Política

Foguetes e o envolvimento de batedores da polícia nacional no casamento do ano, precipitaram a suspensão do comandante geral da polícia nacional

O comancomandante-da-policia-1.jpgdante geral da polícia nacional, Gilberto Andrade, foi suspenso das suas funções por ordem do Ministro da Administração Interna, Raul Cravid, tornada pública num despacho emitido pelo ministro esta segunda-feira. O ministro da administração interna ainda não divulgou as causas que motivaram a decisão, mas fonte bem colocada explicou ao Téla Nón que para além das denúncias feitas contra Gilberto Andrade durante o julgamento dos Ninjas, o caldo acabou por entornar no último fim-de-semana, por causa dos disparos de foguetes num casamento do ano, que foi escoltado com batedores da polícia nacional. Batedores da polícia que estão ao serviço exclusivo do Presidente da República.

O Téla Nón apurou que o ministro da administração interna deverá explicar ainda esta semana numa conferência de imprensa as razões que motivaram a suspensão do comandante geral da polícia nacional, o Intendente Gilberto Andrade.

O Chefe da Polícia Nacional que co  nseguiu resistir a grande crise que se abateu sobre a instituição com a revolta dos Ninjas, em que ficou provado no julgamento o seu envolvimento com os ex-Ninjas, a quando da primeira sublevação armada que derrubou o seu predecessor Armando Correia, acabou por cair alegadamente por causa das facilidades concedidas a realização de um casamento do ano no último fim-de-semana.

Fonte bem colocada no sector da administração interna, disse ao Téla Nón que na noite do último sábado no momento do copo de água do casamento do empresário Aurélio Martins do grupo Gibela, foram lançados foguetes que iluminaram toda a zona da passadeira na marginal 12 de Julho. Segundo a fonte, os estrondos dos foguetes deixaram as forças de defesa e de segurança em estado de alerta máximo, supondo haver alguma situação de conflito ou de invasão da ilha.

A fonte que preferiu o anonimato, até que seja o próprio governo a explicar o sucedido, acrescentou que a situação do comandante geral da polícia nacional ficou mais complicada, também por causa da escolta que os batedores da polícia nacional, tiveram que fazer ao casamento do empresário.

Uma das viaturas da equipa de batedores da polícia nacional que participou no casamento, foi adquirida para escoltar o Presidente da República. Aliás os batedores da polícia nacional estão ao serviço exclusivo do Chefe de Estado são-tomense. Por isso mesmo, precisa a fonte do Téla Nón, a decisão do comandante geral da polícia em colocar tais meios ao serviço do casamento privado, só poderia provocar a sua queda do cargo.

Gilberto Andrade já não tem poder na polícia nacional, tudo indica que o novo comandante geral da polícia será conhecido brevemente, quando o Chefe de Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas, Fradique de Menezes, regressar da sua tournée internacional.

Abel Veiga

Recentemente

Topo