Aguarda-se a materialização da intenção de Fradique de Menezes em renunciar ao cargo

Publicado em 18 Fev 2009
Comentários; fechado

O Chefe de Estado manfradique.jpgifestou a intenção de renunciar ao cargo, durante uma reunião da comissão política do seu partido o MDFM-PL. Uma posição que ameaça agravar a crise política a nível nacional. Expectante o cidadão comum não está a compreender o que está a passar, ainda mais quando o Chefe de Estado não se pronunciou em público desde a operação policial que neutralizou a alegada tentativa de golpe de estado na última semana. O MDFM-PL já confirmou a intenção de Fradique de Menezes.

Após a reunião da comissão política da última terça-feira, em que o Presidente da República manifestou a intenção de abandonar o poder , o Presidente da Comissão de Gestão do MDFM/PL, João Costa Alegre leu um comunicado exigindo que todos os órgãos de soberania assumissem as suas responsabilidades no quadro do momento político actual. «A comissão política ao tomar conhecimento da intenção do senhor Presidente da República e Presidente Honorário do MDFM/PL, de renunciar a função de Presidente da República, por amor a São Tomé e Príncipe, evitando situações piores, uma vez que era o principal alvo da subversão constitucional, a comissão política exorta a todos os órgãos de soberania e aos actores políticos a assumirem as suas responsabilidades no quadro do momento político actual», afirmou João Costa Alegre.

O MDFM/PL, deixa claro que o seu Presidente Honorário, Fradique de Menezes, está descontente com as acusações que recaem sobre si, dando conta que é o principal factor de instabilidade no país. Ainda no quadro da alegada tentativa de golpe de estado na ultima semana, muitas vozes em surdina, apontavam o dedo a Fradique de Menezes como sendo o responsável pela situação, por causa de um alegado litígio de terreno na zona de lagoa azul com os búfalos.

O MDFM-PL, considera que todos esses rumores e intrigas terão desgastado a paciência do Chefe de Estado. «Em 1995 houve golpe de estado em São Tomé e Príncipe. Em 2003 houve golpe de estado em São Tomé e Príncipe, neste caso disseram que era Fradique de Menezes o culpado porque ele viajou antes do golpe. Agora há uma tentativa de subversão, e os alegados actores dizem que se as coisas não correrem bem, quem vamos prender e obrigar a renunciar o poder é Fradique de Menezes. Não disseram quem nós vamos prender são os deputados. Porque quem ajuntou com o MLSTP e derrubou o governo de Tomé Vera Cruz foi a ADI. Quem ajuntou com o MLSTP e derrubou o governo de Patrice Trovoada foi o PCD e o MLSTP. Foi Fradique de Menezes? Porquê que os senhores que iam dar golpe de estado não iam prender os deputados a Assembleia Nacional? Porque são eles que estão a criar instabilidade, mas queriam prender Fradique de Menezes. Fradique de Menezes não é o governo. E se ele não é governo porque é que ele é o culpado da instabilidade em São Tomé e Príncipe?», interrogou o presidente da comissão de gestão do MDFM/PL.

Intenção de Fradique de Menezes, abre portas para a agudização da crise política, cuja saída será uma e única, a realização das eleições gerais.

Abel Veiga