São Tomé e Príncipe e Angola reforçam parceria na luta contra a criminalidade organizada e outras acções que põem em causa a segurança interna

Publicado em 22 Abr 2009
Comentários; fechado

O Miniangola-stp.jpgstro angolano do Interior que está a visitar São Tomé e Príncipe, anunciou terça-feira, que os dois países estão a rever o acordo de cooperação no domínio da segurança interna. Luta contra o terrorismo, branqueamento de capital, e o combate ao narcotráfico são dentre outras missões, que Angola pretende ajudar São Tomé e Príncipe a desempenhar com maior eficiência. O Ministro da Administração Territorial, Raul Cravid, destacou a formação das forças de segurança como sendo a principal prioridade.

O novo impulso na cooperação entre São Tomé e Príncipe e Angola no domínio da segurança interna, é dado numa altura em que as forças de segurança tiveram que intervir para neutralizar uma alegada tentativa de subversão da ordem constitucional.

O ministro da administração interna, Raul Cravid, que liderou a operação defende que as forças de segurança devem se destacar pela capacidade preventiva de crimes ou de outras acções subversivas. Por isso destaca a cooperação com Angola no domínio da segurança. Parceiro fundamental na formação e apetrechamento das forças de segurança. «Nosso grande papel e missão é formar homens que possam lidar com situações e meios no futuro. Pretendemos garantir sempre a estabilidade e a paz e que os nossos cidadãos se sintam efectivamente em segurança», declarou Raul Cravid.

As equipas técnicas dos dois países, compostas por comandantes gerais das forças policiais e de outras unidades de segurança, já estão a reestruturar o programa quadro de cooperação de forma ser mais dinâmico e célere. O ministro do interior de Angola, o general Roberto Leal Monteiro, apontou as áreas onde os dois países devem reforçar a parceria no domínio da segurança. «Gostaríamos de reforçar as relações de cooperação no âmbito da actividade policial, combate ao narcotráfico, criminalidade organizada, terrorismo, terrorismo, migração ilegal e na área de bombeiros e protecção civil. Continuamos interessados numa cooperação que privilegie os aspectos da formação, sobretudo a formação de formadores nas diversas áreas de competência dos dois ministérios», sublinhou.

Até sexta-feira a delegação angolana vai visitar os comandos da polícia no sul e norte de São Tomé, e outras unidades de segurança.

Abel Veiga