MDFM-PL dá sinal de vida, marca congresso para 20 de Dezembro, e pede maioria absoluta

Publicado em 16 Nov 2009
Comentários; fechado

mdfm.jpgO partido criado pelo Presidente Fradique de Menezes, vai a congresso no dia 20 de Dezembro para tentar renascer das cinzas de um conflito interno que quase matava o partido. O MDFM-PL que ganhou as eleições legislativas de 2006 em coligação com o PCD, acabou por ficar na margem do poder, por causa de desavenças internas que pareciam insanáveis, mas também por causa da crise com o seu parceiro de coligação o PCD. Gerido há cerca de 1 ano por uma comissão, o partido realiza a sua reunião magna em Dezembro, para eleger uma direcção e procurar maioria absoluta nas eleições legislativas previstas para Abril de 2010.

João Costa Alegre, na qualidade de Presidente da Comissão de gestão do MDFM-PL, disse após a reunião do conselho nacional alargado que o MDFM-PL, o partido liberal, reúne-se em congresso no dia 20 de Dezembro. «Os próximos anos são de capital importância para a vida política nacional, temos questões de muita importância a discutir para quando chegarmos ao congresso, os delegados ao congresso estejam preparados para discutir a vida do partido», afirmou.

O partido que desde a queda do governo de Tomé Vera Cruz, passou a travar uma grande luta interna, com desgastes e anúncios de desistência por parte de alguns militantes, procura em Dezembro encontrar um norte para conquistar o poder em 2010. João Costa Alegre, diz que o partido quer poder com maioria absoluta. «É nossa intenção assumir o poder nesse país de uma forma firme e independente», realçou.

O Movimento Democrático Força da Mudança-Partido Liberal, é uma obra política do Presidente da República Fradique de Menezes. Sacudido por conflitos internos, tendo atingido o auge com a exoneração de Manuel de Deus Lima da liderança do partido, o MDFMPL, justifica o seu pedido de maioria absoluta com a defesa dos princípios da mudança e da credibilidade. «É um partido que não agrupa as centenas de milhares de corruptos deste país. É um partido que até agora se afirmou como um partido da mudança, e continua a ser da mudança e nunca traiu a mudança com objectivos outros, sempre esteve firme aos anseios e objectivos do partido», concluiu João Costa Alegre.

Grande expectativa rodeia a preparação do congresso da família liberal. O posicionamento que o seu fundador vai adoptar, é uma das razões da expectativa. A opinião pública quererá saber se o Presidente da República, vai continuar a ser Presidente Honorário do MDFM-PL, ou passar a ter poder executivo directo no partido. Mais importante ainda se o nome do Chefe de Estado vai ou não figurar na lista de deputados do partido as eleições legislativas de 2010. Note-se que em declarações a imprensa no ano passado, Fradique de Menezes manifestou intenção de regressar a Assembleia Nacional para “fazer política”, como deputado, isto é, assim que terminar o seu mandato como Presidente da República.

Figuras que poderão ocupar a direcção no Congresso de Dezembro, é outra incógnita.

Abel Veiga