democrático de Direito, menhum jefe do governo pode ausentar do país com a frequencia com que o actual PM o faz, o nosso ordenamento juridico não o permite, um PM que dispõe de recursos financeiros de proveniencia duvidosa, é evidente que este estado de coisa tem reflexo na credibilidade do país na altura de mobilição de recursos estrangeiros,criticavão a ditadura na altura do partido único, mais pelo menos havia ordem pública, actualmente não nem o.publica, e limitação dos Direitos Fundamentais e Liberdades Públicas,por exemplo escutas telefónicas sem ordem judicial.
      Numa economia de mercado, que o caso do nosso país actualmente politicas de criação de emprego é fundamental para criação de riqueza, não se verifica nenhum sinal do governo nesta direção.
      La única esperanza que nos queda es que dios nos bendiga

  8. img
    Nuno Miguel de Menezes Responder

    Sucuri WebSite Firewall – Access Denied

    Eu pessoalmente Concordo com FMI,Apenas isso.“Dívida Elevada” acho que sim,nesta divida elevada as infrastruturas continuam da mesma.
    De Tantos anos so apenas agora que querem infrastruturar o Hospital, o dinheiro do mesmo que seria 300 milhões de dólares mais no entanto depois do perdão total da sua dívida externa no valor de 300 milhões de dólares no ano 2007.

    Eu disviei as minhas palavras espero que percebem o meu Portugues.
    Sem estudo sou….
    E daqui a pouco vou disviar o meu dinheiro para outra minha conta bancaria que assim o tenho.

    Nuno Menezes
    Tel: 00447534444803
    Tel: 00447534444170

  9. img
    Pedro Costa Responder

    Para financiar projectos no país a metodologia que esses organismos internacionais deviam adoptar é não entregar directamente o dinheiro a estes dirigentes. Seria encaminhar a verba directamente as empresas encarregues de executar o projecto. Infelizmente não é assim. O assunto é directamente com o estado. E como o nosso é um estado falhado e corrupto dificilmente as coisas não andam e com certeza uma boa parte dos financiamentos são desviados.
    Para isso tínhamos de ter dirigentes credíveis; um tribunal de contas que realmente funciona e uma justiça forte e sem medo.
    Basta o dinheiro entrar na conta estes sanguessuga e larápios limpam as mãos de satisfação.
    É pena e povo vai-se contentando com o pouco.

  10. img
    Madiba Responder

    Caros compatriotas!

    Isto não é o fim do mundo!O governo deveria há muito perceber que ninguém, mas ninguém está disposto a meter o seu dinheiro na lama!Eu nem sequer vou falar de porto em águas profundas. Pois acho-o um projecto megalómano num país paupérrimo que nem sequer tem pernas para andar.
    O que me parece mais viável e exequível é o aeroporto. Mesmo assim são precisos 200 milhões de euros segundo dizem. Meus amigos, quem vai colocar tanto dinheiro num aeroporto que na maior parte das vezes durante um dia só se vê nas pistas garsas, falcões, raposas a deambular. Se fôssemos mais racionais apostávamos em agricultura, pescas , pequenas industrias mas atenção, exportáveis e o desenvolvimento do turismo. Aí sim é criar economia. É cair na realidade. Não estou a dizer que aqueles que pensaram doutra forma fizeram mal. Mas nós ficávamos mais credíveis aos olhos do mundo. Já agora como o senhor Patrice Trovoada vai justificar as suas impiedosas, dispendiosas e desenvergonhadas viagens?

    • img
      Amo STP Responder

      Excelente comentario! Devem comecar de base. Investir na Saude, Educacao, Agricultura, Pesca, e Turismo em vez de pensarem tao grande e criarem um corredor de drogas mais e, numas ilhas tao pequenas e vulneraveis…. Realmente quem colocaria Tanto dinheiro na LAMA.

  11. img
    Martelo da Justiça Responder

    Isto de pensar que os outros não fizeram porque não queriam ou porque não foram capazes é que dá isto. A mania de Patrice Trovoada de pensar que os outros não percebem nada e só ele e que é o dono da verdade, o resultado esta a vista. Isto de excluir uma grande parte de São-Tomense não faz sentido, até porque somos muito poucos para a imensidão de problemas deste Pais.
    Sou de opinião que devia-se pensar num Governo de Unidade Nacional com gentes sérias, na maioria fora da orbita dos partidos políticos, com programa e regras bem definidas para governar esse pais durante um período razoável, com vista a por esse Pais em ordem. De outra forma não vejo solução para São Tomé e Príncipe.
    Aqueles que andaram a elogiar Patrice Trovoada, dizendo que ele era a solução para os problemas do Pais, que tinha muitos conhecimentos e credibilidade fora do Pais, deviam ter a coragem de pelo menos dizer alguma coisa agora. Porque que não o fazem???
    Quanto a mim, a politica de Patrice trovoada tem-se revelado um fracasso total. Só sei que ele é campeão em fazer viagens gastando os parcos recursos do Estado e sem resultado.

  12. img
    Rua com FMI Responder

    FMI, não pode vir dar ordens no nosso país. Manda essa gente do FMI para inferno!

    O nosso líder PT sabe o que está a fazer. Se não for com dinheiro do FMI, faz se aerporto e porto com dinheiro de um outro parceiro. A china vai nos fazer essas obras…

  13. img
    Estou Triste Responder

    De certeza absoluta, que essas gente do ADI, vão dizer que a culpa é MLSTP e PCD. ADI tem uma especialidade, nunca assumem os erros, a culpa será sempre de alguém!

  14. img
    Reflexão Responder

    São Tomé poderoso é um Santo Vivo. Quem mal faz tarde ou cedo paga.
    Já começamos a pagar pela ingratidão que tivemos com os Taiwaneses.
    O pior é este povo que sofre.
    Tenho outro receio. O mês de março deveria arrancar com a nova campanha de pulverização das casas. Até ao momento n hove sinal algum. Estes dias está chovendo regularmente o que poderá provocar a proliferação de novos anófeles. Que Deus proteja as nossa crianças e mesmo a nós os adultos.

  15. img
    Guadalupe Responder

    Sr ou Sra Estou triste; Não estas só triste, estas também um pouco destraído: O que disseste eem relação a culpabilização dos outros o Sr MIGBAI ja o fez, ele diz que: (A culpa é do Pinto da Costa, que foi ganancioso em levantar o dedo e exigir independência de STP para sofrimento do seu povo).
    Ja não se entende esses parvos e idiotas.

  16. img
    Vaima Shamar Responder

    Nem a ampliação do aeroporto internacional nem um porto “de águas ºprofundas” são prioritários ou indispensáveis para o desenvolvimento de São Tomé. Direi mais, seriam investimento não produtivo pois que a rentabilidade nunca seria suficiente pra justificar o investimento. Erro semelhante se cometeu em Portigal com as famosas auto-estradas em que se gastam milhares de milhões para uma rentabilidade média de 1%, e em alguns cass negativa. A posiçãodo FMI é certamente ditado por uma análise que demnstra isso mesmo. O que STP precisa é de um governo que os pés assentes na terra utilize os parcos recursos em projectso que contribuam directamente para o desenvolvimento económico, sem o que não haverá progresso da economia sem o que não melhorará o bem estar da população.

Deixe um comentario

*