Maria de Cristo cai e arrasta consigo Óscar Medeiros

Publicado em 23 Fev 2010
Comentários; fechado

maria-de-cristo-mcs.jpgA ex-ministra da Comunicação Social, Maria de Cristo Carvalho, demitiu-se do cargo no dia 17 de Fevereiro por causa da condenação do Tribunal de Contas no caso de má gestão dos fundos da Protecção Social de 2006 a 2008, altura em que desempenhava as funções de ministra do trabalho e Solidariedade. No entanto no dia seguinte, 18 de Fevereiro assinou um despacho demitindo o Jornalista Óscar Medeiros, das funções de Chefe de Redacção da Televisão São-tomense.

O Jornalista Óscar Medeiros, foi nomeado no ano 2008, para exercer em comissão de serviço as funções de Chefe de Redacção da Televisão São-tomense.

No entanto um despacho emitido pela ex-Ministra da Comunicação Social no dia 18 de Fevereiro, ou seja, 24 horas depois de Maria de Cristo ter-se demitido do cargo, diz que a nomeação do Jornalista Óscar Medeiros, para o cargo de Chefe de Redacção não mereceu visto da Administração Pública. «Não tendo o mesmo cumprido com o exigido pela Administração Pública no que concerne a apresentação de outros documentos ; Encontrando-se o Senhor Óscar Orté Medeiros prestando serviço para a RDP-África como correspondente e ao mesmo tempo apresentador na estação pública de televisão santomense ; Pretendendo o Ministério da Comunicação Social, Juventude e Desportos separar as funções que este jornalista tem exercido entre estas duas instituições: Nestes termos no uso das faculdades conferidas pela alínea d) do número 4 do artigo 87 da lei nº5/07, a Ministra da Comunicação Social Juventude e Desportos DETERMINA: É dada por finda as actividades que vinha exercendo o senhor Óscar Orté d´Almeida Medeiros na TVS, no quadro do despacho nº 6/2008 da Secretaria de Estado da Comunicação Social bem como a de apresentador da TVS», lê-se no despacho assinado pela ex-Ministra da Comunicação Social.

Em declarações ao Téla Nón, Óscar Medeiros, manifestou-se tranquilo e considerou a ordem de despedimento como algo cómico. Primeiro porque Maria de Cristo tomou a decisão de demiti-lo, quando já não tinha poderes para o fazer. «A ex-Ministra apresentou publicamente a sua demissão no dia 17 de Fevereiro, e o despacho da minha exoneração foi emitido pela ministra no dia 18 de Fevereiro», declarou o jornalista.

Óscar Medeiros, que foi um dos primeiros jornalistas da Televisão-São-tomense, desde o início das emissões ainda na década de 80, regressou a casa onde descobriu o jornalismo no ano 2008. Era Chefe de Redacção e apresentador do Telejornal.

O regresso de Óscar Medeiros a TVS, foi explicado pelas autoridades políticas, como sendo um projecto do estado são-tomense que visa elevar a qualidade da informação produzida nos órgãos estatais.

O executivo tinha assim aberto as portas dos órgãos estatais para o regresso dos quadros técnicos e jornalistas, que nos últimos anos tiveram que abandonar a casa mãe, não só por razões económicas e financeiras, mas também por muitas outras razões, nomeadamente a mesquinhice, que infelizmente insistem em perdurar. «Vou provar que o despacho da ministra da comunicação social é nulo. Considero que a ex-Ministra agiu de má fé. Má fé e cobardia de uma governante autoritária e condenada pelo Tribunal de Contas. É uma espécie de retaliação pelo facto de eu ter relatado com profissionalismo, rigor e isenção o caso do escândalo financeiro no gabinete da protecção social em que a ex-ministra era a principal arguida», afirmou o jornalista.

Óscar Medeiros, acrescentou que vai recorrer ao Supremo Tribunal de Justiça para provar a ilegalidade do acto de Maria de Cristo. «Infelizmente são essas as pessoas que são chamadas para assumir a governação do país. Pessoas que agem com rancor, nem tem que ser», reclamou. 

O jornalista considerou por outro lado, como inútil a possibilidade de recorrer ao sindicado dos jornalistas da comunicação social, que por obrigação deveria se pronunciar sobre o caso.

Abel Veiga