São Tomé e Príncipe e o Brasil assinam acordo de cooperação de 5,8 milhões de euros

Publicado em 05 Mar 2010
Comentários; fechado

stp.jpgA Ministra da Defesa Nacional da Justiça e Assuntos Parlamentares, Elsa Pinto que assinou o acordo em substituição do Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Carlos Tiny, considerou de hisbrasil.jpgtórica a cooperação que vai incidir directamente na vida das populações. Segundo a Ministra a nova fase de cooperação entre os dois países abre financiamento para microempresas, mas não só. Permite a construção de habitações, contribuiu para a melhoria do sistema nacional de saúde, e permite pela primeira vez ao governo definir uma política de salário mínimo nacional.

Dos 5,8 milhões de dólares inscritos no programa de cooperação com o Brasil, São Tomé e Príncipe tem responsabilidades em assegurar 10% do valor. Apoio técnico para a implementação da política de salário mínimo, é uma das componentes do programa de cooperação que também realça a implementação da segunda fase do programa de alimentação escolar, apoio institucional ao programa de gestão de água, bem como o financiamento de um programa de prevenção contra o paludismo.

O embaixador do Brasil acreditado junto ao estado são-tomense, Arthur Meyer manifestou-se satisfeito com a assinatura do acordo, mas acrescentou que a acção de cooperação mais importante do Brasil será inaugurada nos próximos tempos. Trata-se da construção do primeiro centro de formação profissional de São Tomé e Príncipe. «Brevemente vamos lançar o que será possivelmente o mais importante projecto, que é o centro de formação profissional de São Tomé e Príncipe, cujo prédio está a ser construído no terreno do centro politécnico nesta capital», anunciou o embaixador.

Elsa Pinto Ministra da Defesa Nacional que assinou o acordo de cooperação em substituição do Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, considerou que São Tomé e Príncipe está a viver um momento histórico nas relações com o Brasil. «Esses projectos incidem directamente sobre a vida da nossa população. Estamos a falar da construção de habitações. Estamos a falar da componente saúde, que tem a ver com o controlo do paludismo e da tuberculose. Estamos a falar da política do salário mínimo e mais do que isso, estamos a falar de micro-crédito que vai melhorar as capacidades internas, e resolver a situação do tecido empresarial, na componente microempresas», declarou Elsa Pinto.

Para além do novo programa de cooperação, Brasil está a formar cerca de 200 estudantes são-tomenses nos mais variados domínios. Defesa é outro sector que também está a ganhar destaque na cooperação bilateral. «Já temos uma cooperação apreciável no domínio da defesa, e que eu espero venha a intensificar nos próximos meses, sobretudo no tocante a questão da formação e apoio a criação de uma guarda costeira eficiente neste país», frisou o embaixador Arthur Meyer.

São Tomé e Príncipe e o Brasil abrem nova etapa na cooperação bilateral. Note-se que a nível da educação através do projecto Educação Solidária, Brasil já libertou milhares de são-tomenses do analfabetismo.

Abel Veiga