Nova Dobra é lançada esta sexta – feira

O Banco Central vai lançar uma nova família da dobra, a moeda nacional. Hélio Almeida, Governador do Banco Central, explicou que a nova dobra só entrará em circulação no mercado nacional a partir de 1 de Janeiro do ano 2018. Garantiu que a nova dobra será forte.

O Governo do Banco Central, já se reuniu com o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça e com o Presidente da República para dar a conhecer os preparativos para o lançamento no dia 25 de Agosto da nova família da moeda nacional.

Serão 6 novas denominações de notas e 5 novas denominações de moedas. Trata-se de uma engenharia financeira que começou a ser executada com mais vigor no ano 2016, e que segundo o Governador do Banco Central implica o corte de 3 zeros na moeda nacional.

Por exemplo 100.000 DBS (cem mil dobras), passará a ser 100. «A supressão de 3 zeros em momentos algum pressupõe perda do poder de compra. Isso tem que ficar claro. Teremos uma dobra mais forte. Será mais segura e o contributo da nova moeda e do sector bancário será maior», assegurou Hélio Almeida.

O acordo de paridade cambial da dobra com o euro, assinado com Portugal, criou segundo o Governador do Banco Central, condições propícias para a reforma monetária. Uma reforma que de acordo a Hélio Almeida, vai melhorar o ambiente de negócios no país e desta forma impulsionará o investimento privado estrangeiro. «Torna um destino mais seguro para investimentos, haverá um melhor clima de negócios, e isso traduzirá num maior fluxo de investimento estrangeiro e naturalmente o impacto será macro no nosso país», pontuou.

A montagem monetária que foi preparada pela anterior direcção do Banco Central, vai facilitar grandes transacções financeiras na economia nacional.

A partir de 1 de Janeiro de 2018, os são-tomenses vão conviver com a nova família da dobra, em simultâneo com a dobra velha.

O Governador do Banco Central, indicou que a moeda velha será retirada do mercado num processo de recolha que vai demorar 2 anos.

O leitor deve acompanhar mais explicações do Governador do Banco Central, em registo áudio :

Abel Veiga

Notícias relacionadas

  1. img
    Fernique Responder

    Boa noite… gostava de fazer um pequeno reparo nas datas idicadas visto tratar-se de o futuro e não passado, presuponho que as datas indicadas sejam 1 de janeiro de 2018 e não 2008.
    Cumprimentos e obrigado por nos manterem sempre informados sobre o nosso país

    • img
      MIGBAI Responder

      Minha gente.
      Temos tantas coisas lindas no nosso país que deviam constar nas notas, e tínhamos logo e mais uma vez de estragar as notas colocando nelas uma figura que os comunistas intitularam de poetisa, que sempre demonstrou ser muito mal formada e ingrata.
      Estou desejoso que as notas sejam de muito mau papel para se desfazerem rapidamente e saírem novas notas somente com animais, aves, locais da nossa terra, sem caras de figuras medíocres da nossa infeliz independência.
      Bem haja a todos.
      MIGBAI está de volta depois de ter vencido uma quase pneumonia.

  2. img
    Macalacata Responder

    Palerma. A data esta corretissima. Deves reparar mais em te antes de publicar algo.

    • img
      Fernique Responder

      “Reparar mais em te??” Não sera antes ” reparar mais em ti??” Enfim…sabendo que a educação vem de casa e não se compra, desejo-lhe uma boa noite.

    • img
      Fernique Responder

      Todavia devo. não de obrigação mas sim de consideração pelo carácter do povo do meu país( que não devem se rever nas suas palavras ofensivas), informar-lhe de que o meu comentario serviu para que você pudesse lêr a notícia de forma correta. Quando aqui foi postada a notícia, dizia 1 de Agosto de 2008 e após o meu comentário, os de direito corrigiram aprontamente. Bem haja

  3. img
    EX Responder

    pode se dizer que o poder de compras não diminiurá e nem aumentará, mas dizer que trará mais investimentos, com esse clima de Governação.
    Isso de novas notas e novas denominações é apenas uma manobra para diminiur a quantidade de moedas e notas em circulação, nada tem haver com atração de investimentos estrangeiros.

  4. img
    Guadalupe Responder

    O corte de “000″ serve apenas para esconder as desvalorizações anteriores e as que virão. Porque a valorização de qualquer moeda faz-se apenas com aumento de produtos locais, não necessáriamente em excedente, mas sim o auto-suficiente de forma a evitar importações e proporcioner exportação com produtos em qualidade.
    E produção até agora vista é apenas milho genéticamente modificado. Supostamente para os santomenses se alimentarem dele ou será exportado para Ruanda.

  5. img
    explicar sem complicar Responder

    Peço a Procuradoria para investigar a alegada entrada de caixas com novas notas no país de forma ilegal e sem qualquer segurança.
    Tudo isto com objectivo único :
    A sua aplicação na campanha.

  6. img
    Ralph Responder

    Parece ser uma boa ideia, dado que deve ser quase impossível lidar com uma moeda com que se tem de gastar muito para comprar algo muito pequeno, como um jornal ou uma lata de coca-cola zeros. Faz muito sentido introduzir uma nova moeda. Porém, a única coisa para garantir que a moeda não volte a subir aos níveis anteriores é assegurar que a inflação permaneça em baixa. É a inflação alta que tende a destruir o valor de moedas.

  7. img
    Explicando Responder

    Compatriotas

    As notas a serem lançadas no dia 1 de Janeiro de 2018, não serão estas com toda a certeza, porque esta é uma das propostas que foram apresentadas, mas como o poder de desinformar é tão grande nem prestaram atenção que estas notas não são iguais as que estão afixadas nas ruas….A figura que está na nota é a de Rei Amador…uma figura histórica consensual…..

    Fiquem atentos as informações que são publicadas pelo Banco central apenas……

Deixe um comentario

*